Blog do Nicola Corinthians e Gabigol querem fechar negócio; veja o que trava a ida do atacante para o Timão

Corinthians e Gabigol querem fechar negócio; veja o que trava a ida do atacante para o Timão

Atacante está fora dos planos do Flamengo e gosta da ideia de jogar no Corinthians, porém salário vira problema significativo

Gabigol chora ao lado de Rodrigo Caio antes da partida do Flamengo contra o Cuiabá

Gabigol chora ao lado de Rodrigo Caio antes da partida do Flamengo contra o Cuiabá

RUANO CARNEIRO/FOTOARENA/ESTADÃO CONTEÚDO - 03/12/2023

O Corinthians ainda não desistiu de contratar Gabigol. E mais: o atacante do Flamengo já demonstrou que gosta da ideia de atuar pelo Timão, mas há um problema salarial. "Ele ganha R$ 2,5 milhões por mês e, se não aceitar uma redução, se torna inviável", explica uma fonte alvinegra, em contato com o blog.

"E a questão não é apenas pagar esse valor, mas, quando se contrata alguém com esse salário, você muda o patamar do grupo inteiro. E todos vão querer usar esse valor como referência", acrescenta o corintiano, bem próximo de Augusto Melo, recém-eleito presidente.

A situação de Gabigol no Flamengo é das piores: Tite não conta com o atacante e o deixou no banco de reservas nas duas últimas partidas. Marcos Braz e os empresários do jogador já acertaram a renovação do atual contrato, que se encerra em dezembro de 2024. Mas isso não significa que ele ficará na Gávea.

De acordo com o Corinthians, uma troca de Gabigol por Yuri Alberto seria uma alternativa viável. Por empréstimo ou em definitivo. Ninguém no Flamengo confirma uma negociação nesses termos. "O Yuri ganha metade do salário do Gabigol", ressalta outro corintiano envolvido nas conversas.

Importante: Yuri Alberto tem números e carreira bem inferiores aos de Gabigol, mas é cinco anos mais jovem (22 anos contra 27). O site Transfermarkt avalia Yuri Alberto em 16 milhões de euros, com Gabigol valendo 20 milhões de euros.

Último jogo do Flamengo no Maracanã tem homenagens a Filipe Luís e Rodrigo Caio

Os textos aqui publicados não refletem necessariamente a opinião do Grupo Record.

Últimas