Esportes Torcedor recorre de decisão de juíza que extinguiu ação para anular jogo do Vasco

Torcedor recorre de decisão de juíza que extinguiu ação para anular jogo do Vasco

Um torcedor do Vasco resolveu buscar a Justiça comum para evitar o rebaixamento da equipe carioca no Brasileirão 2020, encerrado em fevereiro, e quer fazer o que for possível para isso. O contador Luciano Reis da Silva está movendo uma ação popular para que a CBF anule o jogo contra o Internacional, em que houve falha técnica no sistema do VAR, o que poderia alterar o resultado final da competição.

Naquela partida, disputada em 14 de fevereiro, o Vasco foi derrotado por 2 a 0. O lance mais importante aconteceu no primeiro tempo, quando Rodrigo Dourado abriu o placar em lance polêmico de impedimento. O gol foi validado pelo árbitro. Horas depois, a CBF explicou que o sistema do VAR falhou. Mesmo assim, a entidade garantiu que houve checagem da jogada.

A ação foi distribuída e está na 38.ª Vara Cível do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro sob os cuidados da juíza Flavia Justus. Na noite de sexta-feira, a magistrada extinguiu a ação, sem julgamento do mérito, por não ter "havido o prévio esgotamento das instâncias da Justiça Desportiva". A advogada Ana Carolina Gandra, do escritório Ferracciu & Gandra Advogados, que ajuizou esta ação popular, prometeu recorrer e fez isso nesta segunda-feira.

"Pretendemos recorrer desta decisão porque entendemos que ela levou em consideração algumas premissas equivocadas. Ainda estamos estudando a melhor estratégia em termos de recursos para esclarecer esta questão", disse a advogada, em entrevista ao Estadão, na sexta-feira.

O Vasco já havia acionado o Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) por conta da falha técnica do VAR naquele jogo. Mas, como o clube não obteve sucesso na esfera esportiva, o torcedor Luciano Reis da Silva decidiu procurar a Justiça comum.

A advogada reconheceu que se trata de um caso incomum na esfera judicial. "O Luciano é um cliente do nosso escritório e também é um torcedor ávido, digamos assim. Nos conhecemos há muito tempo. E ele comentou conosco sobre sua indignação com este jogo, este lance do VAR. E nos questionou se ele, como torcedor, poderia tomar alguma medida judicial. E a ação popular é cabível, por qualquer cidadão, em face de ato que atente contra o patrimônio histórico e cultural. E o Vasco está inserido neste contexto, como todos os times de futebol, principalmente os maiores".

Se o jogo fosse disputado novamente, o Vasco escaparia do rebaixamento em caso de empate ou vitória. Isso porque o time de São Januário terminou o campeonato no 17.º lugar, o primeiro dentro da zona de descenso, com os mesmos 41 pontos do Fortaleza, 16.º colocado. A equipe cearense escapou da Série B por ter maior saldo de gols.

Últimas