A bobagem de Cuca que custou a Libertadores

Ele deixou seu time sem técnico. Buscou a própria expulsão, por evitar a cobrança de um lateral. Irmão/auxiliar tenta defender o indefensável

Cuca quis ganhar tempo. Foi merecidamente expulso. Sabotou, desconcentrou seus jogadores

Cuca quis ganhar tempo. Foi merecidamente expulso. Sabotou, desconcentrou seus jogadores

Conmebol

São Paulo, Brasil

A Conmebol não deixou nem que participasse da coletiva, após o jogo.

Personagem expulso não fala.

Justo ele, que foi o responsável pela incrível campanha do frágil elenco santista até a final da Libertadores.

Mas uma atitude infantil, boba, tola e tão usual no futebol brasileiro, um treinador evitar a rapidez que o time adversário reponha um lateral, acabou por ceifar o sonho da conquista da Libertadores pelo Santos.

Cuca desestabilizou, tirou a concentração do time ao ser expulo pelo juiz argentino Patricio Lousteau, que não perdoou a atitude antidesportiva de Cuca, que impediu que Marcos Rocha cobrasse o lateral.

Expulsão inacreditavelmente idiota.

E que fez o treinador ver da arquibancada do Maracanã seu time abalado, desestruturado taticamente, tomar o gol decisivo, logo após o cartão vermelho que tomou.

Seu irmão, Cuquinha', que ficou no seu lugar, nada pôde fazer para evitar a perda da desejada conquista.

"O jogo hoje em si foi muito...

"Do nosso lado, detalhamos o Palmeiras de cabo a rabo. Sabíamos tudo que fariam. Não teve uma finalização, o gol foi de cabeça, nem com o pé. Nosso goleiro não tocou na bola. Tivemos poucas chances porque também nos estudaram. E a circunstância do gol não tem o que falar. Isso já estava escrito, uma pena. Estávamos preparados...", lastimava o auxiliar.

Lógico que ele tentou defender o irmão.

Acusando Marcos Rocha, que iria cobrar o lateral.

Cuquinha não teve como fugir do óbvio.

Assim que a saída de Cuca do jogo desestabilizou o Santos.

"Desestabiliza, é o comandante, responsável por toda a trajetória. Lógico que desestabiliza. Não é jogar a culpa no árbitro, mas atrapalhou e influenciou. Não tenho nem dúvida.

"E o atleta que passou o pé no treinador é o mesmo que a gente foi resgatar no América (Mineiro) e levamos ao Atlético. O que nos deixa sentido é não ter ido no VAR, amarelo para um e vermelho para o outro. Quem agrediu levou vermelho e o agressor levou amarelo.

"Imagens estão aí", buscava justificar.

Sem relembrar, lógico, que Cuca segurou a bola, em atitude bizarra.

Comprometeu todo seu trabalho.

Matou o sonho da quarta Libertadores santista...

Últimas