Logo R7.com
Logo do PlayPlus
Publicidade

Mesmo condenado por estupro, Robinho é o 'convidado especial' de churrasco no Santos. STJ decide dia 20 de março seu futuro

Robinho foi o convidado especial de um churrasco no Santos, para comemorar a vitória sobre o São Bernardo. O presidente Marcelo Teixeira não se importou com a condenação de nove anos, por estupro, na Itália

Cosme Rímoli|Do R7 e Cosme Rímoli

Robinho foi condenado por estupro em 2022 e há dois anos vive como se nada tivesse acontecido
Robinho foi condenado por estupro em 2022 e há dois anos vive como se nada tivesse acontecido Robinho foi condenado por estupro em 2022 e há dois anos vive como se nada tivesse acontecido (CBF)

São Paulo, Brasil

Escárnio?

O presidente do Santos, Marcelo Teixeira, resolveu organizar um churrasco no CT do Santos.

Para comemorar a vitória sobre o São Bernardo, no Morumbi, no domingo, diante de quase 51 mil santistas.

Publicidade

E nesse churrasco, de hoje, haveria um convidado especial, muito amigo de Teixeira.

Atuou no clube sob sua gestão.

Publicidade

Ele foi e ainda ganhou abraços de todos o elenco, da Comissão Técnica de Fábio Carille, da direção de futebol.

Robinho.

Publicidade

Mesmo condenado por estupro coletivo, a nove anos de prisão na Itália, o jogador circula livremente no Brasil.

Seu comportamento serviu até como exemplo para a justiça espanhola seguir com a prisão preventiva de Daniel Alves, desde janeiro de 2023.

Porque o Brasil não tem acordo de extradição.

Ou seja, pessoas que nasceram neste país e cometeram crimes no Exterior, podem ficar tranquilas. Não são extraditadas.

Robinho foi condenado em 2022 e há dois anos vive como se nada tivesse acontecido. O estupro coletivo aconteceu em 2013. Uma mulher de origem albanesa, embriagada, foi atacada sexualmente por seis brasileiros. 

A polícia italiana colocou escuta no carro de Robinho e ele confessou o estupro em detalhes.

A justiça do país europeu pediu para o governo brasileiro agir e fazer com que Robinho cumpra os nove anos de cadeia por aqui.

Enquanto degustava picanha e farofa, Robinho ficou sabendo que o Superior Tribunal de Justiça marcou para o dia 20 de março o julgamento.

Há ainda muita divisão sobre a legalidade de o ex-atacante ser preso no Brasil, pelo que fez na Itália.

"Estou à disposição da justiça", repete Robinho, sem mostrar preocupação.

Ele é defendido pelo escritório do primo do vice-presidente da República, Geraldo Alckmin.

José Eduardo Alckmin insiste que a legislação não prevê o cumprimento de pena no Brasil, para o julgamento de um brasileiro em outro país.

É nessa tese que Robinho acredita.

Por isso saboreava um bom churrasco enquanto o STJ anunciava o dia do seu julgamento.

Marcelo Teixeira sabia muito bem da condenação de Robinho.

Mas o recebeu no churrasco como 'grande ídolo santista'...

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.