Logo R7.com
Logo do PlayPlus
Blog do Nicola
Publicidade

Consultoria estuda recuperação judicial para o Corinthians

Ernst & Young entende que as dívidas alvinegras, de R$ 2 bilhões, e a falta de pessoas capacitadas na gestão recomendam uma RJ

Blog do Nicola|Jorge NicolaOpens in new window

Situação preocupante Augusto Melo promete apresentar o parecer final da E&Y nesta semana

Contratada em janeiro pelo presidente Augusto Melo para fazer um levantamento sobre a situação do Corinthians e apresentar soluções, a Ernst & Young cogita uma sugestão radical: a recuperação judicial. Trata-se do remédio mais pesado previsto no mercado para empresas/clubes endividados.

O blog apurou que essa alternativa, inclusive, já foi debatida nas reuniões semanais da diretoria do Corinthians com os executivos da E&Y. A consultora, uma das mais respeitadas do mundo, também recomendou a contratação de um CEO.

As soluções têm duas explicações: a enorme dificuldade financeira do Corinthians, com dívidas na casa dos R$ 2 bilhões (incluindo a Neo Química Arena), e a falta de capacidade técnica dos atuais gestores para uma gestão profissional.

A chegada de um CEO, porém, pode ser ignorada por Augusto Melo. Marcelo Mariano, diretor administrativo, e Sérgio Moura, diretor de marketing, são as principais vozes contrárias no Parque São Jorge. E a dupla, que costuma se meter em outras áreas, tem enorme participação nas decisões do presidente.

Publicidade

O que é a recuperação judicial?

A RJ, no jargão do mercado, é um procedimento que tem por objetivo evitar que a empresa quebre quando está em crise financeira. Além de socorrer os sócios, esse instrumento visa proteger funcionários, fornecedores, prestadores de serviço, clientes, torcedores...

Na prática, a recuperação judicial procura viabilizar um acordo entre a empresa devedora e seus credores com enormes descontos, que podem chegar a até 90%. Porém, vale lembrar, essa é a mais radical das soluções e pode decretar a falência em caso de não cumprimento dos acordos.

A SAF do Cruzeiro optou pela recuperação judicial, enquanto Vasco e Botafogo caminharam para o RCE (Regime Centralizado de Execuções). Há ainda a REJ (Recuperação Extra-judicial).

Os textos aqui publicados não refletem necessariamente a opinião do Grupo Record.

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.