Cosme Rímoli Brasil se impôs. Venceu o Paraguai. Seleção vai jogar a Copa América

Brasil se impôs. Venceu o Paraguai. Seleção vai jogar a Copa América

Neymar foi o nome do jogo. Marcou um gol e deu a assistência para Paquetá. O Paraguai foi um adversário esforçado, mas muito fraco tecnicamente. Marquinhos confirmou que jogarão Copa América

  • Cosme Rímoli | Do R7

Neymar, oportunista, marcou o primeiro gol. E deu assistência a Paquetá, no segundo

Neymar, oportunista, marcou o primeiro gol. E deu assistência a Paquetá, no segundo

Lucas Figueiredo/CBF 08.06.21

São Paulo, Brasil

Marquinhos, hoje capitão da seleção, confirmou.

O Brasil vai disputar a Copa América.

Colocando fim ao suspense.

E, de maneira surpreendente, mostrando o recuo dos atletas.

"Em momento algum os jogadores negaram vestir essa camisa. É o nosso sonho de criança e é nosso maior orgulho vestir a camisa da seleção brasileira", disse o zagueiro.

O motivo do recuo na determinação de não jogar a Copa América dos atletas é não correr o risco de ficar de fora da Copa do Mundo, em 2022, no Qatar.

Dentro do gramado, o Brasil cumpriu sua obrigação.

Muito superior tecnicamente, o time de Tite venceu o limitado Paraguai, em Assunção, por 2 a 0, gol de Neymar, logo aos três minutos do primeiro tempo, depois de ótima jogada de Gabriel Jesus. Lucas Paquetá marcou aos 48 minutos do segundo tempo.

Mas outra vez não mostrou futebol empolgante. Muito pelo contrário. A equipe foi instável. No primeiro tempo, dominou, encurralou o time de Eduardo Berizzo. Poderia até ter feito mais gols.

Só que no segundo tempo, Tite recuou a equipe. Parou de atacar, reforçou a marcação, buscou apenas o contragolpe. Diminuiu o ritmo buscando poupar os jogadores para a disputa da discutida Copa América, no domingo.

E foi assim que, aos 48 minutos, Neymar deu excelente passe para Paquetá bater cruzado, vencendo Antony Silva. 2 a 0.

Lucas Paquetá confirmou a vitória importante. Para mostrar a superioridade na América do Sul

Lucas Paquetá confirmou a vitória importante. Para mostrar a superioridade na América do Sul

Lucas Figueiredo/Divulgação/CBF

A partida foi excelente para os estatísticos. O Brasil quebrou um tabu de 35 anos sem vencer os paraguaios em Assunção. Neymar chegou a 66 gols pela seleção, segundo maior artilheiro, 11 atrás de Pelé. Em compensação, alcançou Romário e Zico, com 11 gols. Os três são os maiores artilheiros da seleção na história das Eliminatórias. 

A seleção brasileira chegou a 18 pontos, seis vitórias em seis partidas. Lidera fácil as Eliminatórias, já abrindo seis pontos para a segunda colocada, a Argentina.

Tite começou a partida com alterações em relação à partida contra o Equador. Gabriel Jesus no lugar de Gabigol. Roberto Firmino na vaga de Lucas Paquetá. O atacante do Manchester City entrou muito bem no jogo, veloz, brigador, buscando a bola, não esperando, fixo, como fez Gabigol.

Em compensação, Roberto Firmino estave perdido em campo. Não foi o meia que Tite sonhava. 

Mas a partida foi facilitada pela falta de concentração do sistema defensivo paraguaio. O time começou o jogo dando espaço demais ao Brasil.

O 4-5-1 articulado foi desmanchado de forma fácil demais, quando Gabriel Jesus rompeu a área pela direita e cruzou, Richarlison furou e Neymar, acompanhando a jogada, colocou no fundo das redes de Antony Silva. 1 a 0.

A reação ao gol, marcado logo aos três minutos, foi sintomática. Os paraguaios recuaram suas linhas, com medo de serem goleados. O Brasil passou a ter o domínio completo do jogo. O time trocava bem a bola na intermediária, mas faltava objetividade no passe final, nas conclusões.

O Paraguai só assustou em um chute esporádico, e lindíssimo, de Alderete, da entrada da área, que obrigou Ederson, titular hoje, a uma excepcional defesa, aos sete minutos.

Fred outra vez foi muito mal. A aposta de Tite para atuar ao lado de Casemiro não deu certo. De novo. Já havia sido assim contra o Equador. Dava muito espaço na marcação e tinha passes lentos, não dava a intensidade que o time precisava. Essa posição é uma carência importantíssima do Brasil.

Em compensação, o Paraguai só levava perigo em bolas paradas, escanteios e faltas laterais. Repertório paupérrimo. Cada vez fica mais evidente a fragilidade dos rivais sul-americanos.

Neymar fez uma ótima partida. Sem medo dos paraguaios, tomou vários pontapés e seguiu driblando, partindo para cima dos marcadores, com coragem. Jogou em benefício do time. Não quis apenas dar show particular.

Jogadores decidiram disputar a Copa América. Preocupação em ficar fora da Copa do Mundo

Jogadores decidiram disputar a Copa América. Preocupação em ficar fora da Copa do Mundo

@CBF/LucasFigueiredo

No segundo tempo, Tite tratou de segurar seus jogadores. Recuar a marcação. Diminuir o ritmo da partida. Não corria riscos. Eduardo Berizzo sabia que era uma armadilha, já que o Brasil buscaria contragolpes em velocidade.

O Paraguai atacou um pouco mais, sem loucura. 

O jogos seguiu controlado pelo Brasil.

Até que, aos 48 minutos, Neymar invadiu o sistema defensivo paraguaio e serviu para Lucas Paquetá bater com consciência. 

2 a 0, Brasil.

Seleção disparada na busca pela classificação para a Copa.

Muito acima tecnicamente dos rivais.

Mas, a partir desta quarta-feira, o assunto será Copa América.

Que o time principal aceitou jogar...

Neymar pode passar Pelé: Veja os maiores artilheiros da seleção

Últimas