O melhor jogo neste país em 2019. Flamengo e Vasco. 4 a 4

A rivalidade incendiou o Maracanã. Dinheiro, nome, tudo ficou para trás. O Vasco se superou e o Flamengo manteve sua sede de gols. Empate justo

Bruno Henrique. Dois gols e excelente partida. O melhor no clássico inesquecível

Bruno Henrique. Dois gols e excelente partida. O melhor no clássico inesquecível

ADALBERTO MARQUES/ESTADÃO CONTEÚDO

São Paulo, Brasil

O mais emocionante jogo em 2019.

Oito gols.

Duas viradas.

De tirar o fôlego.

Um privilégio para quem esteve no Maracanã.

Ou pôde pagar o pay-per-view neste país mergulhado na recessão.

O espetáculo não esteve na técnica refinada, mas na rivalidade, competitividade, vontade de vencer, superação.

Coragem para atacar.

Foi um colírio para os olhos, nestes times nacionais tão 'reativos', que vivem às custas de contragolpes.

Empate entre o virtual campeão brasileiro Flamengo e o Vasco, na zona central da tabela, mas que jogou como se fosse a sua final.

O placar justo, merecido, um prêmio para o futebol.

4 a 4. 

O Flamengo chegou a 78 pontos, 11 pontos de vantagem em relação ao Palmeiras, com cinco partidas para disputar.

O Vasco alcançou 43 pontos está praticamente livre do seu maior pesadelo, o rebaixamento.

Jorge Jesus e Vanderlei Luxemburgo deram um show à parte. Os dois fizeram seus times agredirem do início ao final da partida. 

Com direito a gol de Everton Ribeiro a 38 segundos do primeiro tempo e Ribamar aos 47 minutos do segundo tempo.

Uma partida inesquecível.

Vasco encarou o líder do Brasileiro com coragem. Se superou

Vasco encarou o líder do Brasileiro com coragem. Se superou

Reprodução/Twitter

Como há muito tempo não se via no Brasil.

Ao final do clássico, os nervos dos jogadores foram contagiados pela tensão do jogo, da alternância frenética no placar.

Bastou Ribamar Pablo Marí e uma sequência de empurrões e palavrões ganhou o gramado. Os dois treinadores tiveram atitude e separaram os times. 

Ruim, feia, mas compreensível a reação dos jogadores.

"Para ganhar da gente tem que ser assim. Mas a equipe está de parabéns pelo desempenho, pela atitude.

"Só deixar um recadinho: nós estamos brigando por título, eles eu não sei pelo que estão brigando. Então a gente tem que ter a cabeça no lugar, porque isso aqui é o que eles queriam: tumultuar o jogo, ficar fazendo gracinha. O

"Henríquez ali o tempo todo falando...

"Temos que ter cabeça no lugar porque estamos em outro patamar", esnobou Bruno Henrique. 

"Não é proibido empatar e ganhar do Flamengo.

"Não vejo nenhuma anormalidade nisso.

"Tenho de dar os parabéns ao jogo.

"Foi um grande jogo de futebol", dizia, Luxemburgo, que conseguiu travar a máquina de vitórias chamada Flamengo.

Aos 67 anos e tentando reerguer sua carreira, que ganhou o último título representativo na sua carreira há 15 anos, justamente o seu quinto Campeonato Brasileiro, Vanderlei sabe que há partidas fundamentais na carreira de um técnico.

E a de hoje no Maracanã era uma delas.

Ele tinha todos os holofotes voltados para o jogo. E ele conseguiu convencer seu humilde elenco que era a 'partida da vida' de todos. A 'decisão' do Vasco e que teria reflexos fundamentais em 2020, no futuro de cada um.

Luxemburgo. Como nos velhos tempos. Ele aproveitou os holofotes

Luxemburgo. Como nos velhos tempos. Ele aproveitou os holofotes

Reprodução/Twitter

Além do doping psicológico, Luxemburgo acertou em cheio ao colocar Rossi e Marrony na frente de duas linhas de quatro. Mas não abertos, no meio. Atrás dos volantes do Flamengo, de frente para a zaga rubro negra.

