Palmeiras

Cosme Rímoli Nobre segue no exílio. Impossível derrotar Leila pela presidência do Palmeiras

Nobre segue no exílio. Impossível derrotar Leila pela presidência do Palmeiras

Na guerra dos bilionários, Leila ganhou. Nobre se viu isolado e decidiu nem concorrer a conselheiro. Caminho aberto à dona da Crefisa para a presidência

  • Cosme Rímoli | Do R7

Paulo Nobre escolheu a imagem do filme "Náufrago" no Instagram. Ótima simbologia

Paulo Nobre escolheu a imagem do filme "Náufrago" no Instagram. Ótima simbologia

Reprodução/Instagram

São Paulo, Brasil

Paulo Nobre não quis passar vergonha.

Evitou dar o gosto à sua inimiga mortal, Leila Pereira, de vencê-lo na eleição do Palmeiras.

O bilionário percebeu o quanto ficou isolado no clube.

Perdeu, de longe, o domínio do Conselho Deliberativo.

Viu a força de Mustafá Contursi desaparecer com o escândalo dos ingressos que recebia da Crefisa, que acabou até em ação judicial.

Desmoralizado publicamente pela suspensão por haver indicado a BlackStar ao canditado à última eleição, Genaro Marino. A empresa que foi apresentada como substituta da Crefisa, de Leila, apresentara documentos falsos, de acordo com investigação do clube.

Tendo o presidente Mauricio Galiotte e o presidente do Conselho Deliberativo, Seraphim del Grande, e o presidente de honra da Mancha Verde, Paulo Serdan, como escudeiros, Leila Pereira trabalha desde 2016 para chegar à presidência do Palmeiras.

No seu último ano como presidente, Nobre percebeu a movimentação de Leila. Assessorada por Mustafá, ela percebeu o que deveria fazer para ganhar o cargo, na eleição marcada para o final deste ano.

Troca de bilionários. Nobre perdeu a voz de comando no Palmeiras. Chegou a vez de Leila

Troca de bilionários. Nobre perdeu a voz de comando no Palmeiras. Chegou a vez de Leila

Palmeiras

E já antecipou que não teria espaço algum, na quíntupla aliança: Galiotte, Leila, Mustafá, Seraphim e Serdan.

Nobre queria seguir tendo influência no futebol e voltar à presidência, justamente no pleito de 2021.

Mas encontrou uma adversária forte, obstinada e com alianças poderosas demais.

Ela também é bilionária, dona da Crefisa e da Faculdade das Américas.

Sua proposta moderna de transformar o Palmeiras no clube mais forte do continente sul-americano encantou conselheiros. Os planos são ousados misturando futebol, marketing e poderio econômico.

Nobre só teria uma chance de concorrer com Leila.

Se a administração de Galiotte fosse desastrosa.

Não tem sido.

Até pelo aporte financeiro da Crefisa.

R$ 80 milhões por ano, inclusive neste período da pandemia, é algo muito poderoso.

O dinheiro investido pela empresária na Mancha Verde fez da escola de samba da torcida organizada campeã. Pela primeira vez na história, em 2019.

O dinheiro da Crefisa foi fundamental para fazer da Mancha campeã do Carnaval

O dinheiro da Crefisa foi fundamental para fazer da Mancha campeã do Carnaval

Reprodução/Instagram

Com presença constante em eventos reunindo conselheiros e sócios, Leila fez um trabalho inédito, de corpo-a-corpo. 

Já foi a conselheira mais votada desde a fundação do clube, com 248 votos, em 2017, ela espera bater o próprio recorde, dia 6 de fevereiro.

Os poucos defensores de Nobre ficaram desanimados de vez. 

Afastado do Palmeiras, ele decidiu não se inscrever ontem para concorrer a mais um mandato no conselho, pela oposição.

Sabia que seus votos seriam comparados aos de Leila.

E seria derrotado.

Para evitar esse vexame, que deveria ser a antecipação do que aconteceria no final do ano, Nobre desistiu

Leila Pereira está sozinha para concorrer à presidência.

Líderes da oposição avaliam se vale a pena escolher alguém para, muito provavelmente, ser massacrado pela candidata.

No fundo do mar. A mensagem de Paulo Nobre para 2021

No fundo do mar. A mensagem de Paulo Nobre para 2021

Reprodução/Twitter Paulo Nobre

Nenhuma mulher no futebol brasileiro teve um plano tão ousado para comandar um clube.

E nem tão obcecada.

E com poderio econômico bilionário.

O que sobrou para Paulo Nobre foi apenas uma saída.

Não pensar na presidência do Palmeiras até 2024.

Seguir no exílio.

Pilotando carros.

Deixando o cabelo e a barba crescer.

Se comparar a Chuck Noland, personagem do filme Náufrago.

E usar um coco como seu 'parceiro' Wilson...

Everton e Leicester avançam na FA Cup. Veja tudo do futebol europeu

Últimas