Logo R7.com
Logo do PlayPlus
Cosme Rimoli Copa 2018
Publicidade

A aposta mais alta de Tite: mostrar que o Brasil veio para ganhar a Copa

Tite não teve saída. Decidiu colocar o Brasil marcando sob pressão a Costa Rica. E para dar uma resposta ao mundo, que duvida da seleção

Cosme Rímoli|Do R7 e Cosme Rímoli

Tite fará marcação sob pressão na Costa Rica
Tite fará marcação sob pressão na Costa Rica Tite fará marcação sob pressão na Costa Rica

São Petersburgo, Rússia

Mal terminou o sorteio dos grupos da Copa do Mundo, pelo planejamento da Seleção, havia uma partida cuja vitória é obrigatória. Se suíços e sérvios despertavam preocupação, o mesmo não se aplicava aos costarriquenhos. O jogo de hoje, às 9h (horário de Brasília), aqui em São Petersburgo, era o considerado de menor risco. Por Tite e por toda sua Comissão Técnica.

Mas as circunstâncias mudaram. O empate na estreia contra a Suíça e a vitória da Sérvia diante da Costa Rica, eram resultados normais. Mas, como tanto valoriza Tite, a preocupação ficou no desempenho da Seleção.

Diante da expectativa de que o time havia provocado nas Eliminatórias e nos amistosos, a imprensa nacional e internacional esperavam uma equipe totalmente diferente da que jogou em Rostov.

Publicidade

Tite e seus jogadores foram criticados. E toda a confiança, a euforia se transformou rapidamente em tensão. Foi quando o treinador e o time se mostraram o que são. Novatos em Copa do Mundo. 

Desde então os treinamentos passaram a ser fechados. Escondidos, tramaram o plano tático de uma equipe grande que enfrentará uma pequena.

Publicidade

O plano tático de Tite terá o Brasil marcando sob pressão, tentado resolver a partida o mas rápido que puder. O técnico já percebeu que o seus atletas se enervam rapidamente. Ele mesmo se deixou levar pela tensão da estreia. E cada minuto da partida de hoje se tornou fundamental.

A saída foi fazer o Brasil treinar marcar sob pressão, a saída de bola da Costa Rica. Tite sabe que precisa do gol o mais rápido possivel. Daí a necessidade dos fechar a concentração. Para a imprensa não alertar o adversario. O Brasil vai jogar como Brasil.

Publicidade

A equipe pressionando desde o tiro de meta. Ele quer compactação, personalidade. Com a seleção encurralando a Costa Rica. Com Fágner e Marcelo abertos como pontas, obrigando a defesa a se abrir. E também exige que seu time atue tanto pela direita como pela esquerda. De maneira equilibrada, vibrante. Triangulações entre Neymar e Marcelo se repetirão. Mas a de Fágner e William prometem ser a grande novidade.

Neymar precisara também jogar mais pelo time. Evitando o egoísmo. Até para evitar se machucar. Prendendo a bola ele acabou tomando dez faltas violentas. Ele não conseguiu nem treinar na terça-feira, por tanta dor que sentia.

Philippe Coutinho, Gabriel Jesus e Willian também foram cobrados. Para que fossem mais efetivos. Procurassem o gol. E não servir Neymar a cada contragolpe.

Tite espera a Costa Rica fechada, com linha de cinco zagueiros, quatro na intermediaria e um só atacante. E apostando suas fichas na bola parada. Nos escanteios e faltas laterais, com a bola levantada para a área brasileira. Problema que o treinador brasileiro não conseguiu resolver de vez.

Nao há como esconder. E nem Tite fez questão. Pelo contrário, até. Foi direto com seus jogadores. Hoje a partida precisa ser encarada com a concentração de uma final. O Brasil não poderá nem sonhar em não vencer.

Por isso Tite aposta na pressão total, algo que não gosta.

Mas não há outra saída.

O futebol brasileiro não precisa só de desempenho.

Chegou a hora do resultado...

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.