Blog do Nicola Áudios vazados viram ameaça para candidato de oposição no Corinthians

Áudios vazados viram ameaça para candidato de oposição no Corinthians

Falas de Augusto Melo atacando funcionária do Timão, discutindo pagamento de comissão e diminuindo o papel da mulher no futebol fazem barulho no Parque São Jorge

Augusto Melo enfrenta André Negão na eleição marcada para sábado, no Parque São Jorge

Augusto Melo enfrenta André Negão na eleição marcada para sábado, no Parque São Jorge

Divulgação

Candidato de oposição com mais chance de vitória no Corinthians em anos, Augusto Melo ganhou um adversário de peso na busca por votos até sábado, quando ocorre a eleição para presidente. É que uma série de áudios vazados, e confirmados por uma perícia externa, já causaram protestos no Parque São Jorge, convocação para depoimento, entre outras situações.

O caso mais recente se transformou em um boletim de ocorrência contra ele. Cintia Montino, assessora da diretoria administrativa do Corinthians, o acusou de injúria, ameaça e misoginia por conta de ofensas em um áudio de WhatsApp que circula entre sócios do clube.

"A Cintia, eu vou pegar ela, e deixa que eu vou falar aqui que ela cobra dinheiro para dar a b*** aqui para os velhos aqui. Vou catar ela e acabar com ela aqui", disse Augusto Melo, antes de recuar, por meio de sua assessoria, alegando que se equivocou ao usar tais termos.

O episódio não é o único contra uma mulher. “Quem paga o plano de saúde: não é o marido, o namorado, o pai, o filho, sei lá… é o homem que paga. Quem assiste ao futebol são os homens”, afirmou, minimizando o crescimento da participação feminina no mundo da bola.

Augusto Melo chegou a ser intimado por possível crime de racismo após comentários feitos em áudio sobre a cozinheira que trabalhava no União Barbarense, onde ele foi gestor em 2018. No áudio, ele se refere à funcionária como a “gorda, negrona… a cozinheira” e chega a pôr em dúvida a idoneidade dela, afirmando que compraria frango aos poucos, para que “não sumisse”.

Além de ser acusado de quebrar uma empresa, Augusto convive há anos com a crítica de já ter atuado como empresário de futebol. Ele nega, embora uma gravação o coloque negociando jogadores com um clube de Rondônia e tratando de comissões com um empresário chamado Adilson.

Augusto se defende afirmando que atuava no União Barbarense depois de deixar as categorias de base do Corinthians, onde tinha o cargo de assessor.

A eleição para presidente ocorre no próximo sábado, e o vencedor do duelo entre ele e Andre Negão assumirá o Corinthians a partir de janeiro, para um mandato de três anos.

Mandato sem títulos, polêmicas e rivais campeões: o melancólico fim da era Duilio no Corinthians

Os textos aqui publicados não refletem necessariamente a opinião do Grupo Record.

Últimas