Cosme Rímoli Leila Pereira. Primeira mulher na presidência do Palmeiras. Lágrimas e auditoria para saber quanto dinheiro o clube tem

Leila Pereira. Primeira mulher na presidência do Palmeiras. Lágrimas e auditoria para saber quanto dinheiro o clube tem

Leila Pereira fez discurso emocionado, feminista. Ao que tudo indica, conseguiu segurar Abel como técnico. Mas, por trás das lágrimas, contratou a consultora Ernst & Young para examinar a condição financeira do Palmeiras

  • Cosme Rímoli | Do R7

Leila Pereira chorou no seu discurso de posse como presidente do Palmeiras

Leila Pereira chorou no seu discurso de posse como presidente do Palmeiras

Reprodução/TV Palmeiras

São Paulo, Brasil

A responsabilidade é imensa.

E a empresária bilionária sentiu o golpe.

Ao discursar pela primeira vez como presidente do Palmeiras, a carioca Leila Mejdalani Pereira não conseguiu fazer aquilo em que é mestre: segurar a emoção.

Chorou.

As lágrimas misturavam alegria e responsabilidade.

Ela sabe muito bem a expectativa que a cerca.

É a primeira mulher que efetivamente será presidente de um clube gigante de São Paulo, não apenas a esposa do dirigente que assumiu pela impossibilidade de continuidade, como aconteceu com Marlene Matheus, no Corinthians (Marlene chegou ao cargo porque seu marido, Vicente Matheus, não podia. Ela foi presidente entre 1991 e 1993).

Leila, não. Apesar do marido poderoso, José Roberto Lamacchia, ela efetivamente será a responsável pelo comando do Palmeiras. Assume como a dona da principal patrocinadora de um clube na América Latina. São R$ 81 milhões, que podem chegar a R$ 120 milhões por ano, dependendo dos títulos conquistados. Renovou antecipadamente por três anos, o período em que seguirá na presidência.

Com o apoio absoluto da antiga gestão, do presidente Mauricio Galiotte, Leila foi a recordista de votos como conselheira. Sua campanha foi tão intensa que desanimou a oposição, que não lançou candidato para não passar vexame. Foi eleita por aclamação, candidata única.

E Leila sabe exatamente o que se espera dela.

Administração mais moderna no clube. Construção de um hotel para a categoria de base. Mas principalmente um time fortíssimo.

"Você chega aonde você almeja. Estou no maior campeão do Brasil, tricampeão das Américas, e, se Deus quiser, pintaremos o mundo de verde em fevereiro. Vamos para cima", prometeu, otimista, referindo-se ao Mundial de Clubes, nos Emirados Árabes.

Seu discurso foi genérico, feminista. Mas sem revelações efetivas.

"Jamais decepcionarei quem confia em mim. Confiem! Seremos cada vez mais vitoriosos e gigantes! Prova de que as mulheres podem tudo que quiserem. Não só as mulheres, mas todos que trabalham com dedicação!"

"Fico muito feliz com a presença do meu amigo Paulo Serdan, Pepe, Reginaldo [membros da organizada Mancha Verde]. Nunca neguei e jamais negarei minha proximidade com qualquer torcedor! Na minha gestão, torcedor nenhum será discriminado!"

"Desculpa, Maurício [Galiotte], mas não tenho dúvida: a nossa gestão será a melhor da história do Palmeiras. A gente precisa evoluir, né, presidente? [risos] Sei que é difícil superar este presidente, mas juntos e unidos temos de evoluir sempre."

A primeira novidade importante da administração Leila, que ainda não foi confirmada oficialmente, deve ser a continuidade de Abel Ferreira no comando do time palmeirense. É ele quem está recomendando e avalizando reforços. E saídas, com exceção de Felipe Melo, pedido de Galiotte, aceito por Leila e Abel. Para evitar o desgaste político.

O executivo Anderson Barros seguirá no clube, a pedido de Abel Braga, com quem trabalha em sintonia.

Por enquanto, nenhuma estrela foi contratada, anunciada, como muitos torcedores esperavam que ocorresse na posse de Leila.

Mas, por trás de toda a felicidade, a carioca segue muito racional.

Ela decidiu fazer uma auditoria financeira do clube.

Contratou a Ernst & Young para saber exatamente quanto o Palmeiras tem em caixa. E quanto deve. E a quem deve.

Ou seja, Leila está longe de ser só emoção...

Campeão, Atlético-MG tem a maior média de público do Brasileirão

Os textos aqui publicados não refletem necessariamente a opinião do Grupo Record.

Últimas