Cosme Rímoli Tatuador que se fantasiou de Bruno no Halloween foi demitido e pode ser preso. Ex-goleiro também pode voltar à cadeia

Tatuador que se fantasiou de Bruno no Halloween foi demitido e pode ser preso. Ex-goleiro também pode voltar à cadeia

Em Manaus, tatuador se fantasiou de Bruno e carregava um saco de lixo, simulando o corpo de Eliza Samudio. O ex-goleiro deve mais de R$ 3 milhões em pensão ao filho. E comprou carro de R$ 80 mil. Pode voltar a ser preso

  • Cosme Rímoli | Do R7

Tatuador ironizou, sem piedade, o assassinato de Eliza Samudio, no Haloween, em Manaus

Tatuador ironizou, sem piedade, o assassinato de Eliza Samudio, no Haloween, em Manaus

Reprodução/Instagram

São Paulo, Brasil

Vampiros, lobisomens, frankensteins, fantasmas.

As fantasias no Halloween costumam celebrar personagens ligados ao horror, à morte. 

O Brasil adotou a festa que nasceu na Europa e se popularizou nos Estados Unidos. Viraram tradicionais as festas do "Dia das Bruxas", comemorado em 31 de outubro.

E, em Manaus, houve várias.

A casa noturna Porão do Alemão fez uma delas. Na madrugada de ontem, dia 2 de novembro.

E tratou de publicar em suas redes sociais as fotos de clientes que os funcionários consideraram mais criativas.

Entre elas, a de Rodrigo Fernandes, tatuador.

Ele colocou uma camisa vermelha com listras horizontais negras, representando o time do Flamengo. Com o nome Bruno nas costas. Nas mãos, um saco de lixo. Nele, estava escrito Eliza.

Rodrigo ironizava o assassinato de Eliza Samudio, em junho de 2010. O ex-goleiro do Flamengo Bruno Fernandes foi condenado a 22 anos e três meses por homicídio triplamente qualificado (motivo torpe, meio cruel e uso de meio que dificultou a defesa da vítima), cárcere privado e sequestro de Eliza e do filho deles, Bruninho, e ocultação de cadáver. Confessou ter sido o mandante.

O tatuador Rodrigo Fernandes teve a identidade revelada. E apagou todas as suas redes sociais

O tatuador Rodrigo Fernandes teve a identidade revelada. E apagou todas as suas redes sociais

Reprodução/Manauara News

"Este caso é totalmente repugnante. Este homem fez apologia do crime, que está tipificado no nosso Código Penal. Essa apologia do crime é grave, pois esse homem está pisoteando a dor de uma família. O que aconteceu à época foi algo hediondo. Por isso, essa fantasia é uma agressão à sociedade, à vítima e às mulheres.

"O que ele fez pode resultar em danos morais à família [de Eliza]."

As palavras são da delegada Débora Mafra, da delegacia especializada em Crimes contra a Mulher, em Manaus.

Ele falou ao jornal A Crítica, do Amazonas.

Ao usar sua fantasia na festa, Rodrigo se expôs ao Artigo 287, do Código Penal: fazer, publicamente, apologia de fato criminoso ou de autor de crime. A pena: detenção, de três a seis meses, ou multa.

Rodrigo é tatuador. E foi demitido do estúdio onde era colaborador, o El Cartel Tatuaria, em Manaus. Teve a identidade divulgada pelo site Manauara News, de Manaus. Ele apagou todas as redes sociais, devido à repercussão do caso.

"Parece que a pessoa não tem um pingo de empatia com o próximo. Será que a pessoa não sabe que tem o filho dela, que é menor, envolvido nisso tudo? Fiquei arrasada quando vi isso. Muito triste. Em 2018, jovens de Minas Gerais tinham feito a mesma coisa.

"Eu já acionei a advogada para tomar as providências. Eu não vou admitir mais que façam esse tipo de coisa com a minha filha. Justo no dia de hoje. É tão difícil para mim...", disse a mãe da modelo que foi morta ao jornal Extra.

Bruno, que deve R$ 3 milhões, e o seu novo carro

Bruno, que deve R$ 3 milhões, e o seu novo carro

Reprodução/Instagram

Eliza Samudio foi assassinada em junho de 2010.

Ela teve um filho com o então goleiro do Flamengo, Bruno Fernandes. E cobrava dele pensão alimentícia quando desapareceu. Investigações provaram que, a mando de Bruno, ela foi sequestrada no Rio e morta em Minas Gerais.

Bruno foi condenado a 22 anos e três meses de prisão, por homicídio por motivo torpe, meio cruel e uso de meio que dificultou a defesa da vítima, cárcere privado e sequestro de Eliza e do filho deles, Bruninho, e ocultação de cadáver. E por ter sido o mandante.

O corpo de Eliza não foi encontrado. A polícia desconfia que foi retalhado. E dado como alimento a cachorros.

Bruno conseguiu liberdade condicional em 2019, depois de cumprir um sexto da pena. E circula tranquilamente pelo país. Já voltou a jogar futebol profissionalmente. Agora está sem clube.

O ex-goleiro deve mais de R$ 3 milhões em pensão alimentícia ao filho com Eliza, Bruninho. Está sendo processado e pode voltar à cadeia.

Bruninho está sem dinheiro para comprar material escolar

Bruninho está sem dinheiro para comprar material escolar

Reprodução/Instagram

Enquanto isso, Bruno comprou neste ano um carro de R$ 80 mil.

Ele vive tranquilamente em Cabo Frio, no Rio de Janeiro.

Seu filho não tem dinheiro para comprar material escolar...

Sem clube, medalha de bronze em Pequim vira motorista de aplicativo

Últimas