Logo R7.com
Logo do PlayPlus
Cosme Rímoli - Blogs
Publicidade

Exclusiva com Pilhado. ‘Os invejosos me perseguiram. Bando de mau-caráter fez abaixo-assinado para me tirar da Globo.’

Thiago Asmar surgiu como uma força da natureza na Globo. De produtor, saltou para repórter especial e apresentador do Esporte Espetacular. Um vídeo íntimo deu a desculpa perfeita para quem queria derrubá-lo. Renasceu como ‘Pilhado’ na Internet

Cosme Rímoli|Cosme RímoliOpens in new window


Thiago Asmar surgiu como uma força da natureza na Globo.

Visual de surfista da zona Sul, filho da classe média alta, pai médico, bronzeado, olhos claros, corpo atlético, com domínio de inglês, inteligente. E, principalmente, carismático.

“Sempre fui cara de pau, entrão. Converso com todo mundo de igual para igual. Não me intimido, onde quer que eu vá.” Repórter aceito no fechadíssimo mundo dos jogadores atuais. De frequentar festas, baladas. “O segredo sempre foi mostrar que eles poderiam confiar em mim. Vi muita coisa. Jogador midiático mundialmente caído de tanto beber. Nunca falei um A. Nada. Eles sabiam que poderiam confiar em mim.”

Disposto a sacrificar o próprio corpo, mostrando o dia-a-dia dos lutadores de MMA, com direito a levar socos e pontapés de José Aldo, ex-campeão do UFC. Ou treinar, para valer, com um time profissional. O Boavista, do Rio de Janeiro, sob o comando de Joel Santana. Os exercícios foram eram tão fortes que o fizeram vomitar diante das câmeras. ‘Me entregava de corpo e alma. Não media esforços para conseguir entrevistar quem quer que fosse. Maradona, Messi, Pelé, Robben... Bem-falante, exalando confiança, de produtor, logo se tornou repórter especial e apresentador do Esporte Espetacular.

Publicidade

Nomes consagrados do esporte da emissora carioca tinham certeza. ‘Chegou o novo repórter da Seleção Brasileira, de Copa do Mundo, Olimpíada.’ Tudo ia bem demais. Até que chegou abril de 2015. E vazou um vídeo íntimo de Pilhado com a modelo Carol Muniz, ex-namorada do presidente da CBF, Marco Polo del Nero.

‘Tinha 24 anos, errei. Filmei e mostrei para amigos de confiança. E um deles vazou. Não sei quem foi e nem o motivo. Foi uma bobagem. Me arrependo. Mas dei a deixa para um bando de mau-caráter que me perseguia. Houve até um abaixo-assinado pedindo a minha demissão.

Publicidade

‘Paguei caro pelo erro. Fui encostado. Minha família sofreu muito com a situação. Quem queria o meu mal fez de tudo contra mim nesta hora. Mas recebi o apoio da pessoa mais importante da Globo. Ele me segurou. Não fui demitido.’ A pessoa é Roberto Marinho Neto, que apostava nele, o via com potencial para ser o primeiro repórter esportivo da sua emissora. ‘Fiquei por quase dois anos. Mas a pressão de quem era mau-caráter continuou. E seguiram me sabotando. Queriam que eu voltasse a ser produtor, sumisse do vídeo. Aí, não aguentei. E fui até a sala do Roberto Marinho Neto e pedi demissão. Ele pediu para eu ficar, mas não tinha como lutar contra o ambiente que a chefia deixou insuportável para mim.’

'Ganho 15 vezes mais do que quando trabalhava na Globo.' Thiago Asmar

Thiago tem 2,8 milhões de inscritos no seu canal.

Publicidade

342 milhões de acessos, até esta matéria ser publicada.

O público mudou seu nome. ‘Só sou chamado agora de Pilhado. Onde quer que eu vá...” E mais de 386 milhões de visualizações. “Ganho mais de 15 vezes o que recebia na Globo. Para tristeza de muito chefe mau-caráter de lá.’ Mas ele queria estar em um veículo de comunicação tradicional. E foi chamado para trabalhar na Jovem Pan. Desde 2022 comanda um programa no horário ‘nobre’ do esporte na rádio. O Bate-Pronto, do meio-dia às 14 horas. E o carioca ‘tirou o terno e gravata’ da paulistana Jovem Pan.

Não satisfeito, criou um podcast com Vampeta, os Reis da Resenha, que vai ao ar pela TV Jovem Pan.

‘O Vampeta fica louco da vida, quando eu falo, mas ganho muito mais no meu canal do que na rádio. Mas fico feliz demais na Jovem Pan. O meu ambiente de trabalho é sem trairagem, ao contrário do que era na Globo. Amo meus parceiros de programas. Quebramos o pau de verdade, durante as discussões de futebol, mas assim que acaba, tudo morre. Adoro o Flávio Prado, o Mauro César. O Vamp é meu irmão. Estou muito feliz.’

Pilhado enfrentou uma operação delicadíssima na vértebra, que poderia deixá-lo sem andar. ‘Mas o importante é que consegui superar. Está tudo ótimo na minha vida. Encontrei quem eu precisava encontrar e me casei, a Livia.

‘Para quem achou, na Globo que eu estava acabado, tem de seguir fazendo o que sempre fez. Se roer de inveja...’

A entrevista exclusiva com Thiago Asmar está no Canal do Cosme Rímoli e do R7 no YouTube.

A cada semana há um personagem importante do mundo do esporte...

Os textos aqui publicados não refletem necessariamente a opinião do Grupo Record.

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.