Copa 2018 Saiba quando futebol e política realmente se misturam

Saiba quando futebol e política realmente se misturam

Uma coisa é a legítima manifestação política de jogadores e torcedores, a outra são interesses mesquinhos que não passam de politicagem

futebol, política, copa 2018

Shaqiri comemora com símbolo da águia dupla

Shaqiri comemora com símbolo da águia dupla

Reuters

Falar que futebol e política não se misturam já é uma postura política. A definição de política tem total relação do indivíduo com o meio que o cerca e, neste sentido, só o fato de uma pessoa sair de casa, olhar as pessoas na rua, dirigir no trânsito, interagir com a multidão no metrô já é uma atitude política.

Também para o bem e para o mal, esporte e o futebol, portanto, só conseguiriam estar alheios a isso se fossem praticados em outro planeta. O que é considerado prejudicial, e que muitos questionam, é a mistura de futebol com politicagem, um nível mais superficial do que é a política.

Esse foi, por exemplo, o interesse do ditador politiqueiro Ramzan Kadyrov, que deu a Mohamed Salah, que estava, com a seleção egípcia, hospedado na Chechênia, o título de cidadão honorário, na semana passada.

Real política

Mas as manifestações de jogadores e técnicos têm mais a ver com o nível mais profundo da política e não com interesses comerciais ou mesquinhos de políticos e dirigentes. 

As comemorações dos suíços Xakha e Shaqiri, no jogo contra a Sérvia, pela Copa do Mundo, os levaram a ser punidos pela Fifa, que os multou em 10 mil francos (R$ 38 mil) por se manifestarem politicamente contra a manutenção de Kosovo, de origem albanesa, sob controle da Sérvia.

Shaqiri é kosovar, assim como os pais de Xakha. Eles comemoraram fazendo com as mãos o gesto da águia dupla, um símbolo da Albânia.

Mas, por mais que a entidade tente controlar este tipo de manifestação, para que ela não se espalhe, não há como ela desatrelar o futebol dos acontecimentos mundiais.

Em 1999, a Sérvia, então Iugoslávia, se envolveu em um sangrento conflito com separatistas de Kosovo, o que gerou inclusive uma ação militar da Otan contra o famigerado governo do sérvio Slobodan Milosevic, autor de vários massacres que nem a Fifa nem a história conseguem esconder. Tanto que ele foi preso, após ser condenado pelo Tribunal de Haia.

Não foi a primeira situação que expôs essa relação entre esporte e política. Já na Copa do Mundo de 1934, a seleção da Itália foi utilizada como instrumento político do fascismo. O título daquele Mundial, realizado em território italiano, serviu como propaganda para o ditador Benito Mussolini. Não se sabe quais jogadores eram contrários a esse fenômeno, mesmo porque eles poderiam correr sérios riscos de vida caso revelassem sua verdadeira opinião.

Vinte anos depois, a seleção húngara despontou para o mundo jogando um futebol organizado e talentoso. O regime comunista, controlado pela União Soviética, tentou fazer daquela equipe um símbolo da eficiência que os próprios comunistas atribuíam a eles mesmos.

Mas, os jogadores, inconformados com as interferências deploráveis (essas sim, por pura politicagem), deixaram o país e se exilaram nos anos 50, após uma histórica excursão do Honved, time que eles defendiam, pela América do Sul, com jogos no Brasil. A federação vetou a viagem, com medo de deserções, mas os jogadores a bancaram e sofreram as consequências.

O craque húngaro Ferenc Puskas foi punido pela Fifa e ficou cerca de um ano parado. Mesmo gordo e inativo, foi convidado pelo então presidente do Real Madrid, Santiago Bernabeu, a jogar pela equipe espanhola, aceitando e, já livre da punição, recomeçando a carreira. Outros que foram jogar na Espanha, pelo Barcelona, foram Sandro Kocsis e Gyula Czibor.

Nos anos 70, ficou famosa a maneira como a ditadura militar brasileira tentou interferir na seleção, antes da Copa do Mundo no México.

Não é lenda a resposta do politizado João Saldanha, ex-jornalista que assumiu o comando do time, quando, impelido pelo general Emílio Garrastazu Médici a convocar o atacante Dario, retrucou com a frase, "o senhor escala seu ministério e eu a seleção". Ele foi demitido na ocasião, deixando de comandar a seleção que conseguira a classificação para a Copa sob seu comando. 

Guerra e paz

No Chile, na época da sangrenta ditadura de Augusto Pinochet (1973-1990), foi a vez de Carlos Caszely se manifestar de forma corajosa contra aquele regime.

Tendo sua mãe sido torturada nos porões do governo chileno, o então jogador se recusou a apertar a mão de Pinochet, no chamado "Jogo da Vergonha". Na ocasião, a União Soviética se recusou a enfrentar o Chile nas Eliminatórias (por causa da ditadura) e a Fifa aprovou o jogo, mesmo realizado sem adversário. O Chile se classificou para o Mundial de 1974.

Outros jogadores conhecidos por seu cunho político foram Afonsinho, nos anos 70, e Sócrates, nos anos 80. Ambos foram corajosos em expor suas opiniões em favor da democracia, quando o Brasil vivia uma ditadura militar.

Participante do movimento estudantil e atuando em prol dos direitos dos atletas, em pleno regime Médici, Afonsinho foi monitorado pelos órgãos de segurança do governo.

Em 1982, Sócrates, por sua vez, encabeçou a chamada Democracia Corinthiana, que desafiava o sistema rígido do futebol, utilizando este movimento como um símbolo de luta pelo retorno da democracia ao país, que ocorreu sete anos depois.

Até Pelé, que para muitos é um jogador alheio aos interesses das causas populares, se manifestou politicamente durante sua carreira.
O próprio alerta para que a sociedade se preocupasse com as crianças, principalmente aquelas em situação de pobreza e falta de perspectivas, feito na ocasião de seu milésimo gol, em 1969, foi uma manifestação política que, por sinal, vinha carregada de uma profunda verdade.

O Santos de Pelé, inclusive, interrompeu dois conflitos, no Congo e na Nigéria, em excursões em 1969. Na Nigéria, dirigentes conseguiram um cessar-fogo com separatistas de Biafra para que a partida ocorresse.

No Congo, então conhecido como Congo belga, militares, comandados pelo major Marien Ngouabi, então presidente empossado em 1968 após golpe de Estado, lutava contra rebeldes que tentavam tirá-lo do poder. Para a partida, ambos os lados paralisaram os combates para permitir a passagem da delegação santista e a realização de dois jogos.

O futebol, enfim, serve, em última instância, para promover a paz. Cada vez que a Fifa, sempre inserida em interesses políticos e, muitas vezes, de politicagem, tenta negar isso, está, no fundo, negando o real sentido, político, de sua existência.