Logo R7.com
Logo do PlayPlus
BRASILEIRO 2022
Publicidade

Patinadora russa de 15 anos tem doping confirmado na Olimpíada de Inverno

Por causa do ocorrido, atleta poderá perder medalha de ouro conquistada na patinação artística por equipes

Olimpíadas|Do R7


Kamila Valieva testou positivo no controle de doping e pode perder medalha de ouro
Kamila Valieva testou positivo no controle de doping e pode perder medalha de ouro

A jovem patinadora artística russa Kamila Valieva testou positivo no controle de doping no final de dezembro, antes dos Jogos Olímpicos de Inverno de Pequim 2022. A informação foi confirmada nesta sexta-feira (11) pela Agência Internacional de Testagem (ITA, na sigla em inglês), encarregada de controles antidoping.

A atleta, de 15 anos, testou positivo para a substância trimetazidina, um medicamento para angina proibido pela Agência Mundial Antidoping (Wada, na sigla em inglês) desde 2014, durante o Campeonato Russo em São Petersburgo, explicou a ITA.

O resultado do controle foi conhecido no último dia 8. A agência antidoping russa (Rusada, na sigla em russo) suspendeu provisoriamente Valieva, que recorreu e conseguiu a liberação para treinar em Pequim.

O COI (Comitê Olímpico Internacional) foi contra a decisão da agência russa e apelou à Corte Arbitral do Esporte (CAS, na sigla em inglês), afirmando que "é necessária uma decisão antes de 15 de fevereiro", quando começa a competição individual feminina.

Publicidade

A equipe da atleta poderá perder a medalha de ouro da competição de patinação artística por equipes caso a apelação seja aceita pela CAS. O ouro foi conquistado na última segunda-feira (7), um dia antes da divulgação do resultado do exame antidoping de Kamila.

Leia também

Na coletiva de imprensa do COI em Pequim, o porta-voz Mark Adams explicou que, apesar de o comitê ter uma política 100% antidoping, se trata de um assunto com "questões mais amplas, porque ela [Kamila] é menor de idade, então não podemos comunicá-las".

Publicidade

Kamila tem sido a nova sensação da patinação artística desde que chegou ao circuito sênior, em 2021, reunindo sucessos em grandes prêmios. Durante a competição por equipes em Pequim, ela se tornou a primeira mulher a realizar saltos quádruplos nos Jogos Olímpicos de Inverno.

De Coringa a Homem de Ferro: capacetes do skeleton roubam a cena nos Jogos de Inverno

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.