Logo R7.com
Logo do PlayPlus
Cosme Rímoli - Blogs
Publicidade

Convocação de Diniz deixa claro. Seleção Brasileira está, de novo, aos pés de Neymar. Paquetá, investigado, ficou fora

Primeira convocação de Diniz. Conservadora. E com a grande aposta em Neymar. Copiando a Argentina. Paquetá de fora. Por conta da investigação de apostas na Inglaterra

Cosme Rímoli|Do R7 e Cosme Rímoli


Como o blog antecipou, Diniz tentará reproduzir na seleção com Neymar a postura de Messi na Argentina
Como o blog antecipou, Diniz tentará reproduzir na seleção com Neymar a postura de Messi na Argentina

São Paulo, Brasil

Goleiros: Alisson (Liverpool), Bento (Athletico), Ederson (Manchester City).

Laterais: Danilo (Juventus), Vanderson (Monaco); Caio Henrique (Monaco) e Renan Lodi (Marselha).

Zagueiros: Ibañez (Al-Ahli), Gabriel Magalhães (Arsenal), Marquinhos (PSG) e Nino (Fluminense).

Publicidade

Meio-campistas: André (Fluminense), Bruno Guimarães (Newcastle), Casemiro (Manchester United), Joelinton (Newcastle) e Raphael Veiga (Palmeiras).

Atacantes: Antony (Manchester United), Gabriel Martinelli (Arsenal), Matheus Cunha (Wolverhampton), Neymar (Al-Hilal), Richarlison (Tottenham), Rodrygo (Real Madrid) e Vini Jr. (Real Madrid).

Publicidade

Essa foi a lista da primeira convocação de Fernando Diniz como técnico da seleção brasileira.

Lista que pode chamar a atenção de muitos, por constarem os nomes de Nino e André, zagueiro e volante do Fluminense, clube que o treinador comanda junto com a seleção.

Publicidade

Mas são convocações que não merecem grande discussão. Serão dois reservas.

O que chama atenção é, como o blog havia antecipado, o retorno de Neymar à seleção brasileira, depois do fracasso no Catar.

Diniz fez questão de conversar com ele e deixou claro ao jogador que o plano será idêntico ao que a Argentina fez com Messi na última Copa.

O treinador interino, que tem enorme chance de chegar até os Estados Unidos, fará o time atuar tendo Neymar como referência. Pouco importa se ele estará em uma liga fraca do futebol mundial, a da Arábia Saudita.

O jogador garantiu que, se sentir que o treinamento do Al-Hilal é fraco, ele terá seu preparador físico particular para compensar. 

Diniz o quer como grande líder do Brasil.

Ele o vê, inclusive, como capitão da seleção nos Estados Unidos.

Ter o sonho de levantar a taça de campeão mundial é um grande estímulo para o midiático jogador.

"De fato, o Neymar externou todas essas coisas, o desejo de a gente trabalhar junto e lá no início a vontade de repensar a participação dele na seleção. Conversei com ele recentemente, e ele se mostrou muito disposto, extremamente feliz pela oportunidade de a gente construir uma história aqui na seleção. Vocês já sabem o que penso em relação a ele, mas vou repetir: é um jogador que é muito difícil aparecer outro. Um talento muito raro do futebol mundial e merece até o final de sua carreira, pelo imenso talento que ele tem, escrever o capítulo mais bonito da sua história. Que para mim ainda não foi escrito."

O segundo nome que vale a pena destacar é o de Paquetá. O meia estaria na lista divulgada hoje. Foi cortado por conta de investigações de envolvimento em apostas na Premier League. Não o próprio jogador, mas parentes do meia podem ter apostado em partidas de que Paquetá participou.

O Manchester City, que, a mando de Guardiola, estava tentando contratá-lo, desistiu. Até que as investigações sejam completadas.

Essa é a mesma postura da CBF.

Diniz o tirou da lista e colocou Raphael Veiga, do Palmeiras.

Paquetá assegurou à CBF que provará sua inocência.

A lista para os primeiros jogos da seleção nas eliminatórias, contra a Bolívia, em Belém, e diante do Peru, em Lima, foi conservadora.

Sem grandes surpresas.

Bento ganha a vaga de terceiro goleiro de Weverton, por jogar melhor com os pés e por ser mais jovem.

Diniz não quis ousar por conta da necessidade de resultados. Ele se conteve porque, no planejamento da CBF, o Brasil tem que disparar na classificação à Copa de 2026 e resgatar a credibilidade da seleção, muito abalada com os fracassos desde 2006.

Com esse elo entre Diniz e Neymar se mostrando forte, o treinador pode, sim, ficar. Na Espanha, não há nenhuma confirmação de que Carlo Ancelotti deixará mesmo o Real Madrid em junho de 2024.

Diniz está muito animado com a possibilidade.

E promete colocar o Brasil para atuar de forma ofensiva, seguindo o pedido do presidente Ednaldo Rodrigues.

O Brasil sofreu a reformulação esperada.

Veteranos como Thiago Silva, Everton Ribeiro e, pelo jeito, Weverton não serão chamados. Daniel Alves, por motivos óbvios (sua idade e prisão), também não veste mais a camisa da seleção.

Neymar viaja para a Arábia Saudita no avião do príncipe

Os textos aqui publicados não refletem necessariamente a opinião do Grupo Record.

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.