Logo R7.com
Logo do PlayPlus
Cosme Rímoli - Blogs
Publicidade

Protestos por suposto assédio sexual expõem Kleiton Lima. Santos analisa demissão

Direção não esperava protestos por volta do treinador do time feminino. As 19 devastadoras cartas relatando assédio não foram suficientes para convencer os dirigentes. Eles não esperavam postura de rivais, apoiando as denúncias, como o Corinthians e Palmeiras

Cosme Rímoli|Cosme RímoliOpens in new window

A imagem mostra o treinador do time feminino do Santos, Kleiton Lima, acusado de suposto assédio sexual
Kleiton Lima Pressão de rivais, por supostos assédios sexuais, podem causar nova demissão de técnico do Santos

A situação voltou a ficar muito séria para Kleiton Lima.

Se a nova direção do Santos resolveu desprezar as 19 cartas anônimas, denunciando assédios sexual e moral, contra o treinador do time feminino, os clubes rivais não foram pelo mesmo caminho.

As atletas do Corinthians, do Palmeiras e do Avaí fizeram questão de protestar pela volta do técnico, que havia sido demitido há sete meses.

Durante a execução do hino nacional e na comemoração dos gols, elas colocaram as mãos nas bocas e nos ouvidos, como protesto.

Publicidade

Jogadoras do Palmeiras e do Avaí, com o número 19, mesma contagem de cartas anônimas enviadas à antiga direção do Santos, ficaram de costas na hora do hino nacional. Para reforçar o número das cartas escritas pelas atletas.

Jogadoras corintianas protestam contra a volta de Kleiton Lima ao Santos
Protesto Corinthians Feminino Jogadoras do Corinthians colocam as mãos sobre as bocas. Protestando pela volta de Kleiton Lima. Apesar das acusações de assédio

Nelas, os relatos são pavorosos.

Publicidade

“Estou falando apenas do lado profissional, mas também estou cansada de seus comentários sobre os nossos corpos de uma maneira desrespeitosa, cansada de seus toques de maneira indevida.”

“Suas vestimentas não são adequadas ao ambiente de trabalho, pois deixa transparecer o seu órgão genital na calça/short, principalmente por estar em um departamento feminino e se torna um ambiente desconfortável.”

Publicidade

“O treinador diariamente falta com respeito em sua fala constrangedora e desrespeitosa, como “xere...” e “tetada”. Muitas das vezes o técnico não usa vestes adequadas no ambiente de trabalho, transparecendo o seu órgão genital causando desconforto no ambiente de trabalho.”

“E com o passar do tempo, essas situações além de persistirem e se agravarem, abriu portas para agressões verbais, humilhações em público e de forma particular, atitudes de extremo desrespeito para com as atletas (como por exemplo treinos sem o uso de roupa íntima por baixo da calça por parte do treinador, causando assim desconforto em nós meninas).”

“Também passei a pensar em suicídio e entrei em profunda depressão”.

“Uma vez na feira eu estava esperando perto de uma barraca de pastel. Lá o treinador chegou e perguntou se eu estava comendo pastel, aí eu respondi ‘não, estou esperando as meninas’. Então ele deu a volta por mim, olhou para minha bunda e disse: ‘acho que não’, insinuando que minha bunda parecia grande, então isso significava que eu estava comendo pastel.”

As 19 cartas foram anônimas.

As jogadoras as enviaram para a direção do clube, que era presidida por Andrés Rueda.

O Santos, no dia 7 de setembro do ano passado, comunicou que o próprio Kleiton Lima havia pedido demissão.

As prometidas investigações que seriam feitas pela Polícia Civil não se concretizaram, nestes sete meses.

Kleiton tem um passado vitorioso com o futebol feminino.

Foi bicampeão da Libertadores, com o Santos.

Comandou a Seleção Brasileira por quatro anos.

Ganhou o bicampeonato sul-americano, a Copa América, foi vice-campeão do Pan e foi eliminado das quartas na Copa do Mundo.

Recebeu medalha de Ordem do Mérito da Defesa, da presidente Dilma Rousseff.

Kleiton Lima foi treinador da Seleção Brasileira. Foto o mostra ao lado de algumas jogadoras, entre elas, Marta
Kleiton Lima na Seleção Brasileira Kleiton Lima foi treinador da Seleção Brasileira. Foi condecorado pela ex-presidente do Brasil, Dilma Rousseff

Tentou a carreira no futebol masculino, mas fracassou.

Voltou ao Santos em 2022.

Pediu demissão, depois das denúncias, em 2023.

Voltou pelas mãos do presidente Marcelo Teixeira, que assumiu no início do ano.

A primeira providência foi uma reformulação no elenco.

Nove jogadores de 2023 não ficaram no clube.

A nova coordenadora do futebol feminino do Santos, Thais Picarde, tentou explicar o estranho retorno.

“Houve uma apuração interna e nada foi apurado.”

Só que as jogadoras, mesmo de clubes rivais, se relacionam.

Muitas vezes são amigas, trocam confidências, relatam o ambiente nos seus clubes.

E várias delas no Palmeiras, no Corinthians e no Avaí não concordavam com a volta de Kleiton.

Acreditam que as denúncias das atletas santistas foram desmoralizadas.

O Santos perdeu ontem o clássico pelo Brasileiro para o Corinthians, por 3 a 1.

A partida foi em plena Vila Belmiro.

A assustadora repercussão com os protestos de ontem chegou à direção do Santos.

E a possibilidade de nova demissão de Kleiton Lima é real...






Os textos aqui publicados não refletem necessariamente a opinião do Grupo Record.

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.