Cosme Rímoli Agüero escolheu viver. Problemas cardíacos obrigam a abandonar o futebol. E o sonho da vida: o Barcelona

Agüero escolheu viver. Problemas cardíacos obrigam a abandonar o futebol. E o sonho da vida: o Barcelona

O atacante da Seleção Argentina e do Barcelona não teve opção. Problemas cardíacos impediram que seguisse jogando futebol. A aposentaria foi obrigatória, aos 33 anos, no clube que amava

  • Cosme Rímoli | Do R7

O sonho de jogar no Barcelona durou menos de sete meses. O coração não deixou ir adiante

O sonho de jogar no Barcelona durou menos de sete meses. O coração não deixou ir adiante

REUTERS/Albert Gea - 15/12/2021

São Paulo, Brasil

"Essa coletiva é para comunicar que estou parando de jogar futebol profissional. São momentos muito difíceis, mas ainda estou muito feliz com a decisão que tomei. Em primeiro lugar está a minha saúde por causa do problema que tive há um mês."

A Argentina entrou na mais profunda tristeza.

Aos 33 anos, Sérgio Agüero, jogador do Barcelona e da Seleção Argentina anunciou a sua aposentadoria. Forçada, por problemas cardíacos.

O roteiro é triste, de verdade.

Desde a infância, ele acalentava o sonho de jogar pelo Barcelona.

O apelido "Kun" veio graças a um desenho japonês, que adorava.

Com um talento incrível para finalização, com visão de área também para servir os companheiros de time, Agüero logo se destacou no Independiente. De lá, para o Atlético de Madrid. Depois para o Manchester City, que ganhou um leilão com Juventus, Manchester United. Depois de fazer história com o time de Guardiola, o sonho.

Em maio deste ano, chegou ao Barcelona.

A contratação foi festejada.

Sua carreira, com 21 títulos e mais de 400 gols, era o prenúncio de gols. Estava animadíssimo com a dupla que esperava fazer, por anos, com Messi. Mas o maior jogador de futebol de todos os tempos, deixou o clube catalão em agosto.

E o sonho se tornou pesadelo.

Não só pelo elenco fraco que o gigante Barcelona montou. Mas porque, contra o Alavés, ele teve de pedir substituição. Não conseguia suportar a aceleração do coração. O argentino foi diagnosticado com arritmia, que poderia colocar em risco sua vida, participando de um esporte de alta exigência.

A decisão pela aposentadoria foi inevitável.

Como aconteceu com Casillas, Eriksen, Washington, Doni, Muamba e outros atletas.

O que vem ocorrendo é que os exames médicos estão cada vez mais detalhados. O que possibilita a prevenção. E força o final de carreira, para evitar a possibilidade de infartos, mortes.

"Eu estava nas mãos dos médicos e eles me disseram que o melhor era parar de jogar. Tomei a decisão há 10 dias. Fiz todo o possível para ver se havia esperança, mas não havia muita esperança", disse, Agüero, chorando, na coletiva, ao lado de todo o elenco do Barcelona.

Foi pungente, triste, desolador.

Mas que serve de alerta.

O futebol exige cada vez mais dos jogadores.

Os exames constantes são obrigatórios.

Seja a divisão que for.

Sergio "Kun" Agüero fez a única opção possível.

Escolheu viver...

Campeão, Atlético-MG tem a maior média de público do Brasileirão

Últimas