Cosme Rímoli Melhor Palmeiras da história é bicampeão do Brasil. Abel Ferreira, com nove títulos, se impõe às duas academias. De dar orgulho

Melhor Palmeiras da história é bicampeão do Brasil. Abel Ferreira, com nove títulos, se impõe às duas academias. De dar orgulho

Empate com o Cruzeiro consagra de vez a passagem fabulosa de Abel Ferreira. O Palmeiras garante seu 12º Brasileiro, recordista no país. Em três anos, Abel venceu mais do que as duas Academias

  • Cosme Rímoli | Do R7

Gustavo Gómez levanta a taça do bicampeonato nacional. Melhor Palmeiras de todos os tempos

Gustavo Gómez levanta a taça do bicampeonato nacional. Melhor Palmeiras de todos os tempos

GILSON LOBO/AGIF - AGÊNCIA DE FOTOGRAFIA/ESTADÃO CONTEÚDO - 07/12/2023

São Paulo, Brasil

Palmeiras, bicampeão brasileiro.

Mesmo com seu time podendo ser goleado, que viria o 12º Brasileiro, Abel Ferreira colocou os jogadores para atuar com toda vibração, estratégia e seriedade, suas marcas registradas.

O empate com o Cruzeiro em 1 a 1, com o Mineirão com mais de 45 mil torcedores, mostrou todo o comprometimento da equipe sob o comando do português.

Os gols foram de Endrick e de Nikão.

Outro título histórico do melhor Palmeiras da história, de encher de orgulho qualquer torcedor do time verde.

Jamais a primeira e a segunda "academias" venceram tanto como na fabulosa passagem de Abel Ferreira pelo Palestra Itália.

A primeira, com Julinho, Djalma Santos, Djalma Dias, entre 1959 e 1969, conseguiu oito títulos: quatro campeonatos brasileiros, 1960, dois títulos nacionais, em 1967 e 1969; três paulistas, 1969, 1963 e 1966; e um Rio-São Paulo, em 1965.

A segunda academia, com Ademir da Guia, Luis Pereira, Leivinha, venceu quatro vezes: dois brasileiros, 1973 e 1974, e dois paulistas, 1972 e 1974.

Com nove títulos, Abel só fica atrás de Oswaldo Brandão, que teve cinco passagens pelo Palestra Itália, completando oito anos.

O melhor Palmeiras da história, com nove títulos em três anos, tem um personagem que se mostrou espetacular. 

Duas Libertadores, dois brasileiros, uma Copa do Brasil, duas vezes o Paulista, uma Recopa e uma Supercopa do Brasil.

Incrível.

Endrick marcou o gol do Palmeiras. A certeza do título e o cansaço fizeram o time ceder o empate
Endrick marcou o gol do Palmeiras. A certeza do título e o cansaço fizeram o time ceder o empate Cesar Greco/Palmeiras

O treinador português Abel Ferreira, que não está comandando a seleção brasileira porque não se dobra a jogadores mimados e que fracassaram em Copas do Mundo, como Neymar. Exigência infeliz da CBF.

Não é por acaso que Leila Pereira quer fazer de tudo para segurá-lo. Apesar de ter contrato até o fim de 2024, ela oferece a antecipação da renovação até 2027 e R$ 5,2 milhões por mês. O dobro do que recebe atualmente.

O medo é que ele ceda e aceite trabalhar no Catar, no Al-Sadd.

A proposta para o português é de R$ 9 milhões a cada 30 dias.

A partida em Belo Horizonte foi levada a sério pelos dois clubes, com objetivos completamente diferentes. O Palmeiras para se impor como o melhor time do país de novo. E o Cruzeiro, que lutou muito para escapar do rebaixamento, queria uma vaga na Copa Sul-Americana.

E cada time conseguiu se impor em cada tempo da partida.

O Palmeiras jogou muito bem nos primeiros 45 minutos, teve toda a chance de marcar uma vantagem de, no mínimo, dois gols, ficou apenas no gol de Endrick.

No segundo tempo, a bola rondou a área do Palmeiras. Nikão empatou, com justiça

No segundo tempo, a bola rondou a área do Palmeiras. Nikão empatou, com justiça

Cesar Greco/Palmeiras

Utilizando todos seus titulares, com Abel gritando, cobrando, vibrando, exigindo o máximo dos atletas. Com enorme dignidade.

No segundo tempo, a equipe de Paulo Autuori se impôs, lutou com toda a garra para conseguir ao menos o empate. O Palmeiras acabou cansando. E o time mineiro conseguiu empatar com um gol de Nikão.

"Conquista tem sabor muito especial, porque foi diferente, esse é meu 11° Brasileiro seguido e nunca vi uma disputa tão acirrada nas últimas rodadas como foi essa. Eu quero agradecer a Deus, porque tem nos ajudado, dado sabedoria e saúde para trabalhar.

"Feliz por mais um título. Vamos seguir, porque acho que é a recompensa do sacríficio, das renúncias, de deixar muitas vezes a família em segundo plano para se dedicar ao trabalho. Agora vamos celebrar, porque é realmente muito especial", comemorava Weverton, assumindo o sacrificante ano palmeirense. 

Foram três títulos em 2023.

Supercopa do Brasil, Bicampeonato Paulista e Bicampeonato Brasileiro.

"Meus amigos falavam que eu poderia ser Craque do Campeonato com essa situação do final. Para mim isso não importa. Para mim não existe protagonismo. Se tivesse só eu dentro de campo, eu não conseguiria ganhar nunca. Protagonista é o time todo, e eu tenho que agradecer por estar num time assim", celebrava Endrick.

A conquista valeu uma premiação de R$ 47,8 milhões, pagos pela CBF.

A bilionária Leila Pereira tem a obrigação de segurar o melhor treinador da história do Palmeiras

A bilionária Leila Pereira tem a obrigação de segurar o melhor treinador da história do Palmeiras

Reprodução/Instagram

A Crefisa prometia, por contrato, mais R$ 10 milhões.

Só que o dinheiro será descontado do empréstimo que a empresa havia feito ao clube, em 2019.

Restam R$ 37 milhões.

Se Leila Pereira tivesse reposto as saídas de Scarpa e Danilo, o Palmeiras tinha tudo para poder celebrar mais títulos nesta temporada.

Desperdiçou a Libertadores.

E a Copa do Brasil.

Que a presidente consiga segurar Abel Ferreira.

E invista como o excelente treinador merece...

Os textos aqui publicados não refletem necessariamente a opinião do Grupo Record.

Últimas