Logo R7.com
Logo do PlayPlus
Cosme Rímoli - Blogs
Publicidade

“Estamos sangrando. Somos reféns”, confirma, assustado, presidente do Corinthians. Revela dever salários. E não ter como segurar Carlos Miguel

Augusto Melo deu uma constrangedora entrevista coletiva. Deixou claro que clube pode perder Carlos Miguel. E assumiu que deve salários aos funcionários e direito de imagem aos jogadores. Além de ter perdido maior patrocínio máster da América Latina

Cosme Rímoli|Cosme RímoliOpens in new window

Augusto Melo diz não ter medo de impeachment

O constrangimento domina o Parque São Jorge.

Os efeitos da coletiva de Augusto Melo foram danosos ainda mais ao Corinthians.

Mostrou a falta de rumo do novo presidente.

A falta de recursos fez o dirigente tomar dinheiro emprestado do empresário que vendeu Matheuzinho ao clube.

Publicidade

Sua administração, que perdeu os R$ 370 milhões da patrocinadora Vai de Bet, está atolada em dívidas.

A ponto de dever direito de imagem aos jogadores.

Publicidade

E não pagar salários a funcionários.

A Polícia Civil segue investigando a intermediação de eventual ‘laranja’ no contrato rescindido por cláusula anti-corrupção.

Publicidade

O dirigente disse que não tem como garantir a permanência de Carlos Miguel, o substituto de Cássio.

Admitiu a perda de cinco membros de sua direção, o debilitando politicamente.

E buscou a desculpa mais fácil para a crise que pode custar o seu cargo.

O movimento pelo impeachment é real e cada vez maior.

“Quando o Cássio saiu foi uma surpresa. Um ídolo. Tentamos de tudo. Foi uma saída tranquila, é o que desejava. Foi perguntado sobre o que deixaria motivado aos 37 anos e ele respondeu sobre mudança de ares. Sabíamos do Carlos Miguel, conversávamos sobre renovação. Tivemos a tranquilidade de que estava tudo bem, mas não tinha o que fazer. Multa de 50 milhões de euros até 31/12 e depois 4 milhões de euros. Somos reféns. Se não querem renovar? Essa gestão vai trabalhar em parceria com a base para multas reais. Não ficaremos mais reféns. Ainda não pagaram multa. Existe conversa, barulho, mas até então está treinando e depende da comissão. Estamos nessa incerteza. Existe proposta, fizemos uma nova, o atleta nos interessa e não gostaríamos de perdê-lo. A forma como foi feita esse contrato nos assusta. Essas rotas que colocamos novamente. Precisa parar com isso. Precisam pensar na instituição.”

Só que o empresário Giuliano Bertolucci está acertando a ida de Carlos Miguel para o Nottingham Fortest.

Melo sabe muito bem disso.

Confrontado sobre a rescisão da Vai de Bet, por denúncia de existência de ‘laranja’, o uso indevido do nome de uma pessoa para receber a intermediação do contrato, Melo não foi nada direto. Acusou a oposição. E não entrou em detalhes.

“Sabem que a gestão resgata empresa, nomes, a torcida fiel que tem. Ficam fazendo com que as empresas se afastem do Corinthians para não termos êxito na gestão. Mas há quem ainda acredita e vai acreditar ainda mais. São só cinco meses de gestão. Se forem analisar o que já fizemos? É uma reformulação total e não aceitam. Mudamos de patamar, pegamos o clube numa situação pior que imaginávamos. Logo vocês vão saber a real situação. Montamos estrutura de reformulação, não é fácil. Imaginávamos um valor e é muito maior que todos imaginávamos. Mas com muito trabalho, diretoria competente e muito esforço, estamos mudando o patamar. Podem confiar que o Corinthians vai sair dessa.”

Sobre o movimento de impeachment ele faz questão de fingir desconhecimento.

“Não existe. Não tem motivo para isso. São cinco questões, nem penso nisso. Golpe ninguém vai dar. Fui eleito pelo voto popular do sócio, muito bem votado após dinastia de 16 anos que ninguém aguentava mais. Não vamos decepcionar. Erro, sim, mas cabe a nós ter humildade para corrigir. Impeachment não preocupa.”

Mas não é essa a postura de conselheiros da oposição e da situação que estão se juntando de forma inédita no Parque São Jorge.

Seis meses de gestão e a situação é calamitosa.

Os juros da dívida bilionária só aumentam.

O total de endividamento é de R$ 2,3 bilhões.

O empréstimo assumido pedido ao empresário de Matheuzinho, R$ 4 milhões, pode ser até maior.

E chegar a R$ 10 milhões.

O constrangimento ficou à beira do insuportável quando ele revelou aos atletas que seguiria devendo os direitos de imagem.

“Estamos sangrando, mas honrando compromissos. Chamei os atletas, conversei e até me arrepiou porque eles disseram que estavam fechados comigo. Nunca neguei meu telefone para ninguém, liga que vou esclarecer qualquer dúvida. Meu perfil é olhar na cara, comigo não tem mentira. Isso aqui é minha vida depois da minha família. Vamos tirar o clube dessa.”

Augusto Melo se complicou muito mais depois dessa entrevista.

Mas falou uma verdade o Corinthians se tornou refém.

De sua péssima administração.

O que dá força aos opositores que mandaram no clube por 17 anos...





Os textos aqui publicados não refletem necessariamente a opinião do Grupo Record.

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.