Cosme Rímoli No agradecimento de Pedro pela Copa a Dorival, a incerteza. Vítor Pereira pode acabar com a dupla com Gabigol

No agradecimento de Pedro pela Copa a Dorival, a incerteza. Vítor Pereira pode acabar com a dupla com Gabigol

Treinador português tem outra maneira de montar seus times. Nada de jogador adiantado, isolado, como referência. Pedro terá de mudar suas características para jogar com Vítor Pereira

Pedro fez uma despedida emocionante de Dorival. Ele sabe. Se não fosse o técnico, não estaria na Copa

Pedro fez uma despedida emocionante de Dorival. Ele sabe. Se não fosse o técnico, não estaria na Copa

Conmebol

Doha, Catar

"Professor, somente agradecer por ter acreditado no meu trabalho e me passado confiança desde o primeiro dia que chegou. Você merece o melhor na sua vida pela pessoa espetacular que é. Muito sucesso para você e sua comissão técnica na sequência.

"Você terá sempre um lugar especial na minha carreira. Obrigado por esse tempo juntos. Deus abençoe vocês."

Pedro usou as redes sociais para agradecer muito a Doriva Júnior, que não renovou com o Flamengo.

Ele sabe que, se não fosse a intervenção do técnico, que teve a coragem de fazer com que jogasse ao lado de Gabigol, não estaria aqui, em Doha, na Copa do Mundo.

Pedro resume a surpresa e a desilusão com a saída de Dorival Júnior.

Havia a certeza que ele renovaria seu contrato para seguir em 2023.

O técnico de 60 anos era adorado pela esmagadora maioria dos jogadores.

Fez questão até de cantar rap, na comemoração da conquista da Copa do Brasil.

Ele tinha o elenco nas mãos.

Era a retribuição de fazer o time atuar como gostava. Com cada atleta na sua posição, com poucas variações táticas.

Bem ao contrário do que havia feito o português Paulo Sousa.

Esta ligação umbilical, paternal com o elenco foi um dos vários motivos que estimularam a diretoria a trocá-lo por Vítor Pereira.

O presidente Rodolfo Landim escolheu um técnico com perfil mais tático, menos 'parceiro', companheiro dos jogadores.

Os líderes do Flamengo: Filipe Luís e Vidal não sabiam que haveria a troca. Nem foram consultados. Porque, com certeza, não concordariam com a saída de Dorival Júnior.

Vìtor Pereira não costuma utilizar um jogador de referência, tão adiantado, como Pedro atuava com Dorival Júnior, enquanto Gabigol linha liberdade para 'flutuar'.

Seus times são mais ajustados, compactos, com jogadores preenchendo linhas variáveis.

Ou Pedro se ajusta ou terá problemas como teve com Pedro Sousa para se firmar como titular.

Para complicar um pouco mais a situação, Bruno Henrique entra na reta final de sua recuperação. Será atleta importantíssimo para brigar por posição no ataque.

Esse poderá ser o primeiro problema do português que abandonou o Corinthians, dizendo que iria para a Europa, e acertou sua ida para o Rio de Janeiro.

Aqui no Catar, Pedro sonha em ter uma chance na Seleção. 

Talvez ela venha, caso o Brasil ganhe amanhã da Suíça, e se classifique antecipadamente para as oitavas de final.

Pedro poderia atuar contra Camarões.

Ma ele precisa começar a pensar no Flamengo.

Tudo estará mudado quando ele voltar.

Acabou a era Dorival Júnior.

Para o início de Vítor Pereira, treinador de convicções fortes.

E que detesta ser contrariado.

Não abre tanto espaço para o diálogo, como Dorival...

Os textos aqui publicados não refletem necessariamente a opinião do Grupo Record.

Últimas