Logo R7.com
Logo do PlayPlus
BRASILEIRO 2022
Publicidade

Hamilton exalta decisão judicial que impôs indenização milionária a Piquet por racismo

Ex-piloto da F1 proferiu comentários contra o piloto britânico e Keke e Nico Rosberg, que também fizeram parte do grid

Automobilismo|Do R7


O título de cidadão honorário brasileiro foi concedido a Lewis Hamilton em 2022
O título de cidadão honorário brasileiro foi concedido a Lewis Hamilton em 2022

Lewis Hamilton exaltou nesta quinta-feira (30) a decisão judicial que impôs uma indenização milionária ao ex-piloto Nelson Piquet por falas consideradas racistas e homofóbicas. O tricampeão mundial da Fórmula 1 foi condenado na semana passada, em primeira instância, a pagar R$ 5 milhões.

"Eu gostaria de agradecer ao governo brasileiro. Acho que é incrível o que fizeram ao responsabilizar alguém, mostrando às pessoas que isso [preconceitos] não é tolerável", declarou o piloto da Mercedes, em Melbourne, onde disputará no fim de semana o GP da Austrália de F1.

"Não há espaço para isso [preconceitos] em nossa sociedade. Então, eu amei que estejam mostrando que defendem uma posição", comentou o inglês. "E ainda acredito que, de forma geral, não devemos dar plataforma a pessoas que estão cheias de ódio."

Hamilton se refere às entrevistas concedidas por Piquet a um canal no YouTube em 2021. Na ocasião, o ex-piloto fez comentários racistas e homofóbicos ao se referir a Hamilton e ao alemão Nico Rosberg, ex-companheiro de Mercedes e ex-rival do inglês.

Publicidade

"O neguinho meteu o carro. O [Ayrton] Senna não fez isso. O Senna saiu reto", comentou Piquet ao comparar um acidente que envolveu Hamilton em 2016 com o acidente que envolveu Senna e Alain Prost no GP do Japão em 1990. Em seguida, ele insultou os ex-pilotos Keke e Nico Rosberg, pai e filho: "[Keke] é que nem o filho dele [Nico]. Ganhou um campeonato... o neguinho devia estar dando mais o c* naquela época e 'tava' meio ruim, então... [risos]".

Entidades acionaram a Justiça ao alegarem que Piquet violou direitos fundamentais de honra ao se referir em comentário a Hamilton como "neguinho" e ao proferir falas homofóbicas contra Keke e Nico Rosberg.

Publicidade

Nesta quinta, Hamilton pediu mais decisões como a da Justiça brasileira em outros países. "Eu gostaria que mais governos fizessem o mesmo", declarou o piloto da Mercedes. "Há muitas coisas que podemos aprender [com a decisão da Justiça brasileira]", comentou.

Entenda o caso

Trechos de uma entrevista concedida por Nelson Piquet ao canal do YouTube Motorsports Talks em novembro de 2021 ressurgiram nas redes sociais em julho do ano passado. Na conversa, o tricampeão mundial tece comentários racistas e homofóbicos em relação a Hamilton, a quem se referiu como "neguinho".

Publicidade

Os comentários de Piquet viralizaram na internet e foram respondidos com repúdio por todo o ecossistema da Fórmula 1. Pilotos, equipes, jornalistas e fãs condenaram a atitude do piloto brasileiro, defendendo Hamilton e afirmando que não havia mais espaço para esse tipo de comportamento no esporte.

Leia também

Em seu perfil nas redes sociais, o heptacampeão foi breve em sua resposta. Ele afirmou, em português, que era necessário "mudar a mentalidade". "É mais do que linguagem. Essas mentalidades arcaicas precisam mudar e não têm lugar no nosso esporte. Fui cercado por essas atitudes minha vida toda. Houve muito tempo para aprender. Chegou a hora da ação", disse o britânico.

A Federação Internacional de Automobilismo (FIA) se posicionou, afirmando que "condena veementemente qualquer linguagem e comportamento racista ou discriminatório, que não tem lugar no esporte ou na sociedade em geral". A Fórmula 1 também saiu em defesa de Hamilton. "A linguagem discriminatória ou racista é inaceitável sob qualquer forma e não tem parte na sociedade. Lewis é um embaixador incrível do nosso esporte e merece respeito."

Em contrapartida, Piquet se desculpou por seus comentários justificando o uso do termo racista ao afirmar que o termo "neguinho" é usado como sinônimo de "rapaz" e "pessoa" no português brasileiro.

"Eu gostaria de esclarecer a história que tem circulado na mídia a respeito de um comentário que fiz em uma entrevista no ano passado. O que eu disse foi mal pensado, e não há defesa para isso. Mas gostaria de esclarecer que o termo usado é historicamente usado de forma coloquial no português brasileiro como um sinônimo de 'rapaz' ou 'pessoa', mas sem a intenção de ofender. Eu nunca usaria a palavra da qual tenho sido acusado em algumas traduções. Condeno toda e qualquer sugestão de que a palavra que usei tenha sido direcionada de forma depreciativa ao piloto por causa da cor de pele dele", disse o ex-piloto.

Piloto da Alfa Romeo na F1, Bottas compra carro raro de R$ 1,2 milhão da montadora italiana

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.