Cosme Rímoli Trump e Dana: lutas para desviar o foco da crise do coronavírus

Trump e Dana: lutas para desviar o foco da crise do coronavírus

Com os Estados Unidos como epicentro da pandemia, com maior número de mortos no mundo, Trump precisava distrair a população. Escolheu o MMA

  • Cosme Rímoli | Do R7

Dana e Trump. UFC aceita expor seus lutadores pelo 'espírito' norte-americano

Dana e Trump. UFC aceita expor seus lutadores pelo 'espírito' norte-americano

Reprodução Twitter

São Paulo, Brasil

Os Estados Unidos se tornaram o epicentro da pandemia do coronavírus.

O número de mortos é o maior no mundo.

23 mil e seiscentas pessoas perderam a vida até ontem.

E os infectados passaram dos 582,5 mil.

Infectologistas acusam diretamente o governo de Donald Trump de erros gravíssimos, que contribuíram para este cenário.

A lentidão em decretar o confinamento, falha em buscas de testes para detectar a doença, a mudança no sistema de saúde pública imposto por Trump, que privilegiou planos particulares. 

Equívoco grave na administração da pandemia, com cada estado tomando decisões independentes.

Trump menosprezou o coronavírus.

As eleições para a presidência dos Estados Unidos estão marcadas para o dia 3 de novembro. Podem ser adiadas por conta da pandemia. Mas se não forem, as chances de reeleição de Trump diminuíram diante da crise pela doença.

A economia está travada.

Hospitais 'normais' e de campanhas estão lotados. Já existem navios que estão adaptados para atenderem infectados.

Trump está tentando romper o isolamento social.

Quer a volta ao trabalho.

Mas tem enfrentado resistência cada vez maior.

Os norte-americanos seguem com medo, acompanhando as mortes e internações provocadas pelo coronavírus.

Trump quer uma reação imediata no 'espírito' norte-americano.

E deseja usar o esporte para motivar as pessoas.

Ou simples escapismo, desviar o foco do notíciario da pandemia.

 E decidiu incentivar que o basquete, o futebol americano, o beisebol e as lutas de MMA retornem suas competições.

As cúpula da NBA, NFL e MLB estão reticentes.

Apesar de os clubes e as tevês desejarem o retorno, os atletas estão assustados, temerosos. Ídolos já pegaram a doença.

O maior empolgado com a situação é Dana White. 

O presidente do UFC foi aliado de Trump na chegada à Casa Branca. O que acabou sendo excelente para a entidade de lutas. 

Ainda durante o caminho do presidente, o UFC pôde derrubar o veto histório que havia em Nova York. E a cidade mais importante do planeta se tornou palco dos confrontos de MMA.

Dana é citado como exemplo de norte-americano vencedor por Trump, ao presidir a entidade que vale 4 bilhões de dólares, cerca de R$ 20 bilhões. O UFC pertence a um grupo chinês, que manteve Dana.

Desde que Trump assumiu, o UFC não teve mais problemas para os seus eventos. Ao contrário até. Vistos, liberação de espaço para treinos, camping, exibições públicas. Tudo ficou facilitado.

O UFC promoveu eventos também nas dependências de hotéis com cassinos, pertencentes ao presidente norte-americano. Principalmente em Atlantic City. 

Por isso, ontem Trump deixou claro que conta com lutas do UFC para animar e divertir o público norte-americano.

Lutas coreografadas, 'fakes' da WWE já foram liberadas na Califórnia

Lutas coreografadas, 'fakes' da WWE já foram liberadas na Califórnia

WWE

Dana fracassou em tentar promover o UFC 249, em uma reserva indígena na Califórnia. O evento aconteceria neste sábado, dia 18. A ESPN, parceira na transmissão do evento, ameaçou romper o contrato com o UFC. Diante do que era visto nos EUA como irresponsabilidade.

Mas o discurso de Trump atingiu em cheio o ego de Dana. E ele voltou a prometer um evento do UFC, com três cinturões em jogo, para o dia 9 de maio.

O modelo que ele ameaça seguir é o que será utilizado pela WWE, entidade que comanda o telecatch, lutas 'de mentira', coreografadas.

O governador republicano, que chegou ao governo da Califórnia apoiado por Trump, Ron DeSantis, declarou ontem que as lutas da WWE são atividades 'essenciais' no seu estado. E por isso estão liberadas.

Elas serão ao vivo. Mas fechadas ao público.

Dana White pode seguir o mesmo caminho.

DeSantis já fez o que Trump queria em relação ao telecath.

Pode repetir para o UFC.

Sem se importar que, mesmo sem público, o contato físico dos lutadores é de verdade. A troca de suor e saliva vem acrescentado do sangue. Fora isso há médicos, funcionários, jornalistas.

É brincar com o coronavírus para encorajar a população trancada em casa.

O esporte sendo usado como circo, para iludir as massas.

O ditador general Videla entrega a taça para Passarella. Copa do Mundo de 78

O ditador general Videla entrega a taça para Passarella. Copa do Mundo de 78

Reprodução Twitter

Como aconteceu em Copas do Mundo nas ditaduras da América do Sul.

Olimpíadas durante o comunismo pleno da União Soviética.

Nos regimes totalitários na Segunda Guerra Mundial.

Talvez Trump e Dana deveria consultar a história.

No início do século XX, a gripe espanhola assolou o mundo.

Paralisar o esporte foi a melhor atitude diante da pandemia.

O conselho vale para hoje.

A Olimpíada de Tóquio não foi adiada à toa.

O futebol está travado no mundo também com razão.

Os Estados Unidos deveriam ser o último país a liberar a volta do esporte.

Trump recebe lutadores na Casa Branca. Ligação com UFC é antiga

Trump recebe lutadores na Casa Branca. Ligação com UFC é antiga

Divulgação

É o epicentro do coronavírus.

Tem o maior número de mortos.

E infectados.

E seu presidente quer que a população assista lutas.

Como imperadores na Roma antiga.

Com a população passando fome...

Não faltavam duelos de gladiadores.

Para tirar o foco da realidade...

Curta a página de Esportes do R7 no Facebook

Preso em hotel de luxo, Ronaldinho ganha 'sala para embaixadinhas'

Últimas