Cosme Rímoli 'Mala branca.' Chute na porta do VAR. Começou a guerra entre Flamengo e Atlético Mineiro

'Mala branca.' Chute na porta do VAR. Começou a guerra entre Flamengo e Atlético Mineiro

Clube carioca exige punição ao mineiro por executivo ter chutado a porta e ameaçar os responsáveis pelo VAR. Ex-presidente chama o Flamengo de clube mais ajudado pela arbitragem de 'todos os tempos'

  • Cosme Rímoli | Do R7

Começou a guerra fria entre Atlético e Flamengo. Os dois duelam pelo Brasileiro e Copa do Brasil

Começou a guerra fria entre Atlético e Flamengo. Os dois duelam pelo Brasileiro e Copa do Brasil

Pedro Souza/Atlético

São Paulo, Brasil

Até que demorou.

Mas agora que ficou claro que Atlético Mineiro e Flamengo perderam a companhia do Palmeiras na briga pelo título brasileiro, começou a guerra fria. Ou seja, a pressão que os dirigentes fazem para tentar desestabilizar o adversário fora de campo.

O episódio que deu início à guerra nos bastidores foi a absurda atitude do executivo do Atlético, Rodrigo Caetano. Ele foi até a sala do VAR, durante a partida contra o Santos. E deu o seguinte vexame, relatado na súmula do árbitro Paulo Roberto Alves Júnior.

"Informo ainda que, aos 41 minutos do primeiro tempo, o senhor Rodrigo Caetano, diretor de futebol, o qual foi identificado pelos funcionários da equipe que faziam a segurança do lado de fora desta cabine, desferiu chutes e socos na porta da sala do VAR e proferiu os seguintes dizeres de forma ofensiva e grosseira: "Seus ladrões, parem de roubar, nós não vamos aceitar isto mais". Ressalto que esta situação foi reportada pelos membros da equipe da sala do VAR ao final da partida."

Sim, o executivo chutou, socou a porta, ofendeu os funcionários do VAR. Para, evidentemente, pressioná-lo. Por coincidência, ou não, no segundo tempo do jogo o VAR marcou um pênalti muito duvidoso para o Atlético.

O vice-presidente do Flamengo, Rodrigo Dunshee, tratou de se intrometer na questão.

E pressionar o Superior Tribunal de Justiça Desportiva. Para que o Atlético perca mando de campo pela atitude de Rodrigo Caetano.

Rodrigo Caetano chutou a porta do VAR no Mineirão. E ainda xingou os árbitros de vídeo

Rodrigo Caetano chutou a porta do VAR no Mineirão. E ainda xingou os árbitros de vídeo

Atlético

“Quando o clube mandante não proporciona segurança para o trabalho da arbitragem, qdo invadem ou tentam invadir a sala onde se pratica a arbitragem por vídeo, a consequência só pode ser uma: perda do mando de campo e punição severa dos invasores/agressores. Vamos aguardar o STJD", escreveu nas redes sociais.

E logo houve resposta.

O ex-presidente do Atlético Mineiro, Sérgio Sette Camara, não deixou por menos.

"Falou o representante do clube mais ajudado em TODOS os tempos pela arbitragem brasileira, cuja arrogância não lhe permite enxergar nada além do próprio umbigo!"

A situação já se mostrava complicada desde a quarta-feira. A rádio Itatiaia, a mais popular de Minas Gerais, publicou uma matéria no seu site garantindo que o Flamengo estava bancando 'mala branca' ou seja, dando dinheiro como incentivo a adversários do Atlético Mineiro.

Este é o conteúdo da matéria.

"O Flamengo está turbinando adversários do Atlético na reta final de disputa do Campeonato Brasileiro. A Itatiaia apurou que o rubro-negro está pagando mala branca para rivais do Galo para incentivar os jogadores a tirar pontos do time comandado por Cuca.

"O bicho pago pelo Flamengo para a Chapecoense na partida contra o Galo variaria de R$ 400 mil a R$ 500 mil. O jogo terminou empatado em 2 a 2.

" O Flamengo também teria oferecido vantagem ao Santos para o jogo desta quarta-feira contra o Galo.

"No Campeonato Brasileiro de 2020, que o Flamengo sagrou-se campeão, a oferta de mala branca também já teria ocorrido na reta final do torneio, quando o rubro-negro disputava o título com Atlético e Internacional."

Rodrigo Dunshee nega as acusações de 'mala branca'. E cobra punição por chute na porta do VAR

Rodrigo Dunshee nega as acusações de 'mala branca'. E cobra punição por chute na porta do VAR

Flamengo

O vice-presidente do Flamengo, Rodrigo Dunshee, já havia rebatido.

“A rádio Itatiaia, do 'dono' do Atlético, fez acusações criminosas em face do Flamengo, que serão judicialmente combatidas. Flamengo respeita a lei, o orçamento, ganha título e paga em dia. Isso incomoda muita gente. Não vamos perder tempo com fakenews de pessoas que querem aparecer”, acusou. O mecenas do Atlético, Rubens Menin, é realmente proprietário da rádio.

A guerra fria começou entre Flamengo e Atlético.

E, com certeza, vai piorar.

Com outro motivo importante.

Além do Brasileiro, os dois deverão decidir a Copa do Brasil.

Na verdade, a rivalidade começou em 1981.

Quando os clubes jogaram a partida decisiva e eliminatória do grupo 3. Os dois jogos entre eles terminaram empatados.

Na época só se classificava uma equipe por grupo.

O confronto foi em Goiânia. O árbitro José Roberto Wright, indicado pela equipe mineira, expulsou Éder, Reinaldo, Palhinha, Chicão e Osmar Guarnelli. 

O jogo acabou aos 37 minutos do primeiro tempo. O Atlético não tinha número mínimo de atletas para seguir o jogo. O Flamengo foi à semifinal da Libertadores e acabou campeão não só do torneio sul-americano. Mas do Mundial.

O Atlético Mineiro tinha uma equipe muito poderosa, que se igualava à do Flamengo.

A raiva entre os dois clubes tem 40 anos...

O Atlético Mineiro publicou nota de repúdio às declarações do vice do Flamengo.

("O Clube Atlético Mineiro manifesta repúdio às seguidas declarações de dirigentes e lideranças do Flamengo, como a feita hoje, pelo vice-presidente geral e jurídico Rodrigo Dunshee, em sua conta no Twitter.

Nela, de forma dissimulada e ardilosa, ele afirma que dirigentes do Galo tentaram invadir a sala do VAR (no jogo Atlético x Santos, no último dia 13, no Mineirão), e pede punições ao Clube e aos dirigentes (a quem chama de agressores), em face dessa suposição.

É necessário que haja responsabilidade e bom senso nas manifestações de dirigentes, para que não se instale um clima de beligerância e acusações infundadas.

Não houve, por parte do diretor de Futebol do Galo, Rodrigo Caetano, qualquer tentativa de invasão à sala do VAR, tampouco de outro dirigente da nossa equipe. As afirmações são mentirosas e seus autores responderão pelos seus atos, no tempo próprio.

O Atlético agirá com firmeza contra todos que proferirem declarações mal-intencionadas, e que se prestam unicamente a prejudicar o bom desempenho esportivo do Galo.

O tempo de manobras extracampo e favorecimentos já acabou!

Pelo menos, é o que se espera!"

A guerra vai continuar...)

Greve de atletas e R$ 900 milhões de dívidas: a crise do Cruzeiro

Últimas