Fora de Jogo Esquema de apostas: primeiros jogadores serão julgados; saiba quem são e o que pode acontecer

Esquema de apostas: primeiros jogadores serão julgados; saiba quem são e o que pode acontecer

Jarro Pedroso e Nikolas Faria estarão frente a frente com o Tribunal de Justiça Desportiva nesta segunda-feira (22)

Agência Estado - Esportes
Resumindo a Notícia
  • Dois dos jogadores envolvidos nos esquemas de apostas serão julgados nesta segunda-feira (22)

  • Dupla será a primeira a enfrentar a Justiça desde que as denúncias vieram à tona

  • Jarro Pedroso e Nikolas Faria estarão frente a frente com o Tribunal de Justiça Desportiva

  • Outros nomes como Kevin Lomónaco e Moraes fizeram o mesmo acordo que a dupla julgada hoje

Jarro Pedroso e Nikolas Faria serão os primeiros julgados da Operação Penalidade Máxima

Jarro Pedroso e Nikolas Faria serão os primeiros julgados da Operação Penalidade Máxima

Montagem R7 / Paulo Marcos/Atlético-GO / Divulgação/Novo Hamburgo

Dois jogadores envolvidos no esquema de apostas serão julgados nesta segunda-feira (22), sendo os primeiros a enfrentarem consequências jurídicas desde que o caso veio à tona. Jarro Pedroso, do Inter de Santa Maria, e Nikolas Farias, sem clube no momento, estarão frente a frente com o Tribunal de Justiça Desportiva do Rio Grande do Sul (TJD-RS).

Ambos fizeram primeiramente um acordo com o Ministério Público de Goiás, que iniciou as investigações, para que não fossem réus na Operação Penalidade Máxima. Eles serão julgados nesta segunda porque disputaram o Campeonato Gaúcho deste ano.

·         Compartilhe esta notícia no Whatsapp
·         Compartilhe esta notícia no Telegram

Segundo as próprias confissões dos atletas, Pedroso teria aceitado um pagamento de R$ 30 mil - sendo R$ 70 mil prometidos a ele primeiramente - para que cometesse um pênalti contra o Caxias na época em que atuava pelo São Luiz. Já Farias recebeu a oferta para fazer a mesma coisa pelo Novo Hamburgo diante do Esportivo-RS. Os dois cometeram as infrações. Caso sejam condenados pelo TJD-RS, pagarão multa de até R$ 100 mil e podem ser suspensos do futebol de um a dois anos.


Jarro alegou ter sido intimado pelos apostadores e, por isso, cometeu a penalidade. Segundo o jogador, os envolvidos fizeram ameaças não somente a ele próprio como também à sua família. "Me ligaram por vídeo e falaram que só faltava eu", disse, em entrevista ao jornal Zero Hora. "(Disseram que) Do mesmo jeito que chegaram em mim, poderiam chegar na minha família também. Eu me senti acuado, não tinha o que fazer. Tinha ainda que tomar um cartão, mas eu não tomei", completou, adicionando que devolveu o dinheiro recebido.

Já Nikolas, de acordo com as informações das investigações do MP-GO, tinha maior ligação com o esquema de manipulação. Ele não somente prometeu que iria fazer o pênalti como incluiria companheiros de time na fraude. "Vou entrar e um pênalti eu faço, alinha o resto", disse aos apostadores. "Primeiro lance meu na área é carriola". Após o jogo, ele ainda chegou a 'cobrar' o pagamento.

Mais jogadores envolvidos

Outros dois atletas fizeram o mesmo acordo que Pedroso e Farias. Foram eles: Moraes, ex-Juventude, e Kevin Lomónaco, do Red Bull Bragantino, que está em processo de rescisão de contrato. Isso só foi permitido pela confissão dos investigados. Baseado no artigo 28-A do Código de Processo Penal, caso o réu admita um crime não violento, de pena mínima inferior a quatro anos e sem ameaça grave de testemunha, ele pode buscar o acordo.

Os julgamentos desta segunda-feira não devem ser os únicos no cenário do esquema de apostas. Cada vez mais novos nomes surgem nos esquemas investigados pelo MP-GO, além de outras formas de manipulação, não limitando-se somente a cartões ou pênaltis, mas até a placares de jogos. Dependendo do caso e envolvimento de um atleta, pode até acarretar em prisão.

Jornais esportivos na Espanha culpam Vinícius Jr. por caso de racismo

Últimas