Logo R7.com
Logo do PlayPlus
Publicidade

Sétima expulsão de Abel Ferreira. São 43 cartões desde 2020. Descontrole o afasta da seleção brasileira e de grandes clubes europeus

Abel Ferreira foi o primeiro personagem do futebol expulso no Brasileiro de 2023. Ele disse que os cartões tiram a vontade dele de continuar no Brasil. E não assume que é ele quem precisa mudar de verdade 

Cosme Rímoli|Do R7 e Cosme Rímoli

Sétima expulsão. São 43 cartões desde outubro de 2020. Descontrole o afasta da seleção brasileira
Sétima expulsão. São 43 cartões desde outubro de 2020. Descontrole o afasta da seleção brasileira Sétima expulsão. São 43 cartões desde outubro de 2020. Descontrole o afasta da seleção brasileira

São Paulo, Brasil

Abel Ferreira foi avisado.

A CBF notificou todos os clubes das principais divisões nacionais do Brasil.

A ordem para a arbitragem a partir dos Brasileiros das Séries A, B, C e D de 2023 era "tolerância zero" em relação a desrespeito com os juízes e bandeirinhas.

Publicidade

O português, que acumulava, desde outubro de 2020, nada menos do que 43 cartões, 37 deles amarelos e seis vermelhos, sabia que tinha de se controlar.

Mas não foi o que aconteceu ontem.

Publicidade

Aos 45 minutos do primeiro tempo da partida contra o Cuiabá, quando se tornou o primeiro personagem expulso do Brasileiro de 2023.

O árbitro Paulo Cesar Zanovelli foi alertado de que o treinador do Palmeiras saiu da área técnica demarcada e gritou com o bandeira Bruno Boschilia.

Publicidade

"Arbitragem de mer..."

E Abel recebeu o seu 44º cartão desde que chegou ao Brasil. Sua sétima expulsão.

Publicidade

Em todo o segundo tempo, o Palmeiras ficou sem seu treinador.

E passou grande dificuldade para vencer por 2 a 1. Os jogadores palmeirenses se ressentem muito da ausência de Abel no banco de reservas.

Algumas das declarações do técnico português confirmaram a dificuldade que tem para se controlar e que, por causa dela, se mostra desestimulado a continuar no Brasil.

"Não estou dizendo que sou santo, que não sou. (...)

"O pior disso tudo é chegar em casa e enfrentar minha mulher e minhas filhas, quando tenho feito um esforço tremendo para melhorar nisso. Eu sei que tenho que melhorar nisso. Eu fico triste.

"Isso me tira a vontade de ser treinador.

"Me tira a vontade de estar aqui."

Lógico que esta foi a frase que mais repercutiu em sua entrevista.

Principalmente entre os palmeirenses, que temem perder o treinador.

Só que mais essa expulsão também chegou mais uma vez até pessoas que cercam o presidente da CBF, Ednaldo Rodrigues.

A cada cartão, a cada expulsão de Abel, os oponentes à sua chegada ao comando da seleção brasileira ganham argumentos.

Enquanto o Brasil tinha Tite como treinador, os cartões do técnico palmeirense eram irrelevantes. 

Mas, depois de mais um fracasso da seleção na Copa do Mundo, a tese de que o time deverá ser entregue a um estrangeiro ganhou enorme força.

O plano de Ednaldo Rodrigues é ter o italiano Carlo Ancelotti no comando do Brasil na Copa de 2026. 

O risco de o Real Madrid não aceitar liberá-lo é grande.

Se isso acontecer, Abel passa a ser um dos candidatos naturais.

Abel Ferreira continua se expondo, discutindo com árbitros. E acumulando cartões, expulsões. Desgaste à toa
Abel Ferreira continua se expondo, discutindo com árbitros. E acumulando cartões, expulsões. Desgaste à toa Abel Ferreira continua se expondo, discutindo com árbitros. E acumulando cartões, expulsões. Desgaste à toa

Só que o gênio explosivo do treinador se tornou um obstáculo maior até do que a xenofobia, ou seja, a rejeição pelo fato de ser um estrangeiro no comando da seleção.

O grande medo da cúpula da CBF é Abel Ferreira, hipoteticamente, ser o técnico do Brasil em uma partida decisiva da Copa e ele ser expulso. E deixar os jogadores como ontem no Allianz Parque, sob o comando de seus auxiliares.

No Palmeiras, Abel não tem esse tipo de preocupação.

Os oito títulos conquistados fazem com que a presidente Leila Pereira nem pense em multa ou sequer em cobrança verbal.

O treinador "tem licença" para tomar cartões.

O que não aconteceria na seleção.

Até mesmo empresários brasileiros que trabalham com clubes do exterior rejeitam seu comportamento.

E revelam que clubes grandes do exterior analisam todos os aspectos antes de contratar algum técnico.

43 cartões, 7 expulsões desde outubro de 2020 é demais.

Abel precisa se controlar.

E parar de tomar cartões, ser expulso, para continuar crescendo na carreira...

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.