Logo R7.com
Logo do PlayPlus
Blog do Fabiano Farah
Publicidade

Rueda se defende de ‘gestão temerária’ no Santos, mas pode ser expulso do clube

Andrés Rueda teve contas de 2023 reprovadas e hoje conselho se reúne para definir novas ações

Blog do Fabiano Farah|Fabiano FarahOpens in new window


Andrés Rueda teve as contas reprovadas no Santos Divulgação / Santos FC

Andres Rueda, ex-presidente do Santos Futebol Clube, apresentou defesa após ter as contas de sua gestão, no ano 2023, reprovadas por gestão temerária. O ex-dirigente apresentou um documento de 15 páginas justificando cada item polêmico debatido no conselho deliberativo.

Nós tivemos acesso a cada uma das defesas do ex-presidente e as manifestações do Conselho Fiscal (CF), órgão responsável por analisar o assunto.

Os itens que levaram a reprovação das contas são: Folha de Pagamento, Marketing, IPTU, Krasnodar, Mou com a WTorre, Propriedades Comerciais do Brasileiro, Antecipação de Cotas do Campeonato Paulista e Comprometimento das Receitas.

FOLHA DE PAGAMENTO

A defesa do ex-presidente usa trecho do próprio relatório do Conselho Fiscal e alega que todos os limites estatutários foram respeitados. Andres Rueda refuta a alegação do CF de que o clube teve aumento significativo (36%) nos gastos em relação a 2021 e 2022 e destaca que os gastos com o futebol representaram 58,36% do total (o limite estatutário é de 76,5%).

Publicidade

O documento da defesa ainda aponta que o gasto com o departamento de futebol em 2023 chegou a R$ 138.143.195,00, um número superior em 0,71% ao que estava previsto no orçamento. A remuneração com direitos de imagem foi R$ 34.075.613,00, valor 8,96% superior ao previsto no orçamento.

POSICIONAMENTO DO CONSELHO FISCAL

Publicidade

O órgão mantém o posicionamento de que o aumento de 36% da folha em relação a 2021 deve constar no relatório, mas ressalta que o item não foi usado como embasamento para o pedido de reprovação das contas.

WTORRE

A defesa do ex-presidente alega que todos os candidatos na eleição ficaram sabendo das condições do acordo em reunião realizada no dia 27 de novembro do ano passado. O ex-presidente também alega que participou de uma reunião com as principais construtoras da cidade de Santos e todas teriam concordado que a WTorre era a empresa que mais tinha experiência na gestão e administração com shows do novo estádio.

Publicidade

O documento ainda revela que o Santos pode rescindir o contrato em quatro situações:

1) O Santos não aprove a due dilligence da WTorre (aspectos jurídicos e financeiro).

2) A WTorre não apresente o orçamento de implantação na forma acordada.

3) A WTorre não apresente ou as partes não cheguem a um acordo quanto ao estudo de viabilidade.

4) O Santos decida rescindir de forma imotivada, com pagamento de penalidade.

POSICIONAMENTO DO CONSELHO FISCAL

O órgão cita que a defesa de Andres Rueda alegou ter inserido as cláusulas por pressão da WTorre e que não foram apresentados fundamentos legais ou técnicos que modifiquem o entendimento do órgão.

KRASNODAR (DÍVIDA PELA CONTRATAÇÃO DE CUEVA)

Sobre o não pagamento do meia Cueva ao Krasnodar, que gerou um transferban da Fifa, a defesa alega que a contratação foi feita em 2019 por cerca de R$ 43 milhões e nada havia sido pago até 2021. O ex-presidente afirma ter pago cerca de R$ 20 milhões, mas alega ter faltado caixa em 2023 e a direção optou por priorizar o pagamento de tributos, folha de pagamento e direito de imagem para respeitar a sequência de pagamentos listada no Estatuto Social.

O ex-presidente alega ainda que o pagamento do Pachuca ao Santos pela contratação do jogador foi feito de forma parcelada e que o clube russo tinha interesse na contratação de um jogador do clube (Joaquim). Andres Rueda cita também que o Santos teria uma entrada significativa de receita com a venda de Marcos Leonardo e que o valor poderia ser usado no abatimento da dívida. Ele ainda alega que a situação foi informada a todos os candidatos da última eleição do clube.

POSICIONAMENTO DO CONSELHO FISCAL

O órgão afirma que o parecer cita que houve gastos sem critérios com compra de jogadores com altos salários e nível técnico incompatível com os proventos e aponta que a defesa em reunião sem registro com os candidatos e conversas informais.

ANTECIPAÇÃO E COMPROMETIMENTO DE RECEITAS

O ex-presidente alegou que, com os péssimos resultados em campo, o Santos não recebeu os valores de premiação do Campeonato Brasileiro e também a parcela anual do patrocínio da Binance. Com isso, o Comitê de Gestão antecipou R$ 28 milhões da cota do Paulistão 2024. Mesmo com a antecipação, ainda foi preciso buscar um aporte de R$ 18 milhões via funding para zerar as contas.

Andres Rueda alega que optou por não vender qualquer ativo do clube, que a Binance havia prometido pagar a parcela em janeiro e que o clube ainda poderia ter receitas oriundas do acordo com a LIBRA.

A defesa de Andres Rueda ainda alega que o Conselho Fiscal fez uma “ginástica de raciocínio totalmente equivocada” por incluir aquisição de atletas e seus respectivos salários como comprometimento de receita. O documento do ex-dirigente alega que aquisição de atleta é um ativo, não uma despesa.

Rueda ainda ataca o relatório do Conselho Fiscal: “Que os torcedores comuns não tenham ciência que o patrimônio líquido do clube (passivo a descoberto) no início da gestão anterior era de R$ 464 milhões é compreensível, já o Conselho Fiscal não tem esse direito”.

Por fim, o documento alega que, com o superavit nos últimos três anos totalizando R$ 62 milhões, o passivo foi reduzido para R$ 403 milhões. Andres Rueda ainda dá conselho para os próximos presidentes.

“Sem ironias, serão necessários 20 anos de gestões responsáveis para talvez zerar o passivo do clube. Então, o dirigente que assume sabe que terá de escolher quem pagar, quando e como pagar. Priorizar é a palavra! Não vai se conseguir a curto prazo pagar a todos e virão possivelmente novos transferbans ou atrasos de impostos e atrasos de salários. Pode-se quando muito alongar os compromissos. Não há mágica”, encerra o documento.

POSICIONAMENTO DO CONSELHO FISCAL

O novo relatório cita que, apesar da antecipação de receitas e do aporte do funding, o pagamento de férias de dezembro e de imposto de renda de novembro e dezembro de alguns funcionários não foi efetuado.

O parecer aponta que o aumento de gastos sem planejamento de 2023 comprometeu em 30% as receitas de 2024, “gerando um resultado negativo ao planejamento financeiro do clube”.

O QUE PODE ACONTECER?

Os conselheiros do Santos devem seguir a sugestão do Conselho Fiscal e, novamente, reprovar as contas do ex-dirigente.

A partir daí, o ex-presidente e seus dirigentes passam a ter o caso analisado pela comissão de inquérito e sindicância do Peixe.

Estatutariamente as punições por reprovação de contas por gestão temerária vão desde suspensão, ilegibilidade e expulsão do quadro associativo.

Os textos aqui publicados não refletem necessariamente a opinião do Grupo Record.

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.