Logo R7.com
Logo do PlayPlus
Publicidade

Saci, mascote do Internacional, é acusado de assédio sexual a uma repórter. 'Ele me abraçou e tentou me beijar', denuncia a radialista

Situação bizarra no Gre-Nal. Saci, mascote do Internacional, foi acusado de assédio sexual a uma repórter. Gisele Kümpel fez denúncia na Delegacia da Mulher. Inter promete demitir o funcionário se ficar provado o assédio

Cosme Rímoli|Do R7 e Cosme Rímoli

Mascote do Internacional foi acusado, na Delegacia da Mulher, de importunação sexual a uma repórter
Mascote do Internacional foi acusado, na Delegacia da Mulher, de importunação sexual a uma repórter Mascote do Internacional foi acusado, na Delegacia da Mulher, de importunação sexual a uma repórter (Internacional)

São Paulo, Brasil

"Quando sai o gol, em vez de comemorar com a torcida, ele vem e para do meu lado. Eu estava relatando o lance para o canal e ele vem e me abraça de lado. Fecha os dois braços em mim e fica alguns segundos. Não foi um tapinha nas costas. E ele, com a máscara, vem para me dar um beijo. Senti o suor dele em mim e o barulho do beijo.

"Agiu como o meu corpo estivesse à disposição."

Esse é o resumo que a repórter Gisele Kümpel, da rádio Monumental, fez do assédio que sofreu no Beira-Rio, ontem, durante o Gre-Nal.

Publicidade

A importunação sexual, registrada na Primeira Delegacia da Mulher, em Porto Alegre, teria sido feita pelo funcionário que usa a fantasia do mascote do Internacional, o Saci.

A direção do clube gaúcho afirma ter ficada chocada com a denúncia.

Publicidade

E vai repassar as imagens internas do estádio para a Polícia Civil.

Gisele diz que o assédio já havia acontecido durante o jogo.

Publicidade

Ressalta que ela era a única mulher atrás do gol que o Grêmio defendia no segundo tempo. E que o mascote não saiu do seu lado, falando e se aproximando.

"Quando deu o pênalti para o Inter, tive uma sensação de que ele ia me tirar do sério. Fui para o lado, fiquei mais longe dele, deixando pessoas entre nós para ele não me incomodar. Quando deu o gol, fez mais gestos para mim e quando percebeu que ignorei, ele me abraçou e com uma mão nas minhas costas, deu uma levantadinha na máscara e me deu um beijo, quase na boca. Senti o estalo e o suador que ele estava. Dei uma leve empurrada porque me assustei", disse Gisele, para o jornal Zero Hora.

Publicidade

"O Gre-Nal lamentavelmente terminou num BO pra mim.

Importunação sexual pelo mascote do Internacional. Mais um dia a mulher querendo fazer seu trabalho no futebol e sofrendo com isso com alguns idiotas que são criminosos.

"Vou até o fim pra que mais nenhuma mulher passe por isso", prometeu, ainda ontem, depois do 3 a 2 para o Internacional.

Gisele Kümpel, repórter da rádio Monumental. "Vou até o fim nesta denúncia"
Gisele Kümpel, repórter da rádio Monumental. "Vou até o fim nesta denúncia" Gisele Kümpel, repórter da rádio Monumental. "Vou até o fim nesta denúncia" (Reprodução/Twitter)

A direção do Internacional prometeu demitir o funcionário, caso o assédio seja confirmado.

A situação, bizarra, é inédita no futebol brasileiro...

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.