Olimpíadas Putin diz que COI distorce ideais olímpicos e afirma que o esporte deveria unir os povos

Putin diz que COI distorce ideais olímpicos e afirma que o esporte deveria unir os povos

Dirigente criticou a postura da entidade esportiva, que não está decidida sobre a presença ou não de atletas russos em Paris-2024

Agência Estado - Esportes
Putin citou o fundador das Olimpíadas para criticar o COI

Putin citou o fundador das Olimpíadas para criticar o COI

Sputnik/Mikhail Metzel/Pool via REUTERS - 11.09.2023

O presidente da Rússia, Vladimir Putin, fez diversas críticas ao Comitê Olímpico Internacional (COI), nesta terça-feira (12). O dirigente russo afirmou que a entidade distorce os ideais olímpicos ao "comercializar" e politizar os esportes, que, na sua avaliação, deveriam unir e não dividir os povos.

"Sobre o movimento olímpico, acho que a liderança das federações internacionais e do próprio Comitê Olímpico Internacional estão distorcendo os ideais originais de Pierre de Coubertin. O esporte deveria ficar fora das discussões políticas", declarou Putin, em discurso feito durante o Foro Econômico do Oriente, realizado em Vladivostok, na Rússia.

Mais conhecido como Barão de Coubertin, o historiador francês citado por Putin é considerado o fundador dos Jogos Olímpicos da era moderna. O resgate das competições esportivas realizadas na Antiguidade deram origem ao próprio COI. Um dos motes originais da Olimpíada moderna era a união dos povos.

· Compartilhe esta notícia pelo Whatsapp
· Compartilhe esta notícia pelo Telegram

"O movimento olímpico caiu na armadilha dos interesses financeiros. Há uma comercialização inaceitável do esporte internacional e do movimento olímpico internacional", declarou Putin. "Não se trata apenas de buscar recordes [esportivos], mas também de unir os povos. E o movimento olímpico internacional perdeu esta função. E isso é lamentável para este movimento, pois de uma forma ou de outra surgirão movimentos alternativos. Isso é inevitável."

O presidente russo se referia a competições criadas recentemente para unir países específicos, caso dos Jogos da Amizade e dos Jogos dos BRICS, grupo formado por Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul.

Os atletas e equipes russas vêm enfrentando restrições nas principais competições internacionais como retaliação ao país pela invasão da Ucrânia, em fevereiro do ano passado. Alguns foram impedidos de competir, enquanto outros podem participar sem usar a bandeira russa.

Para a Olimpíada de Paris-2024, o COI ainda não tomou sua decisão final sobre o caso. A entidade sofre pressão tanto da Rússia quanto dos países ocidentais, que tentam barrar o país na competição. Até o momento, o COI vem indicando que os atletas russos poderão competir, porém sem o uso da bandeira e do hino da Rússia.

A decisão vem fazendo muitos atletas russos buscarem outras nacionalidades para não perderam a chance de disputar tanto os Jogos Olímpicos quanto os Mundiais de suas modalidades. Contas oficiais e não oficiais apontam que quase 100 atletas já buscaram outros países para defender.

Nesta terça, Putin comentou sobre este movimento e evitou críticas aos esportistas. "Não critico ninguém. Quando um atleta, principalmente os de alto rendimento, sobem ao pódio e escutam o hino do seu país e olham a bandeira, isso é algo importante. Mas, no fim das contas, cada um toma a sua própria decisão", disse o presidente russo.

Entenda a discussão do COI sobre a presença de russos e belarrussos nos Jogos de Paris 2024

Últimas