Logo R7.com
Logo do PlayPlus
Cosme Rímoli - Blogs
Publicidade

Palmeiras pressiona Abel Ferreira a explicar, e assumir, pré-contrato assinado com clube do Catar

O Al-Saad, do Catar, cobra na Fifa o não cumprimento do pré-contrato assinado pelo treinador do Palmeiras, no dia 15 de novembro de 2023. Garantia que assumiria no dia 27 de dezembro do ano passado. Não foi. Árabes exigem R$ 27 milhões por ter ficado no Brasil

Cosme Rímoli|Cosme RímoliOpens in new window

Conselheiros do Palmeiras exigem que Abel explique a assinatura do pré-contrato. E pague, do seu bolso, a multa de R$ 27 milhões

Abel Ferreira sempre foi um defensor da transparência.

Desde que chegou ao Palmeiras, em outubro de 2020, cobra o futebol brasileiro por seu calendário caótico, a falta de critério na arbitragem, o estado dos gramados, a ética na imprensa.

Mas Abel foi acionado judicialmente pelo Al-Sadd, do Catar.

Junto à Fifa.

Publicidade

O motivo não é nada nobre.

Os árabes alegam que assinou um pré-contrato, garantindo que iria trabalhar do outro lado do mundo, a partir do dia 27 de dezembro de 2023.

Publicidade

Abel não foi, renovou como o Palmeiras.

E os catarianos querem paga multa de 5 milhões de euros, cerca de R$ 27,7 milhões, que constaria no documento.

Publicidade

Abel Ferreira já havia dito para Leila Pereira desse pré-contrato.

E, de acordo com conselheiros muito ligadas a ela, a dirigente o convenceu a ficar.

Tanto que seu compromisso com o clube paulista foi renovado até o final de 2025.

Só que a direção do Al-Sadd não digeriu bem essa mudança nos planos.

Uma situação é carta de intenção de trabalho.

Outra é um pré-contrato, garantia que o profissional vai assumir o cargo ou pagar a multa por mudar de ideia.

O dinheiro precisa ser pago, com urgência.

Porque a difícil situação pode respingar no Palmeiras.

Basta o clube catariano alegar que houve aliciamento por parte da equipe onde ele já trabalha.

Ou seja, a interferência financeira para que Abel não cumprisse seu pré-contrato.

A situação é constrangedora.

Abel e Leila Pereira já consultaram o departamento jurídico palmeirense.

E para que o treinador ou o clube sofram sanções, a decisão é que o dinheiro tem de ser pago.

Conselheiros ficaram surpresos e decepcionados com a atitude do português.

Em momento algum havia dito claramente que deseja trocar o futebol brasileiro pelo catariano.

Seu discurso interno é que sonha em evoluir na carreira, trabalhando em um grande da Europa.

Vale lembrar que ele viajou para o Catar e conheceu as instalações do Al-Sadd, em 2023.

A viagem não foi secreta.

Mas Abel jamais tocou no assunto pré-contrato.

A data alegada no qual o documento foi assinado foi pouco antes da reviravolta do Palmeiras no Brasileiro, de 2023, que parecia perdido.

O treinador português tem duas saídas.

A primeira, mais coerente do que tanto cobra no Brasil, seria explicar, em detalhes, o motivo que o fez assinar o pré-contrato.

Se estava no ‘seu limite’, cansado do futebol deste país.

Se queria ganhar muito mais dinheiro.

Se ficou encantado com a infraestrutura do Al-Sadd.

Assim também como mostrar o que o fez mudar de ideia.

A insistência de Leila Pereira, que montou todo o planejamento do futebol em cima dos pedidos de Abel.

E o pedido de sua mulher Ana Xavier, para não trocar o Brasil pelo Catar.

Ou, a segunda, pior.

Dizer que é um problema pessoal.

E se calar, não admitindo questionamentos.

Dirigentes, conselheiros e torcedores palmeirenses adoram Abel.

Não importa o que faça.

Seus dez títulos, entre outubro de 2020 e 2024, se tornando o melhor treinador da história do Palmeiras, fazem com que tudo seja permitido.

Abel Ferreira irá reencontrar a imprensa nesta quinta-feira, depois da partida pela Copa do Brasil, em Ribeirão Preto, contra o Botafogo.

Conselheiros e membros da direção palmeirense querem que se posicione, esclareça toda a situação.

O treinador sabe que dificilmente escapará de um certo desgaste.

Há, sim, decepção com sua atitude, no Palestra Itália.

Exatamente por não mostrar o que cobra quase que diariamente.

Transparência.

O Al-Sadd não procuraria a Fifa à toa.

E ele sabe muito bem disso...




Os textos aqui publicados não refletem necessariamente a opinião do Grupo Record.

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.