Cosme Rímoli A dignidade de Rogério Ceni prevaleceu. Não foi buscar o absurdo prêmio de melhor técnico. Sabia que era de Abel Ferreira

A dignidade de Rogério Ceni prevaleceu. Não foi buscar o absurdo prêmio de melhor técnico. Sabia que era de Abel Ferreira

O treinador do São Paulo acabou exposto, por conta da votação antecipada dos melhores do Paulista. Depois da humilhante goleada de 4 a 0 do Palmeiras, sabia que o prêmio era de Abel Ferreira. Não foi. Evitou o vexame

  • Cosme Rímoli | Do R7

Rogério Ceni acabou exposto em uma votação absurda. Ele não foi receber o prêmio de melhor técnico

Rogério Ceni acabou exposto em uma votação absurda. Ele não foi receber o prêmio de melhor técnico

JEFFERSON DE AGUIAR/ESTADÃO CONTEÚDO

São Paulo, Brasil

Para garantir a presença dos premiados, a FPF convida os jogadores e técnicos escolhidos para a seleção do Paulista.

O convite chega antecipado, para que o atleta e sua família se programem para a festa que costuma acontecer na segunda-feira, logo após o término do torneio.

Os capitães e os treinadores dos clubes que disputam o torneio são os eleitores.

Por uma questão de organização, os votos, que começaram a chegar após as semifinais, foram computados após a primeira partida final.

A que o São Paulo venceu com toda a facilidade o Palmeiras, no Morumbi, por 3 a 1.

Após aquela noite, apostando na sua sinceridade, até Abel Ferreira deve ter votado em Rogério Ceni como o melhor treinador do Paulista, até pela euforia do jogo.

Estes foram os premiados, ontem:

Weverton (Palmeiras); Rafinha (São Paulo), Léo Ortiz (Bragantino), Gustavo Gómez (Palmeiras) e Luan Cândido (Bragantino); Danilo (Palmeiras), Renato Augusto (Corinthians) e Raphael Veiga (Palmeiras); Dudu (Palmeiras), Artur (Bragantino) e Calleri (São Paulo). Técnico: Rogério Ceni.

Calleri, autor de dois gols na primeira final, foi escolhido como o "Craque da Galera", eleito pelos torcedores.

Veio o segundo jogo.

E a desmoralização, principalmente, da escolha de melhor treinador.

A injustiça já era enorme com a escolha de Ceni, mesmo com o São Paulo vencendo o Palmeiras no primeiro jogo da decisão.

Seleção do Paulista. Sem o treinador. Rogério Ceni teve bom senso de evitar o vexame

Seleção do Paulista. Sem o treinador. Rogério Ceni teve bom senso de evitar o vexame

Alexandre Battibuglo/Agência Paulistão

Se tornou gritante com a goleada por 4 a 0 que o time de Abel Ferreira impôs, e o Palmeiras foi campeão paulista.

O convite a ir à festa como melhor treinador do Campeonato Paulista chegou a Rogério Ceni.

Mas o treinador, em um ato de extremo bom senso, e dignidade, não foi até o Espaço das Américas.

Não compactou com a precipitada escolha, que repercutiu em todo o Brasil. As redes sociais ironizaram a escolha e atacaram o técnico do São Paulo, que não teve nada a ver com a votação.

Ele não recebeu o troféu.

Foi até uma homenagem a Abel Ferreira.

Caso semelhante aconteceu em 2002, quando houve a votação do melhor jogador da Copa do Mundo. A escolha foi feita antes da final: o goleiro alemão Oliver Kahn. Na decisão, ele falhou feio e ajudou o Brasil a ser pentacampeão do mundo. A divulgação de que ele foi o principal atleta do Mundial do Japão virou piada.

Assim como a absurda escolha de Ceni.

Vale muito destacar sua dignidade.

Ele não foi buscar um prêmio que não era seu.

E evitou enorme vexame.

O sistema de votação para 2023 deverá mudar.

Acontecer após a decisão do Paulista...

Saiba quais são os elencos mais valiosos da Libertadores 2022

Os textos aqui publicados não refletem necessariamente a opinião do Grupo Record.

Últimas