Cosme Rímoli A maior rejeição na carreira de Cuca. Por condenação por estupro. Torcedoras protestarão hoje, quando ele assumir como técnico do Corinthians

A maior rejeição na carreira de Cuca. Por condenação por estupro. Torcedoras protestarão hoje, quando ele assumir como técnico do Corinthians

Nas redes sociais, a revolta foi muito maior do que o presidente Duílio Monteiro Alves esperava. Organizadas não aceitam Cuca como treinador. E mulheres prometem protestar contra Cuca no CT Joaquim Grava

  • Cosme Rímoli | Do R7

A diretoria do Corinthians não esperava uma rejeição tão grande a Cuca. Protesto na apresentação hoje

A diretoria do Corinthians não esperava uma rejeição tão grande a Cuca. Protesto na apresentação hoje

Reprodução/Twitter

São Paulo, Brasil

A maior rejeição em 25 anos de carreira.

Cuca jamais teve de conviver com tamanha onda de protestos por parte de torcedores de um clube pelo qual foi contratado.

Ao ser anunciado ontem como técnico do Corinthians, apenas 40 minutos depois de Fernando Lázaro ser demitido, a reação começou.

A revolta se deu porque o clube está marcado por uma campanha publicitária de março de 2018.

O time principal estampava a seguinte frase no peito: "Respeita as Minas".

Era uma advertência ao assédio sexual.

O clube acabou rotulado como o mais preocupado com o bem-estar, com a segurança, com o respeito com as mulheres no país.

Daí a reação em cadeia na internet de torcedores rejeitando a contratação do treinador.

Por um motivo complicado.

Em 1987, o Grêmio excursionava pela Europa. Cuca era meio-campista do time gaúcho. Ele e três companheiros, Eduardo Hamester, Henrique Etges e Fernando Castoldi, foram detidos em Berna, na Suíça. Pela acusação de terem tido relações sexuais com uma garota de 14 anos. E sem consentimento.

Eles foram soltos e voltaram ao Brasil, mas o processo continuou.

E, em 1989, foram condenados a 15 meses de prisão.

Por estupro.

Direção do Corinthians não esperava tamanha rejeição em relação a Cuca
Direção do Corinthians não esperava tamanha rejeição em relação a Cuca Corinthians

Nenhum dos quatro passou nem sequer um dia na cadeia.

Porque jamais retornaram à Suíça.

E a sentença prescreveu.

Cuca sempre alegou ser inocente.

Apesar de alguns protestos esporádicos, só na volta ao Atlético Mineiro, em 2021, ele teve de enfrentar questionamentos e rejeição por causa do estupro pelo qual que foi condenado.

Porque houve um crescimento de reconhecimento dos abusos sofridos por mulheres.

Mas a postura da direção do clube de Belo Horizonte foi mantê-lo no cargo. E esperar acabar a pequena onda de protestos. 

Cuca trabalhou normalmente no Atlético e saiu porque quis, depois da terceira passagem, em novembro de 2022.

Ele tinha esperança de suceder a Tite na seleção.

Mas o sonho acabou não por causa de seu currículo.

Afinal, venceu a Libertadores e foi duas vezes campeão brasileiro e da Copa do Brasil.

Mas já a questão de condenação por estupro o deixava fora do páreo.

Cuca foi cogitado em vários clubes desde novembro de 2022. As sondagens se sucederam. Botafogo, Coritiba, Vasco.

Até que houve o acerto com o Corinthians.

Empresários o ofereceram a Duílio Monteiro Alves, que já estava disposto a demitir Fernando Lázaro, admitindo o erro infantil que foi colocá-lo sem a menor experiência como treinador do Corinthians. Ele era analista de desempenho. 

Duílio cedeu à sugestão de Tite.

E pagou o preço.

Bastaram 17 jogos. A eliminação nas quartas de final do Campeonato Paulista. O risco enorme de eliminação na Copa do Brasil, depois de derrota por 2 a 0 para o Remo. E a derrota diante do Argentino Junior, deixando o clube em situação difícil na Libertadores, e a pressão da maior organizada, a Gaviões, para a demissão. Fernando Lázaro perdeu o emprego.

E Cuca foi anunciado 40 minutos depois.

Duílio estava muito feliz porque teria um treinador vivido, experiente, com autoridade para comandar o vibrante Corinthians, o que o presidente esperava. Ainda mais com a quase certeza de que ficará mais dois meses sem Renato Augusto, que se recupera de cirurgia no joelho direito.

A primeira partida dele como técnico será contra o Goiás, em Goiânia, no domingo (23).

Mas vieram os protestos.

E não só dos torcedores comuns.

Várias organizadas, Camisa 12, Pavilhão 9, Estopim da Fiel, Fiel Macabra e Coringão Chopp, se posicionaram oficialmente contra a contratação.

Só que a situação tende a piorar.

Desde ontem à tarde está sendo combinado um encontro de torcedoras do Corinthians, em frente ao CT Joaquim Grava, hoje, às 17 horas.

A apresentação oficial de Cuca está marcada, com direito a entrevista coletiva, para as 17h30. 

As mulheres prometem fazer um ato de repúdio à contratação.

A nota oficial é duríssima.

"FORA CUCA! TORCEDORAS DO CORINTHIANS REPUDIAM CONTRATAÇÃO DO TÉCNICO

"Nós, torcedoras do Corinthians, fomos pegas de surpresa na tarde de 20 de abril, com o anúncio da contratação de Cuca como técnico do time do povo.

"Para quem não recorda ou não sabe, Cuca e mais alguns jogadores, foram condenados a 15 meses de prisão, em um caso de estupro a uma menor, quando estava na Suíça, em 1987. Cuca fugiu do país para não ser preso, e nunca mais voltou para lá. Até 2004, ele não podia sequer visitar o país. Hoje o crime está prescrito.

"Nós, que somos representantes do povo, time dos excluídos, em 2020, quando vimos o Santos anunciar a contratação de Robinho, ficamos indignadas e pensamos que tal fato jamais aconteceria no Corinthians.

"Mas eis que hoje o nosso time anuncia a contratação de um homem acusado e condenado por estupro. Não nos interessa se o crime prescreveu ou não, o que está em jogo é o nome e a história do Corinthians.

"Não iremos aceitar que o comando do nosso time seja entregue nas mãos de uma pessoa que carrega em seu currículo o histórico de abuso sexual.

#Fora Cuca."

A segurança será reforçada hoje no Centro de Treinamento.

A direção do Corinthians não esperava uma reação tão forte à contratação.

Muito menos Cuca...

Troca de técnicos e elenco envelhecido: os 7 erros de Duílio no Corinthians

Os textos aqui publicados não refletem necessariamente a opinião do Grupo Record.

Últimas