Corinthians

Cosme Rímoli Corinthians imita Palmeiras. E dispensa 45 jogadores

Corinthians imita Palmeiras. E dispensa 45 jogadores

O clube decidiu seguir o exemplo do rival. E promove a mesma revolução no elenco feita no Palestra Itália, em 2015

  • Cosme Rímoli | Do R7

Mancini, responsável pela peneira. 45 jogadores não serviam. Descartados pelo Corinthians

Mancini, responsável pela peneira. 45 jogadores não serviam. Descartados pelo Corinthians

Rodrigo Coca/Corinthians

São Paulo, Brasil

"Eu merecia o impeachment."

"Não queriam me dar um impeachment para cima e para baixo?"

"Esse era um motivo. Lógico que era."

"Como o presidente contrata um jogador com 27 anos para o sub-23?"

"Faz contrato, paga salário."

"Tinha que ter impeachment."

"Mas eles achavam que impeachment era o déficit do balanço."

Essa foi a gravíssima confissão de Andrés Sanchez ao terminar seu quarto mandato na presidência do Corinthians.

A situação, que aconteceu em 2019, foi irreal.

"Ele (Franzinho) sempre esteve na base no Corinthians. No começo era só para treinar (no sub-23). Depois o pai pressionou para ter contrato, depois pressionou para ter salário, depois para ser titular. Aí passou do limite."

'Franzinho' é filho de Fran Papaiordanou, conselheiro do clube e amigo de décadas de Andrés.

O caso ilustra o caos que dominava o futebol do Corinthians nos últimos anos. 

Com o dinheiro comprometido com o pagamento da arena, o clube apelava para contratar jogadores baratos de qualquer maneira. Como na situação revelada por Andrés no final de mandato ao ge.

Seu sucessor, Duílio Monteiro Alves, sabia do caos que encontraria no futebol, já que comandava o setor, enquanto Andrés presidia.

E, ao lado de Roberto de Andrade, com a bênção do ex-presidente, Duílio esperou apenas terminar o Brasileiro. Garantir que o clube não fosse rebaixado, já que esta ameaça pairava no ar, e autorizo Vagner Mancini a promover uma enorme revolução no futebol para esta temporada.

Matheus Davó já voltou ao Guarani, emprestado. Mancini não o aprovou

Matheus Davó já voltou ao Guarani, emprestado. Mancini não o aprovou

Rodrigo Coca/Agência Corinthians

Ninguém assumirá publicamente no Parque São Jorge.

Mas o modelo seguido pelo Corinthians é o Palmeiras.

Em dezembro de 2014, quando passou a usufruir, de verdade, da nova arena, dispensou 15 jogadores. E passou a investir nos profissionais, com mais visibilidade, e, de maneira mais forte, só que sem chamar tanta atenção, na base.

A partir deste ano, Duílio terá dinheiro que Andrés não teve. Por conta do novo acerto para o pagamento do estádio. Parte da arrecadação ficará no clube, não irá direto para a Caixa Econômica Federal, que emprestou o dinheiro para o surgimento da arena.

Lógico que o dinheiro só chegará com o fim da pandemia da covid, com a volta dos torcedores para o estádio.

Só que a reformulação no elenco não poderia esperar.

O primeiro passo corintiano, igual ao feito pelo planejamento do principal rival, foi dispensar jogadores limitados.

Walter, eterno reserva de Cássio, foi para o Cuiabá, emprestado. Mas não voltará mais

Walter, eterno reserva de Cássio, foi para o Cuiabá, emprestado. Mas não voltará mais

Cuiabá

Na base e no profissional.

Depois, investir em garotos de grande potencial.

E mesclá-los com profissionais de bom nível.

Ir formando um elenco realmente selecionado e forte.

Não apenas acumulando atletas baratos e fracos.

Alguns até com influência de conselheiros, como foi o caso de Franzinho.

O clube acaba, de maneira discreta, de se livrar de 45 atletas.

Entre jogadores profissionais e da categoria sub-23.

Dispensando ou emprestando.

O quebra-cabeças foi montado. 

E é assustador.

Desde o começo da gestão de Duílio, foram dispensados do time principal: Marllon, Sidcley, Boselli,  Marciel, Renê Júnior, Luidy e Carlinhos.

Da equipe sub-23, nada menos do que 19 jogadores.

Eugênio, Diego, Matheus, Ronald, Renan, João, Lucas, Rodrigo, Adriel, Rafinha, Facundo, Daniel, Diogo, Dimitri, Maxell, Colmán, Gabriel Silva, Yuri, Walisson.

Everaldo também não terá mais chances. Só treina esperando um novo clube

Everaldo também não terá mais chances. Só treina esperando um novo clube

Daniel Augusto/Agência Corinthians

Acabaram emprestados os profissionais: Walter e Jonathan Cafu (Cuiabá), Matheus Alexandre e Thiaguinho (Internacional de Limeira), Caetano (São Caetano), Ederson (Fortaleza), Sornoza (Tijuana), Madson (Santa Cruz), Janderson (Atlético Goianiense), Rafael Bilu (Mirassol) e Matheus Davó (Guarani).

Do time sub-23, Warian (São Caetano), Emerson Souza (Coimbra, Minas Gerais) e Gabriel Lima (Metropolitano, Santa Catarina).

Além deles, estão fora dos planos e não jogarão mais no Corinthians, os profissionais: Michel Macedo, Matheus Jesus, Fessin, André Luiz e Everaldo.

Estão dispensados.

O levantamento foi feito pelo site especializado no clube, Meu Timão.

A folha salarial, mesmo com o elenco muito fraco em 2020, era de R$ 15 milhões mensais.

Depois dessa dispensa em massa, a economia pode chegar a R$ 4 milhões.

Com o detalhe que o clube terá de bancar os salários de alguns atletas, emprestados a equipes pequenas.

Desde que Duílio Monteiro Alves assumiu, nenhum atleta foi contratado.

Apesar dele ter uma longa lista de reforços, sugeridos por Vagner Mancini.

A esmagadora maioria de atletas promissores e jovens. 

Jogadores que podem ser vendidos com lucro.

E eles deverão chegar, de forma lenta, certeira.

O importante agora era dispensar quem não servia.

E deixar claro a conselheiros e membros da diretoria.

Chega de interferências no futebol do clube.

Como fez Fran Papaiordanou com Andrés.

Colocar um jogador de 27 anos no sub-23.

Exigir salário e pressionar que fosse titular.

Duílio avisa que esses absurdos acabaram...

Veja o ranking dos 40 clubes com os elencos mais valiosos do Brasil

Últimas