Cosme Rímoli Traumatizado pelos fracassos com a Seleção e o desprezo dos clubes europeus, Tite tenta valorizar o fraco Campeonato Carioca

Traumatizado pelos fracassos com a Seleção e o desprezo dos clubes europeus, Tite tenta valorizar o fraco Campeonato Carioca

Tite mostrou o quanto precisa voltar a conquistar um título. Ser valorizado. E por isso fez a absurda comparação. Dizer que o Campeonato Carioca é mais difícil que o Paulista. Não teve apoio nem no Flamengo

  • Cosme Rímoli | Do R7

Traumatizado com o fracasso com a Seleção e o desprezo dos clubes europeus, Tite valoriza o Carioca

Traumatizado com o fracasso com a Seleção e o desprezo dos clubes europeus, Tite valoriza o Carioca

Reprodução/Instagram

São Paulo, Brasil

Faz cinco anos que Tite venceu um título.

Foi a Copa América com a Seleção Brasileira.

Com clubes, a situação fica ainda mais distante.

Venceu o Brasileiro de 2015, com o Corinthians.

São nove anos.

Sua imagem como treinador se desgastou muito com os fracassos nas duas Copas do Mundo.

Teve o privilégio inédito, depois de perder um Mundial, o da Rússia, comandando o Brasil, mesmo assim ser mantido, e ser derrotado, de novo, no Catar.

A saída foi inevitável.

Sem procura de clube europeu algum, ele rompeu a própria palavra. 

Assumiu o Flamengo em 2023, mesmo tendo garantido que não trabalharia no Brasil no ano passado.

"Podem me chamar de mentiroso, de sem palavra, do que quiserem e tal...", bradou em um podcast.

Tite assumiu fez o Flamengo sonhar com a conquista do Brasileiro, mas acabou fracassando de novo.

O treinador precisa de uma conquista.

Sua autoestima está muito baixa.

Ele segue no Flamengo, como na Seleção, pregando inúmeros conceitos. Fala como se fosse um professor.

Sabe melhor do que ninguém que, para suas palavras voltarem a repercutir, necessita de títulos.

E está disputando o Campeonato do Rio de Janeiro.

E em Manaus, no final da noite de quarta-feira, depois de seu bilionário time vencer o humilde Audax, por 4 a 0, ele teve a coragem de bradar.

"O Campeonato Carioca, para mim, é o mais forte do Brasil.

"Antes era São Paulo, agora é o Carioca.

"Ele é muito difícil."

Virou a piada do dia.

Não há comparação entre os dois torneios.

São Paulo é muito mais forte.

Além de Palmeiras, Corinthians São Paulo, Bragantino, há sete equipes na B. 

O rebaixado Santos, Botafogo, Guarani, Ituano, Mirassol, Novorizontino e Ponte Preta.

O Rio tem o Flamengo, Fluminense, Botafogo e Vasco, na A.

Nenhuma equipe pequena tem poder para disputar a Série B.

Tite deu mostras do quanto quer valorizar uma quase obrigatória conquista do Carioca.

Tem o elenco muito mais poderoso do que os demais.

Ele sabe bem disso.

E o que é mais assustador é que Tite passa outra mensagem subliminar.

A de que, se ele novamente perder como treinador, desta vez com o poderoso Flamengo, já teria avisado.

Está disputando o 'estadual mais difícil do Brasil'.

A postura de Tite é 'pequena' para o grande treinador que é.

Ele saiu muito menor, com muito menos confiança, da Seleção Brasileira, do que entrou.

Dois vexames históricos da Seleção, contra a Bélgica e diante da Croácia, com direito a ele ir para o vestiário, quando os jogadores se derramavam em lágrimas, traumatizaram o técnico gaúcho.

A situação é tão evidente que ele não teve apoio de nenhum jogador.

Ninguém do Flamengo se arriscou a compartilhar a tese de Tite nas redes sociais.

A explicação para a atitude de Tite também tenta agradar o ambiente carioca, onde nunca trabalhou.

Aos 62 anos, seu sonho de comandar um clube europeu é mais do que remoto.

A Seleção Brasileira o fez milionário.

Ficou seis anos.

Perdeu a Copa da Rússia e ainda teve direito a aumento.

Ganhava R$ 1,6 milhão quando o Brasil caiu diante da Croácia.

Antes, havia perdido a Copa América em pleno Maracanã, em 2021.

Na Copa do Mundo foi o primeiro técnico da história comandando a Seleção a ser derrotado por um time africano, para Camarões.

Tite é a pessoa que mais precisa vencer o Carioca neste país.

Daí sua declaração sem sentido, em Manaus.

Só para tentar, desesperadamente, buscar a valorização que perdeu...

Os textos aqui publicados não refletem necessariamente a opinião do Grupo Record.

Últimas