Palavrões, ameaças e protestos para o Palmeiras. Que ganhou...

O Palmeiras venceu o Athletico, mas torcedores xingaram, ameaçaram o time, em Curitiba. Diego Barbosa foi um dos principais alvos do protesto

Torcida do Palmeiras protesta. Diego Barbosa revida. E quase há confronto

Torcida do Palmeiras protesta. Diego Barbosa revida. E quase há confronto

Reprodução/Twitter

São Paulo, Brasil

"Não é mole, não.

"Muito dinheiro para pouca obrigação."

Este foi o coro com que o elenco do Palmeiras foi recebido ao descer do ônibus que o levou ao aeroporto Afonso Pena, ontem à noite, em Curitiba.

E muitos palavrões e ameaças.

Direcionados a Bruno Henrique, Lucas Lima, Rony, Gustavo Scarpa e, principalmente, Diogo Barbosa.

O lateral ficou irritado e respondeu aos palavrões.

E ao canto reservado a ele.

"Ah, como eu queria, que o Barbosa voltasse pras Marias", apelido jocoso ao Cruzeiro.

Diogo Barbosa ficou ensandecido.

Teve de ser contido por seguranças e outros atletas para evitar o confronto.

Além dele, o volante teve de ouvir: 

"Ô Bruno Henrique, vá se f***,

"Ganha milhão e não consegue nem correr."

Medo. Delegação do Palmeiras não esperava os protestos após ganhar do Athletico

Medo. Delegação do Palmeiras não esperava os protestos após ganhar do Athletico

Reprodução/Twitter

Ao ex-jogador do Fluminense, outro coro.

"Scarpa, quebra meu galho...

"Volta pro Rio e vai pra casa do c***"

Vanderlei Luxemburgo foi cobrado pelo péssimo futebol.

E que fizesse o 'time correr'.

O presidente Mauricio Galiotte foi chamado de 'banana'.

Pouco importava que o time havia vencido o Athletico, na Arena da Baixada, por 1 a 0, gol de Raphael Veiga, aos 46 minutos do segundo tempo.

Nem que o clube foi campeão paulista há 11 dias.

Os jogadores e Luxemburgo se assustaram com a reação de um grupo de torcedores, que os aguardavam no aeroporto. 

Foram pegos de surpresa.

Não imaginavam que o protesto poderia acontecer, depois do time derrotar o Athletico.

Depois do que aconteceu no aeroporto Afonso Pena, a segurança foi aumentada, quando o time chegou em São Paulo.

O Palmeiras ganhou, depois de quatro empates seguidos.

Mas outra vez jogou muito mal, no Paraná.

Eram cerca de 15 torcedores.

Mas  os atletas xingados e as queixas coincidiam com o que membros de organizadas não cansam de repetir nas redes sociais.

Contra os mesmos jogadores, Luxemburgo e Galiotte.

A polícia do aeroporto em Curitiba foi acionada para proteger o Palmeiras

A polícia do aeroporto em Curitiba foi acionada para proteger o Palmeiras

Reprodução/Twitter

Não houve agressão física.

Mas ficou claro o descontentamento com o futebol do time.

Pelas redes sociais, as organizadas do Palmeiras prometem.

A cobrança vai continuar.

Exigem que o time jogue futebol convincente.

Ou seja, nem vencer importa.

A prova foi dada ontem...

Curta a página do R7 Esportes no Facebook.

Goleiro Bruno tenta bater pênalti, mas é impedido por companheiro