Logo R7.com
Logo do PlayPlus
Blog do Nicola
Publicidade

Pivô do escândalo envolvendo a Vaidebet é são-paulino e já zoou o Corinthians

Prints resgatados de Alex Cassundé no Twitter repercutem muito mal dentro do Corinthians e aumentam ainda mais a pressão em Augusto Melo

Blog do Nicola|Jorge NicolaOpens in new window

O polêmico Alex Cassundé tem direito a R$ 25,2 milhões pela comissão no acordo entre Timão e Vaidebet

As polêmicas envolvendo o contrato de R$ 370 milhões do Corinthians com a Vaidebet têm vários culpados, mas o grande pivô é Alex Cassundé, que receberá até dezembro de 2026 um total de R$ 25,2 milhões como comissão. Pois o gestor, que ficará rico às custas do Corinthians, já usou sua conta no Twitter para se declarar são-paulino e provocar o Timão, conforme mostram prints resgatados. O blog tentou contato com Cassundé, mas não obteve retorno. A conta dele no Twitter também não está mais online.

Em 21 de maio de 2011, Cassundé postou: “sabe qual a semelhança entre o Corinthians e o Bin Landen? Ambos viraram comida de peixe!” Quatro meses depois, outra provocação, em formato de piada: “Joãozinho, sua redação está sem título”. “Ah, professora. Eu falei sobre o Corinthians”.

Tuitadas do barulho Alex Cassundé provocando o Corinthians em sua conta no Twitter, em 2011

Treze anos atrás, uma das principais gozações contra os corintianos dizia respeito à falta de título na Libertadores. E Cassundé também entrou na onda com uma postagem em 25 de setembro de 2011: “O que um corintiano faz depois que ganha a Libertadores? Desliga o videogame ou acorda do sonho”.

Os prints enfureceram conselheiros da oposição e também da situação do Corinthians. É que toda a história de Cassundé no Corinthians é controversa. Desde o início. Cassundé surge no fim do ano passado, quando é contratado para cuidar das redes sociais da campanha de Augusto para a presidência do Corinthians.

Depois, reaparece como intermediário do contrato com a Vaidebet, apesar de o presidente ter afirmado para muitas pessoas, entre elas Rubens Gomes, então diretor de futebol, que não haveria pagamento de comissão. Para piorar, ainda descobriram que Cassundé repassou cerca de R$ 1 milhão do dinheiro recebido do Corinthians para uma empresa chamada Neoway, que pertence à Edna Oliveira dos Santos. Acontece que a moça, que mora em Peruíbe e vive com R$ 720 por mês, não tinha a mínima ideia da existência dessa empresa.

Os textos aqui publicados não refletem necessariamente a opinião do Grupo Record.

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.