Esportes Suspensão provisória de Tandara por doping não rende punição à seleção brasileira

Suspensão provisória de Tandara por doping não rende punição à seleção brasileira

A inesperada suspensão provisória de Tandara por "potencial violação de regra antidopagem" horas antes de o Brasil entrar em quadra para enfrentar a Coreia do Sul nas semifinais do vôlei feminino nos Jogos Olímpicos de Tóquio não vai prejudicar a seleção. Isso porque as equipes coletivas na Olimpíada só são penalizadas se mais atletas testarem positivo ao mesmo tempo para quaisquer substâncias proibidas.

O Estadão consultou o Comitê Olímpico do Brasil (COB) e as regras antidoping estipuladas pelo Comitê Olímpico Internacional (COI) aplicáveis aos Jogos de Tóquio-2020.

O documento do COI prevê que a Divisão Antidoping da Corte Arbitral do Esporte (CAS) "deve aplicar as regras da Federação Internacional relevante para determinar as consequências nos resultados da equipe" somente se mais de um membro de uma equipe em um esporte coletivo cometer uma violação de regra antidoping durante o período dos Jogos Olímpicos.

As sanções seriam perda de pontos, desqualificação para participar de uma competição, evento ou dos Jogos Olímpicos, "além de quaisquer consequências impostas aos

atletas individuais que violem uma regra antidoping".

O COB não revelou nem mesmo a substância proibida que teria sido detectada no exame realizado pela brasileira. Segundo a entidade, o teste foi realizado antes da Olimpíada, no dia 7 de julho, quando ela estava com a seleção brasileira no Centro de Treinamento da CBV, em Saquarema. Os Jogos começaram no dia 23 do mesmo mês.

Segundo o Estadão apurou, a causa pode ter sido um remédio para controle do ciclo menstrual, que normalmente não teria problema de ser usado, mas pode ter dado contaminação cruzada. Pessoas próximas disseram que ela vai se defender e possui amostras de todos os remédios que ingeriu.

A atleta, por meio de sua assessoria, limitou-se a dizer que "trabalha em sua defesa", após ser reprovada em exame antidoping, e disse que só se manifestará "após a conclusão do caso". A CBV lamentou o episódio.

"A CBV lamenta que a atleta, campeã olímpica e uma das principais referências da equipe brasileira, atravesse este momento, e aguarda os resultados dos trâmites processuais, cujo conteúdo é de caráter particular da atleta e confidencial", afirmou a confederação, que também recebeu o comunicado da suspensão provisória.

O Comitê Olímpico do Brasil (COB) recebeu o email da ABCD (Associação Brasileira de Controle de Dopagem na madrugada no Japão. A atleta também havia recebido o comunicado, mas estava dormindo. Então, quando ela acordou, foi informada e teve sua credencial retirada, pois é o protocolo exigido neste momento.

Como não fazia mais parte da delegação, a opção foi por voltar imediatamente para o Brasil. Por isso Tandara vai deixar o Japão ainda nesta sexta-feira e voltará para o Brasil, chegando no sábado.

Últimas