Jorge Jesus levou muito tempo para perceber de onde vinha tanto perigo do lado vascaíno. O português estava mais preocupado em manter seu time no ataque, buscando a vitória, como fez durante todo o Brasileiro.

E já começou o jogo com uma blitz relâmpago contra a zaga vascaína.

Reinier, escalado no ínicio da partida, para poucar Arrascaeta, que vinha de contusão, deu uma arrancada fantástica, rasgou a defesa vascaína e serviu para Everton Ribeiro estufar as redes. 1 a 0, Flamengo. Aos 38 segundos de jogo.

O ritmo seguiu frenético.

Gabigol, pouco inspirado, perdeu gol diante de Fernando Miguel. Rossi também desperdiçou. Rodrigo Caio quase marcou contra. Tudo isso antes dos 30 minutos. 

O Flamengo atacava e o Vasco respondia com contragolpes em bloco. A emoção de lado a lado. Até que Marrony empatou, aos 34 minutos, em falha de posicionamento da zaga flamenguista.

O lance mais bonito da partida, que resultou no segundo gol do Vasco, nasceu em uma jogada individual de Yago Pikachu. Ele teve seus segundos de Garrincha. Passou por Gerson e enfiou a bola no meio das pernas de Pablo Marí, driblava também Rodrigo Caio, quando foi derrubado pelo zagueiro.

Ele cobrou com convicção. 

Virada do Vasco, 2 a 1. 

O Flamengo pressionou, teve 75% de posse de bola, mas só conseguiu o empate, em um lance de sorte. Em cobrança ensaida de falta, Gabriel passou para Rafinha. O lateral cruzou de primeira para a área e Danilo desviou, tirando qualquer chance de defesa de Fernando Miguel.

Gol contra. 2 a 2, aos 49 minutos.

Os jogadores dos dois times deixaram a alma em campo

Os jogadores dos dois times deixaram a alma em campo

Wallace Teixeira/Estadão Conteúdo - 13.11.2019

No intervalo, Jorge Jesus demonstrou o quanto queria vencer. 

Colocou Arrascaeta no lugar de Reinier.

Mas não corrigiu o posicionamento de Arão e Gerson.

O Vasco pegava pouco na bola, mas sempre com perigo.

Foi assim que chegou a 3 a 2, com Pikachu descobrindo Rossi, que cruzou para Marcos Júnior, livre.

O desespero chegou ao Flamengo, que queria empatar o jogo de qualquer maneira, e expunha ainda mais sua zaga. O Vasco se animou e deixou espaço para tomar o empate em um contragolpe perfeito.

Arrascaeta deixou Bruno Henrique sozinho, para bater na saída de Fernando Miguel. 3 a 3.

O Flamengo ainda viraria.

Vitinho buscou a linha de fundo, cruzou para Gabigol desviar e Bruno Henrique bateu de primeira, com convicção. 4 a 3, aos 34 minutos.

A falsa impressão do Flamengo que havia vencido o clássico

A falsa impressão do Flamengo que havia vencido o clássico

RUDY TRINDADE/FRAMEPHOTO/ESTADÃO CONTEÚDO

O Vasco não desistiu e partiu decidido para a frente, com coragem imensa.

Luxemburgo já havia colocado o trombador Ribamar para brigar com a hoje insegura zaga flamenguista.

E a estrela do jovem atacante brilhou.

Aos 47 minutos, em mais um cruzamento vascaíno, Henríquez cabeceou para a área e Ribamar cabeceou firme. 

4 a 4.

Nem a boba confusão tirou o brilho da partida.

O Vasco não se intimidou. Encarou o jogo como a 'sua' final

O Vasco não se intimidou. Encarou o jogo como a 'sua' final

Reprodução/Twitter

Emocionalmente, o jogo foi espetacular.

O melhor do Brasileiro em 2019.

Um resultado que acabou sendo bom.

Para os dois times.

Flamengo e Vasco mereceram.

O jogo que fizeram ser chamado de clássico...

De olho na grana! Confira valores de premiação do Brasileirão 2019