Silvio Lancellotti Messi quebra o tabu e o Barcelona consegue o 1 X 1 contra o Chelsea

Messi quebra o tabu e o Barcelona consegue o 1 X 1 contra o Chelsea

Enquanto isso, em Munique, o Bayern realiza 5 X 0 e detona o Besiktas da Turquia, limitado a apenas dez homens desde os 16' da etapa inicial

Messi quebra o tabu e o Barcelona consegue o 1 X 1 contra o Chelsea

Messi, enfim o gol

Messi, enfim o gol

UEFA

Começou nesta terça, 20 de Fevereiro, a segunda parte das oitavas-de-final da Champions League de 2017/18. Em 13 e 14, já tinham se confrontado: Juventus (ITA) 2 X 2 Tottenham (ING), Basel (SUI) 0 X 4 Manchester City (ING), Real Madrid (ESP) 3 X 1 PSG (FRA), Porto (POR) 0 X 5 Liverpool (ING). A seguir, as descrições e as análises das partidas desta noite na Europa.


CHELSEA (ING) 1 X 1 BARCELONA (ESP)
Stamford Bridge, Londres, 41.197 pagantes

Conte, sempre histriônico

Conte, sempre histriônico

UEFA

Na fase de grupos, Chave C, o elenco londrino orientado por Antonio Conte havia se equiparado em pontos à Roma da capital da Itália. No quesito do confronto direto, havia se limitado ao segundo posto. Diante do Barcelona, na antologia da Champions, o Chelsea levava, todavia, uma vantagem pequenina. Em dez combates anteriores, vencera 4 e perdera 3. E, pior, um incômodo tabu acuava o time “Blaugrana” de Ernesto Valverde: o seu astro Lionel Messi, presente em oito desses cotejos, ainda não tinha anotado um só tento.

Quebraria o platino a triste escrita? Sim. Positivo. Quebraria.

Conte optou por ceder a posse de bola a Valverde e, daí, sem um centro-avante de ofício, especular nas ofensivas em velocidade através dos flancos. E, de fato, encerrou o primeiro tempo com apenas 30% de posse mas foi capaz de quatro lances incisivos, dois tiros de William na trave. Na etapa derradeira, o Barça retomou o mesmo estilo de passes curtos, laterais, eventualmente enriquecido por um lampejo arriscado, como o chute cruzado de Suárez que o arqueiro Courtois espalmou aos 52’. Caberia a William, o melhor do cotejo, de todo modo, abrir o placar, aos 62’, com mais um petardo da linha da área grande, um destro que, incrível, resvalou na base do poste antes de enfunar as redes do “Blaugrana”. Inexplicável: Valverde tirou um outro brasileiro da seleção de Tite, o meia Paulinho, até então o melhor do Barça, para enviar ao gramado Aleix Vidal, um ala medíocre. Paulinho, claro, saiu furioso.

William, a ilusão do 1 X 0

William, a ilusão do 1 X 0

UEFA

Afortunado Valverde, no entanto. Aos 75’, deslocado ao flanco esquerdo, o becão Andreas Christensen, um danês sem cintura, cometeu um equívoco de jardim-de-infância e cruzou a bola, rente ao chão, ao outro lado da sua zaga. A bola passou por Rudiger, por Azpilicueta e sobrou com Iniesta, que viu a entrada de Messi e o municiou. Enfim o argentino anotaria um tento contra o Chelsea. Aliás, o seu 98º na CL. Conte, histriônico, por pouco não se deitou no piso de Stamford Bridge. Ao Barça, obviamente, agradou a igualdade. Deverá desfrutar a proteção do retorno no seu Nou Camp, onde sustenta uma série de 24 partidas sem derrotas na CL, desde Bayern 7 X 0 em 1º/5/2013.

Senol Gunes, o desalento do treinador do Besiktas

Senol Gunes, o desalento do treinador do Besiktas

UEFA

BAYERN (ALE) 5 X 0 BESIKTAS (TUR)
Allianz Arena, Munique, 74.813 pagantes
Teoria e tradição apontavam os bávaros como favoritos absolutos neste desafio. Inclusive porque, no seu único duelo anterior, na fase de grupos de 1997/98, ganharam as duas porfias. O Besiktas, de todo modo, viajou até a Alemanha, a nação com o maior volume de imigrantes otomanos do planeta, enriquecido por uma façanha ainda inédita: o primeiro clube da Turquia, na história da CL, a se tornar o campeão da sua chave, 14 pontos diante dos 12 do Porto. Decidido a não se entregar, Senol Gunes, o treinador do elenco multinacional do Besiktas, meros dez nativos em um quadro de 26 atletas, propôs uma retranca brava que o seu rival, Jupp Heynckes, padeceria até furar.

