Logo R7.com
Logo do PlayPlus
Pan - Conexão Chile
Publicidade

Quem é Guilherme Caribé, nadador que já soma três ouros no Pan de Santiago

Aos 20 anos, atleta é um dos principais nomes da delegação brasileira e foi peça importante nas vitórias do Brasil nos revezamentos

Pan-Americanos|Do R7


Caribé foi reconhecido e venceu o Troféu Julio de Lamare
Caribé foi reconhecido e venceu o Troféu Julio de Lamare

O nadador Guilherme Caribé, 20, é um dos destaques da delegação brasileira no Pan-Americano de Santiago, no Chile. Em sua estreia na competição, o atleta já conquistou três medalhas de ouro, sendo a mais recente nesta segunda-feira (23), nos 100m livre. Com o tempo 38s06, ele ainda atingiu índice olímpico para os Jogos de Paris, em 2024.

"(Estou) muito feliz com a minha terceira medalha de ouro aqui no Pan. Torna-se mais especial por ser nos 100m livre, que é uma prova clássica da natação e uma prova clássica para o Brasil, onde a gente já teve vários campeões, inclusive recordista Mundial", explicou o atleta em declaração divulgada pela Confederação Brasileira de Desportos Aquáticos (CBDA).

Clique aqui e receba as notícias do R7 Esportes no seu Whatsapp

Compartilhe esta notícia pelo WhatsApp

Publicidade

Compartilhe esta notícia pelo Telegram

Caribé já havia tido participações decisivas nas vitórias brasileiras nos revezamentos 4x100m livre masculino e 4x100m livre misto na capital chilena, consolidando sua posição na elite mundial da modalidade.

Publicidade

Inspirado por nomes como César Cielo, Bruno Fratus e Edvaldo Valério, o nadador baiano ganhou reconhecimento nacional no Troféu Julio de Lamare, no fim do ano passado. Ele nadou abaixo da barreira dos 22 segundos nos 50m, com 21s87, e baixou da casa de 48 segundos para 21s87 nos 100m. Na época, competia pelo Clube dos Funcionários da Petrobras, de Salvador.

Leia também

Atualmente, Guilherme Caribé atua pelo Flamengo. Além disso, também competiu na última temporada pela Universidade do Tennessee na National Collegiate Athletic Association, mais conhecida como NCAAN, nos Estados Unidos. Lá, aprimorou suas habilidades e ganhou uma perspectiva global da natação.

"Na Bahia, eu tinha treinos mais longos, fazia muita série grande e puxava meu ritmo. Aqui é totalmente diferente, os treinos são mais curtos e intensos. É divertido para o pessoal da velocidade, treinando com gente do lado. As pessoas me empolgam e eu empolgo o pessoal, então fica essa competição no treino", revelou.

Confira as principais esperanças de medalhas para o Brasil no Pan-Americano de Santiago

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.