Fora de Jogo Defesa cita 'jogo erótico' entre Daniel Alves e suposta vítima em recurso à Justiça

Defesa cita 'jogo erótico' entre Daniel Alves e suposta vítima em recurso à Justiça

A estratégia dos advogados para conseguir que o jogador responda em liberdade é mostrar que a relação sexual teria sido consentida

Agência Estado - Esportes
Resumindo a Notícia
  • A defesa de Daniel Alves tenta fazer com que o jogador responda ao processo em liberdade.

  • O atleta é acusado de ter estuprado uma jovem de 23 anos em uma boate em Barcelona.

  • Os advogados do jogador citam um 'jogo erótico' entre Daniel Alves e vítima.

  • O objetivo é convencer a Justiça de que a relação sexual entre os dois foi consentida.

Daniel Alves é acusado de estuprar mulher de 23 anos

Daniel Alves é acusado de estuprar mulher de 23 anos

Lucas Figueiredo/CBF

A defesa de Daniel Alves, preso desde o dia 20 de janeiro pela suposta agressão sexual contra uma mulher de 23 anos, cita, no recurso de apelação para pedir novamente sua liberdade provisória, apresentado à Justiça da Espanha na última terça-feira (16), um eventual "jogo erótico" entre o jogador e a suposta vítima na noite do episódio, em 31 de dezembro, na boate Sutton, em Barcelona. A previsão mais otimista de julgamento do caso é setembro.

No recurso, a defesa, encabeçada pelo advogado Cristóbal Martell, afirma que o relato da acusação apresenta "inconsistências e incoerências". Argumenta-se que Daniel Alves e a suposta vítima, enquanto estavam na área VIP da casa noturna, encontravam-se em uma "realidade distinta" do cenário de medo descrito pela acusação à Justiça. Com base no material audiovisual coletado, os advogados do brasileiro afirmam ser possível ver "claramente dois adultos desenvolvendo um jogo erótico, simulando um prévio coito".

"Observa-se na denunciante uma conduta abertamente sexualizada, própria de um galanteio sexual em fase de cortejo. Em algum momento, vê-se a jovem colocando-se de costas para o atleta, contorcendo e roçando os glúteos em movimentos na zona pélvica do denunciado, no ritmo da música", disse a defesa de Daniel Alves no recurso apresentado à Justiça de Barcelona.

 Compartilhe esta notícia no WhatsApp
 Compartilhe esta notícia no Telegram

Daniel Alves admitiu que houve relação sexual com a jovem que o acusa de estupro, mas afirma mais uma vez que o ato foi consentido. O brasileiro também diz novamente que mudou sua versão sobre o ocorrido diversas vezes para esconder a infidelidade da mulher, a modelo e empresária Joana Sanz, com quem agora está em processo de divórcio. A inconsistência no depoimento à Justiça foi citada como um dos motivos para prender o jogador preventivamente.

A defesa sustenta, ainda, que o risco de o brasileiro fugir da Espanha, caso seja solto provisoriamente, é "inexistente e impensável". O recurso cita o fato de que Daniel Alves tem um projeto de vida em Barcelona e que sempre quis que os filhos realizassem seus estudos universitários no país europeu. Dinorah Santana, agente de Daniel Alves e mãe dos filhos do atleta, mudou-se recentemente para a Espanha com as crianças.

Entenda o caso

Daniel Alves teve a prisão decretada em 20 de janeiro, ao prestar depoimento sobre o caso de agressão sexual contra uma mulher ocorrido na madrugada do dia 30 de dezembro de 2022. O Ministério Público pediu a prisão preventiva do atleta, de 40 anos, sem direito a fiança, e a titular do Juizado de Instrução 15 de Barcelona acatou o pedido e ordenou a detenção. O Pumas, do México, rescindiu o contrato com o jogador no mesmo dia, alegando "justa causa".

A acusação se refere a um episódio que teria ocorrido na casa noturna Sutton, em Barcelona, na Espanha. O atleta, que defendeu a seleção brasileira na Copa do Mundo do Catar, teria trancado, agredido e estuprado a denunciante em um banheiro da área VIP da casa noturna. A denunciante procurou as amigas e os seguranças da balada depois do ocorrido. O material coletado pela perícia encontrou vestígios de sêmen, tanto internamente quanto no vestido da denunciante.

A equipe de segurança da casa noturna acionou a polícia catalã (Mossos d'Esquadra), que colheu o depoimento da vítima. Uma câmera usada na farda de um policial gravou acidentalmente a primeira versão da vítima sobre o caso, corroborando o que foi dito por ela na oitiva oficial. A mulher também passou por um exame médico em um hospital. Daniel Alves foi embora do local antes da chegada dos policiais.

Segundo a imprensa espanhola, a contradição no depoimento do lateral-direito foi determinante para que o Ministério Público do país pedisse a prisão e a juíza a aceitasse. No início de janeiro, o jogador deu uma entrevista ao programa Y Ahora Sonsoles, da Antena 3, em que confirmou que esteve na mesma boate que a mulher que o acusa, mas negou ter tocado na denunciante sem a anuência dela e disse que nem a conhecia.

Quem é o amigo de Daniel Alves que o visita toda semana na prisão?

Últimas