Logo R7.com
Logo do PlayPlus
Publicidade

Vinicius Junior é o melhor jogador brasileiro. E Ancelotti mostrou porque é obsessão da CBF. Real Madrid oito vezes campeão mundial

Vinicius Junior marcou dois gols e deu uma assistência espetacular. O Real Madrid, de Carlo Ancelotti, goleou o Al Hilal por 5 a 3. Conquistou o oitavo título mundial. Exibição no Marrocos

Cosme Rímoli|Do R7 e Cosme Rímoli

Vinicius Junior. O melhor jogador brasileiro em 2023. Dois gols e uma assistência fantástica na final do Mundial
Vinicius Junior. O melhor jogador brasileiro em 2023. Dois gols e uma assistência fantástica na final do Mundial Vinicius Junior. O melhor jogador brasileiro em 2023. Dois gols e uma assistência fantástica na final do Mundial

São Paulo, Brasil

Não foi final.

Foi exibição.

O Real Madrid mostrou o porquê de o presidente da CBF, Ednaldo Rodrigues, sonhar com Carlo Ancelotti comandando a Seleção Brasileira.

Publicidade

O time espanhol goleou o Al Hilal, na decisão do Mundial de Clubes, no Marrocos.

5 a 3 diante dos árabes.

Publicidade

Foi a final de Mundial de Clubes com maior número de gols.

E ainda foi muito pouco.

Publicidade

E também deixou ainda mais evidente porque Vinicius Junior já deixou para trás Neymar, como jogador brasileiro mais importante e mais valorizado na Europa.

O ex-jogador do Flamengo parece outro com a camisa do Real Madrid. Potencializa seu futebol, ao contrário do que acontecia na Seleção, com Tite.

Tanto que foi escolhido como o melhor jogador do Mundial.

Com futebol envolvente, corajoso e intenso, disposto a mostrar sua força, o time espanhol conquistou seu oitavo título mundial. Deixando Milan e Bayern de Munique muito atrás, com quatro conquistas.

O desejado Carlo Ancelotti. Será muito difícil ele virar as costas ao Real para treinar o Brasil
O desejado Carlo Ancelotti. Será muito difícil ele virar as costas ao Real para treinar o Brasil O desejado Carlo Ancelotti. Será muito difícil ele virar as costas ao Real para treinar o Brasil

E ainda mostrou ao Flamengo de Vítor Pereira como se enfrenta o Al Hilal, que eliminou o time brasileiro da final. 

Ramon Diaz até que tentou surpreender no começo do jogo, escalando os árabes na frente. Colocando seu time no ataque. Mas não havia como superar o meio-campo excepcional do Real Madrid, com Tchouaméni, Kroos, Módric.

Ancelotti assistiu com toda a atenção a derrota do Flamengo diante do Al Hilal. E sabia que teria de insistir para seu time marcar a saída de bola, assumir a atitude de quem assume a responsabilidade do jogo.

Soltou Carvajal para explorar a fragilidade defensiva de Al-Dawsari. Sobrecarregou o esforçado Cuellar. Kanno ficava diante de todo talento e toque de bola cruel de Kroos e Módric.

Na frente, o melhor jogador brasileiro no mundo abria caminhos no forte esquema defensivo montado por Ramon Diaz.

Oitavo título do mais vitorioso clube da história. Real Madrid, de Ancelotti, celebra
Oitavo título do mais vitorioso clube da história. Real Madrid, de Ancelotti, celebra Oitavo título do mais vitorioso clube da história. Real Madrid, de Ancelotti, celebra

O atleta mais perseguido pelo racismo na Europa mostrou todo seu talento com a bola nos pés. Ajudado pela movimentação constante de Benzema, que atraia os zagueiros do time árabe e da inteligência e volúpia de Valverde.

Ancelotti queria resolver a partida logo no primeiro tempo.

E também adiantou sua defesa, para imprensar os árabes no seu campo.

O Real Madrid logo abriu 2 a 0 em 17 minutos.

Aos 12, Vinicius Junior não perdoou o goleiro Al-Mayaouf, depois de triangulação com Benzema e Valverde.

Aos 17, Módric cruzou, Al-Mayaouf desvia e Valverde estufa as redes do Al Hilal, 2 a 0.

O Real seguiu criando chances, mas sua defesa se empolgou. Muito adiantada, foi pega de surpresa.

Carrillo descobriu Marega sem marcação. Ele desceu com personalidade, livre, e descontou. 2 a 1.

Os árabes se empolgaram, empurrados pela torcida no Marrocos.

Mas Ancelotti tratou recuar a sua linha defensiva e a do meio-campo. Acabou a brincadeira. E o Real Madrid foi criando e desperdiçando chances.

O segundo tempo mostrou o Real Madrid ainda mais vibrante, com Kroos e Modric mostrando inteligência e paciência para encurralar os árabes. A troca de bola, as inversões, enlouqueciam os defensores do Al Hilal.

E logo aos oito minutos, a vantagem voltou a ficar de dois gols, como deveria ser.

Só que ela veio graças a uma assistência cinematográfica de Vinicius Junior. Da esquerda, ele tabelou com Camavinga. E cruzou de três dedos, por trás da zaga, para Benzema marcar seu gol obrigatório.

3 a 1, Real Madrid.

Com o Al Hilal desnorteado, desta vez a jogada aconteceu do outro lado, o direito. Entre Carvajal e Valverde. O lateral deu excelente passe para o uruguaio marcar 4 a 1, aos 12 minutos.

Com a vitória garantida, Ancelotti trocou Benzema por Rodrygo. E Thouaméni por Ceballos. 

Ramon Diaz sabia que tudo estava perdido e adiantou suas linhas. Era o fim dos contragolpes. E aposta cara a cara com o time de Ancelotti.

Dois títulos mundiais, com 22 anos. E prêmio de melhor jogador na competição deste ano, no Marrocos
Dois títulos mundiais, com 22 anos. E prêmio de melhor jogador na competição deste ano, no Marrocos Dois títulos mundiais, com 22 anos. E prêmio de melhor jogador na competição deste ano, no Marrocos

A zaga espanhola se ressentia da ausência de Militão. Abdulhamid descobriu Vietto na área e o argentino marcou 4 a 2, aos 18 minutos.

Só que, cinco minutos depois, Vinicius Junior acalmou a situação. Completou para as redes, jogada que começou com Ceballos. Depois de driblar Jang, ele pensou em finalizar. Mas o brasileiro chegou mais rápido e bateu cruzado, para o fundo das redes do Al Hilal.

5 a 2. 

Ancelotti sabia que tinha mais um Mundial na carreira.

E tirou Kroos e Modric, decidiu poupá-los porque o Real precisa se recuperar no Espanhol.

O italiano confiou no sistema de recomposição, de marcação, que preparou para seu time.

Mas não poderia esperar que Michael, ex-Flamengo, se imporia diante de Rüdiger e encontraria Vietto na área. O argentino não desperdiçou. 5 a 3, aos 33 minutos.

O placar não refletia a superioridade do Real Madrid.

Mas era suficiente para o título.

E o Real Madrid seguiu atacando, mas com as linhas defensivas mais próximas.

Tirando o espaço que o time árabe tanto encontrou contra o Flamengo.

O resultado foi o oitavo título mundial do Real Madrid.

O terceiro de Ancelotti.

Vinicius Junior foi eleito, com justiça, o melhor jogador do Mundial.

Deixou Neymar para trás, como melhor brasileiro, há muito tempo...

Entenda porque a CBF está obcecada por Carlo Ancelotti para assumir a seleção brasileira

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.