Cosme Rímoli TJD desafia o Corinthians a não entrar em campo. "Será W.O."

TJD desafia o Corinthians a não entrar em campo. "Será W.O."

Delegado presidente do TJD, Antônio Olim, não acredita que Andrés vá cumprir sua promessa. Se cumprir, o Corinthians será seriamente punido

Corinthians, TJD, Andrés Sanchez, Antônio Olim

Reprodução/Sportv

São Paulo, Brasil

A direção do Palmeiras fica revoltada com erros absurdo no VAR.

Quem ataca, sem meias palavras, o presidente Mauricio Galiotte, que ousou chamar o Campeonato Paulista de "Paulistinha" e sabotou a festa da Federação Paulista de Futebol em 2018?

O presidente do Tribunal de Justiça Desportiva, o delegado Antônio Olim.

Agora, com a ameaça do presidente do Corinthians, de não seu time não entrar em campo, na final de domingo, se o ônibus que levar a delegação for apedrejado, como foi em 2018, quem decide ameaçar o clube mais popular de São Paulo?

O presidente do Tribunal de Justiça Desportiva, o delegado Antônio Olim.

"Se o ônibus do Corinthians for apedrejado e o time não entrar em campo, o clube terá de arcar com as consequências no tribunal."

"Vamos cumprir a lei. É W.O."

Sim, sem meias palavras.

W.O. vem da expressão inglesa walkover, 'vitória fácil'. Sem adversário.

Ou seja sem o Corinthians, o São Paulo seria considerado vitorioso. Pelo placar de 3 a 0. E ainda o clube do Parque São Jorge poderia ser rebaixado para a Segunda Divisão. Além de pagar uma multa de R$ 200 mil.

Andrés está avisado.

Mesmo se vândalos conseguirem chegar perto do ônibus, para atirar pedras, tijolos, latas de cerveja ou pedaço de pau, como fizeram no ano passado, seu time precisa entrar em campo e jogar.

Até mesmo se algum atleta estiver ferido.

Ou a equipe abalada psicologicamente.

COSME RÍMOLI: Promessa do Corinthians. Não jogar a final se ônibus for apedrejado

O Corinthians foi ameaçado por Olim.

Sua fala cai como uma luva para a Federação Paulista de Futebol e para a TV Globo.

Seria caótico se os cerca de 60 mil torcedores comprassem os ingressos que o São Paulo já pôs à venda, com preços entre R$ 100,00 e R$ 460,00, chegassem ao estádio e não houvesse partida.

Haveria a possibilidade de milhares de processos contra a Federação Paulista, com os torcedores procurando seus direitos de consumidores no Procon.

Para a Globo seria terrível.

A emissora carioca seria obrigada a transmitir a final do torneio do Rio de Janeiro para São Paulo.

Caso haja o apedrejamento e Andrés cumprir sua palavra, seria trágico, vergonhoso para a Federação Paulista de Futebol.

O 2º Batalhão de Choque fará policiamento ostensivo por todo o trajeto do ônibus corintiano.

Principalmente na praça Roberto Gomes Pedrosa, em frente ao Morumbi.

Os chefes das principais torcidas organizadas do São Paulo foram avisados.

Veja mais: Matheus Jesus realiza exames e deve ser anunciado pelo Corinthians

Quem tentar atirar pedras ao ônibus corintiano será preso e processado.

Tudo isso está sendo feito de forma discreta.

As palavras de Antônio Olim, não.

Estão nos alto-falantes dos veículos de comunicação.

Veja mais: Carille testa Corinthians com Jadson e Ramiro; Avelar fica na academia

O delegado presidente do TJD cumpre sua função.

É o maior defensor da Federação Paulista de Futebol.

Calou Mauricio Galiotte.

E agora desafia Andrés a cumprir sua palavra...

Pelé internado: Rei do Futebol convive com problemas de saúde