A expulsão de Vida

A expulsão de Vida

UEFA

Simplificou a vida de Heynckes, mil perdões, a expulsão, aos 16’, do zagueiro croata Domagoj Vida, que fazia a sua estréia na retaguarda do Besiktas. Portador de uma cabeleira ao velho estilo rabo-de-cavalo, Vida escoiceou Lewandowski pelas costas e viu o vermelho direto. Com dez homens, e quase 70% do prélio à sua frente, Gunes determinou que os seus pupilos mais se contraíssem. E só aos 43’ sofreu um gol, Thomas Mueller, numa sobra de pequena área, Bayern 1 X 0. Detalhe, mesmo com 30% de controle da pelota, o visitante foi perigosíssimo nos repentes e Wagner Love quase cravou um lindo tento. Logicamente faltou fôlego ao elenco do Besiktas na etapa derradeira. E o Bayern saboreou. Coman aos 53’. Mueller aos 66’. Lewandowski aos 79 e aos 88’.  Parece selado o destino dos turcos, mesmo com o retorno no seu ruidoso alçapão de Istambul.

O primeiro gol de Mueller, Bayern 1 X 0

O primeiro gol de Mueller, Bayern 1 X 0

UEFA

Os jogos desta quarta, 21 de Fevereiro:

SEVILLA (ESP) X MANCHESTER UNITED (ING)
Ramón Sánchez-Pizjuán, cap. 45.500 lugares
SEV – 9 pontos, 2vit-3emp-1der, 12pró/12contra
UTD – 15 pontos, 5vit-0emp-1der, 12pró/3contra
Dos dezesseis participantes das oitavas, os andaluzes se qualificaram com a performance mais fraca. Nunca se debateram, antes, com os britânicos do United. Simples acidente do destino, pois são, ambos, os detentores dos últimos títulos da Europa League. Os ingleses, em 2017. Os  ibéricos, de 2014 a 2016. Em seus idos de Espanha, no Real, José Mourinho, hoje o treinador do United, enfrentou o Sevilla em 8 ocasiões, com 7 triunfos e 1 fracasso. Não era, porém, o italiano Vicenzo Montella o “capo” orientador dos andaluzes, como atualmente.


SHAKHTAR DONETSK (UCR) X ROMA (ITA)
Metalist Stadion, Cracóvia, cap. 40.003 lugares
SHA – 12 pontos, 4vit-0emp-2der, 9pró/9contra
ROM – 11pontos, 3vit-2emp-1der, 9pró/6contra
Só uma vez, na CL de 2010/2011, o Shakhtar superou a fase das oitavas. Coincidentemente, bateu a Roma, 3 X 2 na Itália e 3 X 0 em seus domínios. Daí, foi eliminado pelo Barcelona, respectivamente 0 X 1 e 1 X 5. Jamais se cruzaram novamente. Um português, Paulo Fonseca, ex-Braga, funciona como treinador e como intérprete: dos seus 23 atletas, oito provém do Brasil, casos de Bernard e Dentinho. Na Roma de Eusébio di Francesco, 79,04% do capital acionário pertencem a uma holding dos EUA.

Ela, a ambicionada

Ela, a ambicionada

UEFA

Puderam se inscrever na competição 79 representantes de 54 países da Europa. De  27 de Junho até 6 de Dezembro, em três rodadas pré-eliminatórias, uma fase de playoffs e mais uma de oito grupos, aconteceram 190 prélios e 546 tentos, média de 2,87. Público de quase 7,57 mi, a média generosa de 38.230 pagantes. As oitavas se desenvolvem através dos mata-matas e pelo critério do gol qualificado: no caso de uma igualdade em pontos, valem o dobro os tentos anotados no campo do inimigo. Uma igualdade em pontos e em tentos leva á prorrogação e/ou aos penais. As pugnas de volta, em Março, acontecerão em 7 e 8, e em 13 e 14. No dia 16 haverá o sorteio das quartas-de-final. A decisão da CL, em jogo único, foi programada para 26 de Maio, um sábado, no Estádio Olímpico de Kiev, Ucrânia. 


Gostou? Clique em “Compartilhar”, em “Tuitar”, ou registre a sua importante opinião em “Comentários”. Muito obrigado. E um grande abraço!

    Access log