Logo R7.com
Logo do PlayPlus
Publicidade

Santos venceu guerra contra Edina. Notas pressionaram a árbitra. Não deve mais apitar clássicos do clube do litoral

A atitude absurda de divulgar notas contra Edina, antes dos clássicos, funcionou. A juíza estava muito insegura ontem contra o São Paulo, que se revoltou. FPF deve 'preservar' a árbitra nos jogos do Santos

Cosme Rímoli|Do R7 e Cosme Rímoli

Notas do Santos têm exposto Edina Alves. Conseguido deixá-la insegura. Deve ficar fora dos jogos do clube
Notas do Santos têm exposto Edina Alves. Conseguido deixá-la insegura. Deve ficar fora dos jogos do clube Notas do Santos têm exposto Edina Alves. Conseguido deixá-la insegura. Deve ficar fora dos jogos do clube (Cesar Greco/Palmeiras)

São Paulo, Brasil

“Sobre a escolha da árbitra Edina Alves para apitar o clássico São Paulo e Santos no Morumbis, o Santos FC respeita a decisão da Comissão de Arbitragem da Federação Paulista de Futebol, espera que graves erros cometidos pela árbitra no passado tenham servido de reflexão e aprimoramento em seu nível técnico para que possa conduzir junto com seus auxiliares um jogo tão importante da primeira fase do Campeonato, sem prejuízo ao espetáculo, para que os protagonistas da partida sejam os atletas.

"O Santos FC está em fase de reconstrução de sua história, não precisa ser beneficiado, mas exige retidão e imparcialidade para que nada o prejudique nesta retomada."

Nota oficial do Santos, na véspera do clássico de ontem, contra o São Paulo, contra a escalação da árbitra Edina Alves.

Publicidade

"Nós não temos o hábito de reclamar de arbitragem. Dificilmente eu coloco minha opinião, a instituição coloca uma opinião, a não ser em questões lamentáveis. A arbitragem hoje se mostrou insegura, picotou o jogo, desproporcionalmente marcou faltas a favor do adversário em relação ao São Paulo. Eu não vou discutir os lances capitais, o VAR chamou. Para mim, o pênalti foi rigoroso demais, mas a arbitragem prejudicou, inclusive, mal posicionada."

Declarações do presidente do São Paulo, Julio Casares, após a derrota para o Santos, em pleno Morumbi, por 1 a 0.

Publicidade

O gol do Santos foi marcado de pênalti, por Morelos.

Edina não havia assinalado falta de Wellington em Otero. Foi o VAR quem a chamou e confirmou o lance, corretamente.

Publicidade

Erick marcou o gol, que seria de empate, aos 42 minutos do segundo tempo. Edina não havia visto nada de irregular, até que o VAR, comandado por Luis Flávio de Oliveira, a chama e mostra o toque de mão do atacante são paulinho.

O gol é anulado.

Mal a partida acaba, Edna é xingada por mais de 45 mil são paulinos e ainda é duraramente criticada pela direção do Sâo Paulo.

A árbitra teve mesmo uma péssima atuação.

Insegura, tensa, demorando para tomar decisões.

Era óbvio que a nota publicada pelo Santos a perturbou.

O clube da Vila Belmiro repetiu o que fez exatamente há um ano.

Contra a mesma Edna.

"O Santos Futebol Clube vem a público demonstrar a sua preocupação com a escolha da árbitra Edina Alves Batista para o clássico com o Corinthians no domingo (26), na Vila Belmiro. Desde a divulgação da escala de arbitragem para este importante jogo, o Clube se empenhou em esclarecer sobre essa escolha, em conversas diretas entre os presidentes Andres Rueda e Reinaldo Carneiro Bastos, também entre o coordenador de esportes Falcão e o vice da FPF, Mauro Silva.

Também houve tentativas, sem resposta, de contato com a comissão de arbitragem da entidade, no sentido de demonstrar o contexto atual, depois de erros capitais, reconhecidos pela Federação, em duas partidas, ano passado, diante do São Paulo, e esse ano, na Vila Belmiro, com o Água Santa, que geraram uma grande insatisfação.

Nosso objetivo é também preservar a própria árbitra. Não estamos questionando, em momento algum, a qualidade técnica ou mesmo a seriedade da profissional, mas demonstramos preocupação de um novo fato em partida decisiva no Campeonato Paulista, mais do que isso, um clássico com um tradicional rival, que sempre deixa os ânimos acirrados.

Como não houve a mudança da escala, cabe ao Santos externar essa insatisfação, sabendo que o quadro de arbitragem da FPF dispõe de profissionais gabaritados para suprir essa alteração. Resta ao Clube a expectativa que dessa vez, a condução do jogo não tenha interferência que prejudique o resultado final."

A partida terminou em 2 a 2, com péssima arbitragem de Edina.

A Federação Paulista de Futebol não tomou qualquer providência contra o clube santista, que promete soltar notas todas as vezes que a árbitra for escalaa para seus jogos, principalmente, nos clássicos.

A Comissão de Arbitragem da FPF não se manifestou.

Conselheiros do São Paulo recomendam a Julio Casares que não aceite mais a árbitra nos jogos do clube, principalmente nos clássicos contra o Santos.

Dirigentes de Corinthians e Palmeiras acompanham com interesse a postura da FPF em relação às notas do Santos contra a juíza.

Consideram que notas questionando a arbitragem antes dos jogos são uma forma pesada de pressionar psicologicamente os juízes.

Tudo começou quando, em fevereiro de 2022, na derrota do Santos para o São Paulo, por 3 a 0, quando Edina não marcou dois pênaltis claros, em Marcos Leonardo e Ângelo, que a própria Federação Paulista assumiu como graves erros e a afastou.

A situação chegou à beira do insustentável.

Edina está desamparada nesta guerra.

Tem de ser infalível.

Se errar contra o Santos, confirma as notas.

Se errar a favor, os adversários vão denunciar sua insegurança, seu medo de errar contra o time que a questiona.

O presidente Reinaldo Carneiro Bastos deve pedir para o presidente do Santos, Marcelo Teixeira, não divulgar notas prévias contra a arbitragem.

E, por precaução, Edina provavelmente não mais apitará clássico envolvendo o clube do litoral, neste Paulista.

Situação que denuncia a fragilidade dos juízes.

O clube praiano venceu essa guerra nos bastidores...

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.