Blog do Nicola Presidente do Flamengo trava renovação de Bruno Henrique

Presidente do Flamengo trava renovação de Bruno Henrique

O atacante já assinou um novo contrato, mas Rodolfo Landim decidiu segurar o acordo sem nenhuma explicação

Bruno Henrique havia sido procurado por outros cinco clubes do futebol brasileiro

Bruno Henrique havia sido procurado por outros cinco clubes do futebol brasileiro

Gilvan de Souza/Flamengo

Lá se vai mais de um mês desde que praticamente todos os setoristas do Flamengo anunciaram o acordo para a renovação do contrato de Bruno Henrique — o vínculo atual se encerra em 31 de dezembro. Porém, apesar de BH27 já ter assinado a renovação, ela continua sem validade. O motivo: falta a assinatura do presidente Rodolfo Landim.

A informação sobre o atraso foi divulgada por Maximiliano de Oliveira e confirmada ao blog por uma pessoa do estafe de Bruno Henrique. Detalhe: nem o atacante nem seus empresários têm a menor ideia do motivo da demora de Landim.

"Essa resposta só o presidente pode dar", admitiu um representante do ponta, demonstrando incômodo com a incerteza.

Vale lembrar que Bruno Henrique abriu mão de uma oferta R$ 21 milhões maior, do Palmeiras, para continuar no Flamengo pelos próximos três anos — é que o Verdão estava disposto a pagar R$ 78 milhões pelo contrato dele, contra R$ 57 milhões do Flamengo.

Clique aqui e receba as notícias do R7 no seu WhatsApp
Compartilhe esta notícia pelo WhatsApp
Compartilhe esta notícia pelo Telegram

Existe a suspeita de que Landim esteja esperando o fim do Campeonato Brasileiro para confirmar se BH27 se recuperou completamente da cirurgia no joelho — o atacante esteve na reserva nos dois últimos jogos, contra o Fluminense e o Red Bull Bragantino, após ter sido expulso contra o Santos.

Detalhe: Bruno Henrique não pode fechar com mais ninguém, a menos que o Flamengo decida anular o contrato assinado pelo ponta no mês passado. 

Máquina de memes! Relembre as melhores pérolas de Deyverson

Os textos aqui publicados não refletem necessariamente a opinião do Grupo Record.

Últimas