Cosme Rímoli A Puma promete levar o Palmeiras para o mundo

A Puma promete levar o Palmeiras para o mundo

Se tornar o clube brasileiro mais conhecido no planeta. Exclusividade. Muito dinheiro. Os argumentos para virar as costas para a Adidas, depois de 12 anos

Os ambiciosos planos do Palmeiras com a Puma

Esta é uma das muitas versões de camisas palmeirenses com o logotipo Puma

Esta é uma das muitas versões de camisas palmeirenses com o logotipo Puma

Reprodução Twitter

Tornar o Palmeiras o clube brasileiro mais conhecido no Exterior, nos próximos três anos.

Esse foi o desafio que fez Mauricio Galiotte dispensar a Adidas, depois de 12 anos como fornecedora do clube.

E assinar com a Puma um contrato de 2019 a 2022.

Dispensando até assédio da também poderosa Nike.

A escolha ficou por conta do clube.

Galiotte exigiu e conseguiu itens raros para uma equipe deste país, diante das gigantes multinacionais.

O primeiro foi exclusividade no Brasil.

Não queria nenhum outra equipe vestida pela Puma. 

A empresa alemã, com patrimônio de 4,1 bilhões de euros, cerca de R$ 16 bilhões, aceitou. Não por acaso. Avisou aos dirigentes que enxergam o Palmeiras como o clube com maior potencial de crescimento na América do Sul.

Estudos deixam claro que as receitas possibilitadas pela nova arena, o patrocínio milionário da Crefisa, a estabilidade do plano de sócios-torcedores. Apesar de serem os terceiros, atrás de Grêmio e Corinthians, a constância no pagamento das mensalidades é maior do que os rivais. O que faz com que qualquer jogo importante na arena tenha o estádio lotado de sócios torcedores.

Independência para fechar contrato na tevê a cabo com o grupo bilionário Turner, dono do Esporte Interativo. Capacidade de recusar castigo da Globo, aceitando receber 20% menos, por ter assinado com o EE, como se sujeitou o Santos.

E planos para, em um futuro próximo, talvez em 2025, transmitir seus próprios jogos.

Tudo isso seduziu a Puma.

Títulos serão fundamentais para o crescimento da marca Palmeiras no mundo

Títulos serão fundamentais para o crescimento da marca Palmeiras no mundo

Agência Palmeiras

A ponto de a empresa germânica decidir que, a partir de 2019, terá um escritório de marketing no Brasil só para definir estratégias para sua aliança com o Palmeiras. Há a certeza que a última pesquisa profunda em relação aos torcedores no Brasil está completamente defasada. Ela foi feita pelo Ibope. E mostrava o Flamengo em primeiro, com 32 milhões, o Corinthians, em segundo, com 23 milhões, o São Paulo, com 13 milhões. E os palmeirenses,em quarto, com 10 milhões.

Só que estes números são de 2014.

Muitas coisas mudaram nestes quatro anos.

E a projeções apontam que seguirão favoráveis ao Palmeiras nos próximos três anos, no Palestra Itália.

O Ibope deverá fazer uma nova pesquisa este ano. E há a certeza no Palestra Itália que o clube já ultrapassou o rival São Paulo. E é o terceiro no país. E que a diferença para o Corinthians e Flamengo diminuiu.

Se o Ibope não fizer, o próprio clube deverá fazer a sua pesquisa nacional.

O que impressionou à Puma foi que, apesar de ter o ingresso mais caro do país, os palmeirenses são os maiores mandantes. Mantêm a arena mais cheia durante toda a temporada. Esse potencial financeiro não foi desprezado. Muito pelo contrário.

Por contrato, a Puma terá a obrigação de colocar camisas palmeirenses em todas suas lojas do mundo. Ao lado dos uniformes do Milan-, Olympique de Marselha, Arsenal, e Borussia Dortmund e seleções da Itália, Suíça, Áustria, Camarões, Costa do Marfim, Gana, República Tcheca e Senegal.

O foco do Brasil para a Puma será o Palmeiras. A promessa é potencializar a marca. Trabalhar a sério a imagem do clube no Exterior. Tornar o clube brasileiro mais conhecido no mundo. Equipes populares internacionalmente como Santos, graças a Pelé, Corinthians e Flamengo, nunca levaram a sério esse trabalho.

Galiotte conseguiu tudo o que queria da Puma. Os sonhos são ambiciosos

Galiotte conseguiu tudo o que queria da Puma. Os sonhos são ambiciosos

Palmeiras

Financeiramente, a empresa pagará R$ 25 milhões por ano ao clube, R$ 5 milhões a mais do que pagava a Adidas. Só que oferecerá uma porcentagem muito maior nos uniformes do Palmeiras que forem vendidos. A previsão é que, no mínimo, chegará R$ 30 milhões. Ou seja, metade a mais do que o clube recebia. Este foi o argumento primordial que convenceu Galiotte à troca de fornecedor de material esportivo.

A projeção de conquistas nestes três anos é otimista.

Porque para o plano da Puma, de tornar o Palmeiras o clube nacional mais conhecido no planeta, vencer Brasileiros, Copa do Brasil é importante. Mas fundamental é a conquista da Libertadores. O Palmeiras precisa voltar ao menos a disputar Mundial. Se vencer, melhor ainda.

Porque assim, garantirá excursões à Europa e Ásia, para manter a engrenagem mercadológica funcionando.

Galiotte assegurou à Puma que a filosofia de contratações seguirá.

O Palmeiras continuará montando as melhores equipes do país.

Continuará buscando ídolos, inclusive internacionais, para vender muitas camisas.

Com popularidade para campanhas publicitárias.

O acordo tem três anos.

Com a Puma tendo preferência pelos próximos três.

Por isso, depois de 12 anos, o clube virou as costas para a Adidas.

Os planos palmeirenses seguem cada vez mais ambiciosos...

As ações de marketing do Palmeiras prometem ser muito mais profissionais

As ações de marketing do Palmeiras prometem ser muito mais profissionais

Reprodução Twitter