Cosme Rímoli Estreia sensacional de Diniz, Santos surpreende e vence o Boca

Estreia sensacional de Diniz, Santos surpreende e vence o Boca

Fernando Diniz aceitou o duelo. E colocou seu novo time para encarar o Boca Juniors. De igual para igual, no ataque. Vitória da coragem. Santos 1 a 0

  • Cosme Rímoli | Do R7

Filipe Jonatan comemora o gol importantíssimo para a sobrevivência do Santos

Filipe Jonatan comemora o gol importantíssimo para a sobrevivência do Santos

Ivan Storti/Santos

São Paulo, Brasil

A estreia de Fernando Diniz não poderia ser melhor.

Com coragem, ele colocou o Santos para encarar o Boca Juniors, na Vila Belmiro. Era uma partida fundamental. A derrota poderia custar praticamente a eliminação do grupo C. 

E estava desfalcado do seu melhor jogador, Marinho. Mais o jogador que costuma dar equilíbrio ao meio-campo, Alison.

Mesmo desgastado fisicamente, o time se superou com o novo treinador e conseguiu, na sexta partida em 15 dias. E venceu por 1 a 0, lindíssimo gol de Felipe Jonatan.

Ressurgiu, assumindo a segunda colocação.

Conseguiu um resultado para recuperar a autoestima, abalada pela eliminação precoce no Paulista, duelando com o São Bento para não ser rebaixado.

O time foi ousado, vibrante.

Não se dobrou à maior posse de bola argentina.

E ainda não teve marcado um pênalti marcado pelo péssimo árbitro uruguaio Christian Ferreyra.

Izquierdoz tocou o braço na bola, interceptando a infiltração de Kaio Jorge na área, a um minuto do segundo tempo. Como na fase de grupos a Conmebol economiza, não havia VAR para avisar o incompetente juiz. E o time argentino foi beneficiado.

O pênalti não marcado a favor do Santos. Izquierdoz corta com o braço direito

O pênalti não marcado a favor do Santos. Izquierdoz corta com o braço direito

Reprodução/Fox Sports

Diniz estava uma pilha de nervos no banco de reservas.

E acabou expulso, junto com o treinador Miguel Ángel Russo.

Foi uma guerra, mas o Santos está vivo na Libertadores.

O clube havia perdido dois jogos na fase de ida dos grupos. Derrotado em casa pelo Barcelona de Guayaquil e também pelo Boca Juniors, em Buenos Aires. Havia vencido apenas o Strongest, na Vila Belmiro. Era a quarta partida e precisava desesperadamente vencer.

Diniz, que fez apenas um treinamento ontem, tratou de repetir a mesma equipe que venceu o São Bento, no domingo. O treinador não fez milagre. Usou o mesmo esquema de Marcelo Fernandes, que deixou os jogadores à vontade. E tratou de passar a motivação da chegada de um novo técnico.

Os jogadores santista se desdobraram em aplicação. Mesmo em desvantagem técnica, eles apelavam para a força física, a vibração, a velocidade. Os esquemas se espelhavam: 4 -3-3. 

O Boca Juniors que também não vive seu melhor momento financeiro, longe disso, tem uma equipe competitiva, aguerrida, mas sem potencial para brigar pelo título. E ainda muito dependente de Tevez.

Aos 37 anos, ele não é nem sombra do jogador que foi há 16 anos, quando atuou pelo Corinthians. Carlitos não tem mais a mesma explosão muscular, responsável por seus dribles, arranques, jogadas imprevisíveis.

O Boca tinha o domínio do jogo, mas não conseguia ultrapassar a forte marcação na intermediária santista. A grande exceção aconteceu aos seis minutos do primeiro tempo, quando Pavón, às costas de Felipe Jonatan, cruzou para Tevez cara a cara com João Paulo. Mas ele teve a coragem de chutar por cima do gol. 

A partida seguiu brigada, catimbada, com muitas entradas duras e discussões entre os jogadores. 

Até que aos 40 minutos, o Santos encaixou um contragolpe lindíssimo. Kaio Jorge recebeu de Pará e cruzou da direita. A bola chegou até Felipe Jonatan, que entrou na área driblando e chutou sem chances para Rossi. 1 a 0, Santos.

No segundo tempo, o Boca Juniors tentou adiantar ainda mais sua marcação. Mas o Santos estava muito bem compactado. Houve o pênalti claro, não marcado, de Izquierdoz.

A tensão do jogo contaminou os dois treinadores, que reclamavam, xingavam as decisões do árbitro. E acabaram expulsos ao mesmo tempo.

Fernando Diniz, muito nervoso, acabou expulso na sua estreia pelo Santos

Fernando Diniz, muito nervoso, acabou expulso na sua estreia pelo Santos

Reprodução/Fox Sports

O Santos passou os últimos 15 minutos sendo sufocado, mas faltava consciência, talento para o Boca Juniors. E, com muita luta, o novo time de Fernando Diniz conseguiu a vitória fundamental.

Como já foi eliminado do Paulista, Fernando Diniz poderá treinar, impor seu sistema de jogo.

Hoje, a vitória não foi tática.

Foi da vibração, do coração dos santistas.

O resultado foi sensacional.

Fez renascer o clube na Libertadores...

O primeiro dia de Fernando Diniz como técnico do Santos; veja fotos

Últimas