Logo R7.com
Logo do PlayPlus
Cosme Rímoli - Blogs
Publicidade

Neymar está entre o ódio e o dinheiro. Não suporta pressão da organizada do PSG, que exige a saída. Tem contrato bilionário até 2027

Neymar não esperava membros da organizada xingando-o e exigindo que saísse do PSG. Ele mora com a namorada, grávida. Seu pai quer que cumpra o contrato de R$ 1,2 bilhão. Messi vai embora. Mbappé se cala...

Cosme Rímoli|Do R7 e Cosme Rímoli

Neymar está entre o ódio da principal organizada do PSG e o dinheiro, R$ 1,2 bilhão, do contrato até 2027
Neymar está entre o ódio da principal organizada do PSG e o dinheiro, R$ 1,2 bilhão, do contrato até 2027 Neymar está entre o ódio da principal organizada do PSG e o dinheiro, R$ 1,2 bilhão, do contrato até 2027

São Paulo, Brasil

O resumo é simples e cruel.

Neymar está entre o ódio e o dinheiro.

O melhor jogador de futebol do Brasil há dez anos vive um impasse enorme.

Publicidade

E que tem como personagens centrais Mbappé, Messi, a Ultra, torcida organizada mais radical do PSG, e a própria direção do clube francês.

A revolta que se desenhava desde maio de 2011 veio à tona.

Publicidade

Em maio de 2011, o fundo catariano Qatar Investment Authority comprou 70% das ações do Paris Saint-Germain. Pagou 90 milhões de euros, cerca de R$ 486 milhões.

O fundo pertence à família real do Catar.

Publicidade

A intenção do investimento era claro: promover a sede da Copa de 2022. Não por acaso, cinco meses antes, em dezembro de 2010, o país conseguiu vencer Estados Unidos, Austrália, Coreia do Sul e Japão.

A escolha surpreendeu o mundo e se mostrou corrupta, com vários dos eleitores da Fifa, presidentes de confederações, sendo banidos ou presos, depois de investigação do FBI. Ganharam dinheiro para votar no Catar.

Mesmo assim, o Mundial foi mantido. O Qatar Invetment Authority resolveu bancar a contratação de grandes estrelas, tendo como meta a conquista inédita da Champions League. Seria uma enorme publicidade para o país e também se reverteria em lucro para o clube.

E passou a montar esquadrões que fracassaram.

Torcedores organizados mais radicais do PSG exigem a saída de Messi e de Neymar
Torcedores organizados mais radicais do PSG exigem a saída de Messi e de Neymar Torcedores organizados mais radicais do PSG exigem a saída de Messi e de Neymar

Em 2017, a grande aposta. Neymar, no auge no Barcelona, estava com problemas com a direção e, quando ninguém esperava, abandonou Messi e Suárez. E aceitou a proposta do PSG, que comprou seus direitos, pagando a multa rescisória. Deixando o clube catalão sem ação.

Tornou-se o atacante mais caro do planeta, 222 milhões de euros, atualmente R$ 1,2 bilhão.

Paris recebeu o brasileiro com requintes de grande estrela. Fez a Torre Eiffel estampar seu nome.

Neymar foi com a promessa da montagem de uma superequipe para vencer fácil a Champions, tendo o camisa 10 como protagonista.

Só que são seis anos de fracassos, frustrações e raiva para a torcida apaixonada do PSG e de revolta para a direção do clube, que primeiro paparicou Neymar e agora o trata com todo o rigor possível. 

Neymar abusou. Recuperando-se de fratura, foi flagrado dançando. Colecionou suspensões em expulsões e cartões infantis. Cansou-se de simular faltas. Viveu escândalos sexuais, com o rompimento com a Nike e as imagens com a modelo Najila Trindade.

O amor dos torcedores e da mídia francesa logo se transformou em cobranças, decepção.

Enquanto isso, Mbappé roubou o protagonismo do brasileiro. Campeão do mundo na Rússia, assumiu o sonho de ir para o Real Madrid, jogar ao lado de Benzema. 

Neymar se viu em segundo plano.

A relação entre ele e Benzema, de acordo com jornalistas do L'Equipe e do Le Parisien, se tornou competitiva, fria. Só diante das câmeras de televisão e dos fotógrafos que os dois se abraçam, sorriem. Cada um luta por seu espaço.

Para que Benzema não fosse para o Real Madrid, até o presidente da França, Emmanuel Macron, se envolveu.

Messi, Mbappé e Neymar. O ídolo francês não mostra a menor solidariedade aos sul-americanos
Messi, Mbappé e Neymar. O ídolo francês não mostra a menor solidariedade aos sul-americanos Messi, Mbappé e Neymar. O ídolo francês não mostra a menor solidariedade aos sul-americanos

A direção do PSG implorou e prometeu que adaptaria o clube aos desejos da estrela francesa. Acertou contrato de três anos. Envolvendo nada menos do que R$ 3,2 bilhões. Além disso, Mbappé teve influência direta na contratação do treinador Christophe Galtier e do executivo de futebol, o português Luís Campos.

Mbappé exigiu comportamento mais profissional do time. Com a saída do ex-jogador da seleção Leonardo como coordenador, de acordo com repórteres franceses, o atacante acabou com o maior protetor da "panela brasileira" no clube.

Em dezembro de 2021, o PSG aproveitou a oportunidade de ter mais uma grande estrela que disputaria a Copa do Catar. E, com o auxílio de Neymar, fechou com Messi. O brasileiro é amigo/irmão do argentino. Sabia que, com a chegada do excepcional jogador, Mbappé perderia poder.

