Jesus sabe. Se o Flamengo voltar a errar tanto, perde o Mundial

O time carioca falhou demais no primeiro tempo contra o Al Hilal. O treinador sabe: se o Liverpool for o finalista, sábado, o título pode escapar

Jorge Jesus passou todo o primeiro tempo tenso, calado, preocupado

Jorge Jesus passou todo o primeiro tempo tenso, calado, preocupado

Reprodução/Twitter

São Paulo, Brasil

Jorge Jesus tentou disfarçar.

Na entrevista.

Destacou a vitória na semifinal do Mundial.

A chegada na decisão de sábado.

Mas durante o jogo, não conseguiu esconder.

Principalmente no primeiro tempo.

Passou com a fisionomia fechada, tensa.

Ao contrário do seu comportamento habitual, expansivo, vibrante.

Estava com medo diante dos erros que viu.

Ele sabe que, se o time voltar a titubear tanto quanto no primeiro tempo de hoje, o título será quase impossível.

Principalmente se o Liverpool for o adversário.

"O Al Hilal foi muito melhor nos primeiros 30 minutos", admitiu na entrevista após o jogo. 

"Nosso lado esquerdo passou a ser vulnerável quando o Hilal criou superioridade numérica e criou espaços. Tivemos que alterar posicionamento para que a equipe fosse mais equilibrada. Quem não é equilibrado defensivamente, não sabe atacar", destacava.

O português fez de tudo na entrevista para tirar o foco de Filipe Luís e Marí que tiveram uma fraca atuação. Principalmente pela falta de proteção de Willian Arão e Gerson, nervosos, tensos, desconcentrados. 

Ele terá muito o que conversar com os volantes flamenguistas para a decisão de sábado.

Não há cabimento os dois atuarem muitas vezes em linha, não fecharem os corredores entre os laterais e os zagueiros.

Na hipótese de os ingleses vencerem os mexicanos amanhã, a situação ficará mesmo problemática.

Mas Jorge Jesus tinha a vitória de virada para disfarçar os erros do time. 

Principalmente em uma coletiva desconexa, com perguntas que não se completavam. Iam de um assunto para outro. Ele aproveitou para não expor o quanto o Flamengo brincou com a sorte.

“Claro que o Liverpool é favorito, sem dúvida nenhuma, mas vamos com respeito. Quando chegamos já pensávamos em ser campeões do mundo, agora mais ainda.

"Já estamos em um patamar superior, como o Bruno Henrique diz. Claro que é o jogo mais importante da minha carreira, assim como do outro treinador que for a final. É a cereja em cima do bolo na temporada que o Flamengo fez. É a final mais importante da minha carreira”

“ Um time precisa saber aproveitar as situações e quebra dos adversários é fundamental. É preciso perceber o que está acontecendo para passar a mensagem do que você acha que é melhor. Na segunda parte, a equipe foi muito mais solta e dinâmica.

“Diego tem sido um jogador fundamental para a equipe. Ele tem criado condição física, técnica e tática. Hoje, diferente de Lima, era preciso um jogador como ele. O Gerson não estava fazendo o que normalmente faz. Sabia que o Al Hilal teria quebras táticas e físicas", destacava.

O português sabe que a fragilidade física do time árabe foi o seu grande cúmplice na vitória marcante.

E o jogo com resultado obrigatório já passou.

Ele conseguiu levar o time brasileiro à final.

Mas que a alegria de hoje pode virar tristeza.

Como contra o River Plate, o Flamengo mostrou falhas assustadoras.

E que podem custar muito caro...

Veja melhores imagens de Flamengo e Al-Hilal pela semifinal do Mundial