Esportes Sorteio coloca seleção feminina de basquete em chave menos 'dura' na Copa América

Sorteio coloca seleção feminina de basquete em chave menos 'dura' na Copa América

Fora da Olimpíada de Tóquio, resta à seleção brasileira feminina de basquete focar em se classificar para o próximo mundial, que será disputado no ano que vem, na Austrália. E o caminho para isso é a Copa América.

Em sorteio realizado na tarde deste sábado, em Miami, nos Estados Unidos, na sede da Fiba Américas, a seleção brasileira conheceu na tarde deste sábado as quatro rivais da primeira fase da Copa América, que ocorrerá entre os dias 11 e 19 de junho, em San Juan, Porto Rico.

A notícia é boa porque a chave ficou menos pesada para o Brasil, com as grandes potências e carrascos recentes das brasileiras ficando para o outro lado.

No Grupo A, o Brasil terá confrontos contra o Canadá, cabeça de chave, Colômbia, Ilhas Virgens e El Salvador, adversários considerados mais fáceis em relação aos times do outro grupo.

No Grupo B, Estados Unidos, Porto Rico e Argentina - três das principais seleções do basquete feminino do mundo - se enfrentarão em uma chave, que conta também com República Dominicana e Venezuela.

O formato da disputa da Copa América funciona da seguinte forma: todas as seleções se enfrentam dentro das suas chaves. As quatro primeiras de cada grupo avançam para as quartas de final. As seleções que avançarem estarão automaticamente classificadas para a semifinal e para o Pré-Mundial, torneio cuja importância é grande, já que definirá as vagas para o Mundial da Austrália, em fevereiro de 2022, o principal objetivo do Brasil para o próximo ano.

Últimas