Veio a Copa do Mundo, a Argentina venceu. Mas Mbappé voltou muito poderoso, por atuações brilhantes no Catar. Neymar se tornou ainda mais coadjuvante. Tudo piorou com o rompimento dos ligamentos do tornozelo direito, que exigiu operação delicada, que foi feita no Catar. Justo no pé direto, que sofreu duas fraturas.

Nesse meio-tempo, o PSG foi novamente eliminado da Champions League.

Messi foi escolhido pela sétima vez o melhor do mundo. E se cansou de ficar em segundo plano, abaixo de Mbappé no PSG. Ainda mais com Neymar se recuperando da operação.

Seu contrato termina em junho, daqui a um mês.

E ele decidiu não ficar mais em Paris. Repórteres argentinos destacam que ele não tem o tratamento que acredita merecer. E, quando analisava se voltaria para o Barcelona, recebeu uma proposta bilionária da Arábia Saudita.

Messi foi à Arábia Saudita sem a permissão do PSG. Tem oferta de R$ 2,2 bilhões por temporada
Messi foi à Arábia Saudita sem a permissão do PSG. Tem oferta de R$ 2,2 bilhões por temporada Messi foi à Arábia Saudita sem a permissão do PSG. Tem oferta de R$ 2,2 bilhões por temporada

São R$ 2,2 bilhões do Al-Ahly por temporada. O clube árabe acena com dois ou até três anos de contrato. Aos 35 anos, Messi aproveitou uma folga e foi à Arábia negociar. Viajou sem a liberação da direção do PSG.

Aí é que a situação se complicou.

Ele foi suspenso por duas semanas pela direção do clube.

Não é só no Brasil que as organizadas têm ligação com a direção do clube. E muitas vezes tomam atitudes que os dirigentes gostariam mas não têm como fazer. 

Foi o que aconteceu ontem, quando os Ultras foram à frente do clube pedir para que Messi fosse embora, deixasse o PSG. Isso vai acontecer, mas assim que terminar a temporada. 

Movimentado também por uma onda vergonhosa de xenofobia que domina a Europa, os torcedores aproveitaram e foram até a frente da mansão de Neymar. E gritavam para que ele fosse embora, deixasse o PSG em paz.

Só que com o brasileiro a situação é muito mais complicada.

O pai de Neymar, que gere sua carreira, decidiu acessar a cláusula de renovação automática até 2027, em julho do ano passado, quando a rejeição já era crescente.

Neymar pai pensou "apenas" nos 215 milhões de euros, ou cerca de R$ 1,2 bilhão, a que tem direito até julho de 2027.

O atacante jamais havia passado por uma situação dessas.

Com centenas de torcedores do PSG postados exigindo sua saída.

Ele ainda está se recuperando da reconstituição dos ligamentos do tornozelo direito. E está vivendo com sua namorada, Bruna Biancardi, grávida.

A situação repercutiu mundialmente.

Neymar reclamou nas redes sociais, em que tem mais de 270 milhões de seguidores. "Não deixe as pessoas te colocarem na tempestade delas. Coloque-as na sua paz."

E também curtiu uma publicação que o mostrava abraçado a Messi no Barcelona. No texto, estava escrito: "Todos os fãs pensam o mesmo: eles eram muito felizes naquela época".

Neymar mora com a namorada, grávida, na França. Ficou assustado com os torcedores exigindo sua saída
Neymar mora com a namorada, grávida, na França. Ficou assustado com os torcedores exigindo sua saída Neymar mora com a namorada, grávida, na França. Ficou assustado com os torcedores exigindo sua saída

O blog teve acesso a pessoas ligadas a Neymar e ao seu pai.

A situação é clara.

Se depender do jogador, o melhor caminho é buscar outro clube, mesmo se for para ganhar menos. O sonho seria o retorno, com Messi, para o Barcelona.

Mas o pai do atleta pede calma e quer esperar o fim da temporada para analisar como ficará o PSG. E não jogar R$ 1,2 bilhão pela janela.

Seu filho tem 31 anos, duas fraturas no mesmo pé direito, com direito a uma terceira cirurgia, dessa vez nos ligamentos. E não receberá nem perto disso em uma outra equipe até 2027.

Neymar não quer conviver com o ódio da própria torcida.

Ainda mais com sua namorada grávida.

Enquanto isso, Mbappé não se manifesta.

Nada de apoio a Messi ou a Neymar.

Se depender dele, de acordo com a imprensa francesa, o PSG começa uma nova história na temporada 2023/2024, que terá início em agosto.

Sem Messi e Neymar.

Com ele como figura principal, buscando atletas que se adaptem ao seu futebol.

Mas o brasileiro só sai se quiser.

Tem um contrato espetacular em vigência até 2027.

Se o PSG não o quiser, terá de pagar o que ele teria a receber nos próximos quatro anos.

Rasgar dinheiro os catarianos não vão fazer.

No máximo buscar equipes interessadas no brasileiro.

Perder dinheiro com o repasse, já que Neymar vale 70 milhões de euros, de acordo com um site especializado em transações financeiras, o Transfermarkt. Nada menos do que 52 milhões de euros, cerca de R$ 288 milhões a menos.

O sonho francês de Neymar se tornou um pesadelo...

PSG, de Neymar, Mbappe e Messi, é o time com folha salarial mais alta do mundo

Os textos aqui publicados não refletem necessariamente a opinião do Grupo Record.

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.