Automobilismo Menina de 10 anos quer continuar no kart apesar de capotagem

Menina de 10 anos quer continuar no kart apesar de capotagem

Pilota Marcella Assumpção, que se recupera de lesão na clavícula e no braço, conheceu ídolos brasileiros da Fórmula E

"Eu vou começar... Vamos conhecer mais sobre a Fórmula E?" Na frente das câmeras e ensaiando a abertura de um vídeo, que será publicado em suas redes sociais, está Marcella Assumpção, de apenas 10 anos. Apaixonada por automobilismo, a piloto de kart se recupera de uma capotagem aterrorizante, que a afastou das pistas, mas não a impediu de comparecer no lançamento do ePrix de São Paulo, na última quinta-feira (13).

O evento apresentou a mais nova etapa da Fórmula E, que contará com um circuito no sambódramo do Anhembi. Lá, a jovem pôde conhecer dois ídolos do automobilismo, os pilotos brasileiros da FE, Lucas Di Grassi e Sérgio Sette Câmara, e aproveitou para questionar ao campeão da categoria quando poderia ser como ele. Ao ver a menina com colar cervical e tipoia ortopédica, Di Grassi respondeu:

"Quando o médico te libera?", arrancando risos dos presentes no evento.

Marcella posou para fotos ao lado dos brasileiros da FE, Lucas di Grassi e Sergio Sette Câmara

Marcella posou para fotos ao lado dos brasileiros da FE, Lucas di Grassi e Sergio Sette Câmara

EDU GARCIA/R7

Era 1º de outubro, quando Marcella disputava a segunda corrida do SPLight. O kart que vinha a sua frente rodou, a piloto que carrega o número 305 não conseguiu desviar e capotou. Na aterrissagem, o kart bateu em seu próprio corpo. Com o impacto, ela fraturou o pescoço e a clavícula, e precisará usar a tipoia e o colar cervical por três meses, como forma de tratamento.

"O capacete dela tem uma marca do pneu do kart", contou ao R7 o pai de Marcella, o também piloto Marcello Assumpção. "Eu até brinco que se ela tivesse menos experiência, ela teria freado. Como ela tem uma baita experiência, acelerando ela tentou tirar [o kart] e acabou catapultando."

Entre os fiscais de prova que correram para tirar o carro de cima da menina, até mesmo um primo, que fazia as imagens da corrida, deixou a câmera de lado e foi para a pista para auxiliar no resgate. A mãe, Natalia Pizzoni, ainda faz cara feia quando vê as imagens, mas contou que após o acidente, o primeiro questionamento da menina foi sobre o estado do capecete e se ela não poderia competir o Campeonato Brasileiro de Kart.

Marcella reclama das dores da lesão, mas quer logo voltar a competir de kart

Marcella reclama das dores da lesão, mas quer logo voltar a competir de kart

Reprodução/Instagram/@marcella_assumpcao305

Marcella começou a pilotar aos 6 anos de idade, mas por conta de uma doença autoimune precisou ficar mais de um ano afastada das pistas. Com a pandemia da Covid-19, o retorno ao monoposto foi mais uma vez adiado, mas agora a piloto já completa um ano em competições.

A jovem começou a pilotar kart antes mesmo de andar de bicicleta e iniciou a carreira por acaso. Marcello a levou para o Kartódramo da Granja Viana e, assim que viu outras crianças pilotando, quis pilotar também.

"Ela nunca tinha andado de kart, mas ela sentou [no kart] e em uma corrida com outros quatro meninos, ela fez a volta mais rápida e a maior velocidade em retas", explicou o pai.

Por ver o talento natural da filha, Marcello comprou um kart para a menina e a inseriu em competições do kartismo. O que antes era brincadeira, se tornou a carreira de Marcella. Até mesmo em condições de chuva a piloto se destacava com boas classificações nas corridas.

Marcella aguarda fim de recuperação para retornar as pistas e voltar a competir

Marcella aguarda fim de recuperação para retornar as pistas e voltar a competir

Reprodução/Instagram/@marcella_assumpcao305

"Nós estamos no melhor momento do automobilismo para mulher. Com aquele programa Girls On Track, a Bia Figueiredo falou de levar a Marcella para a Academia da Ferrari quando ela completar 12 anos", disse Marcello, que também conta que diversos amigos também acreditam na piloto como promissora e buscam patrociná-la.  

Enquanto se recupera do acidente, a piloto planeja suas próximas metas, que ajudarão a conquistar seu maior sonho: chegar na Fórmula 1.

"Estou animada para voltar a correr. Estou fazendo contagem regressiva e contando os dias", resumiu a piloto. "Ainda dói um pouco, mas estou mesmo focada em voltar a pilotar o quanto antes."

*Estagiária sob supervisão de André Avelar, do R7

FE: categoria dos carros elétricos desembarca pela 1ª vez em São Paulo em março

Últimas